Uso de marcadores tumorais num Serviço de Medicina Interna – um estudo basal e pós-intervenção

Autores

  • I. V. Luís Serviço de Oncologia Médica, Hospital de Santa Maria, Lisboa Portugal
  • J. Nunes da Silva Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • P.H. Monteiro Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • L.S. Pinheiro Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • T. Nolasco Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • R. Dutschmann Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • T. Gaspar Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • J. Ribeiro Serviço de Oncologia Médica, Hospital de Santa Maria, Lisboa Portugal
  • P. Dias Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • A.F. Duarte Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • J.S. Matias Serviço de Patologia Clínica, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • M. Lucas Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal
  • R.M.M. Victorino Serviço de Medicina II, Hospital de Santa Maria, Lisboa, Portugal

Palavras-chave:

marcadores tumorais, auto-auditoria, acções de formação/informação

Resumo

Introdução: Os marcadores tumorais (MT) têm um papel importante na prática clínica, sendo no entanto o seu contributo limitado no diagnóstico devido à sua reduzida sensibilidade e especificidade.
Têm vindo a ser desenvolvidas guidelines internacionais sobre
o uso de MT, contudo publicações recentes apontam para uma
sobreutilização de MT. O presente estudo avalia o impacto de
actividades informativas e “auto-auditoria” médica na utilização
de MT num Serviço de Medicina Interna.
Resultados: No estudo basal foram pedidos MT a 19,6% dos
doentes internados verificando-se no estudo após a intervenção
(PI) uma redução de 42,6% do número de pedidos para 10,2%.
No estudo basal o principal motivo para o pedido de MT foi o
diagnóstico e no estudo PI foi o rastreio. Em ambos os estudos
as situações de apropriação foram predominantemente na área
do rastreio enquanto que as situações de inapropriação foram
na área do diagnóstico. No estudo basal foram considerados
apropriados 17,5% dos MT, verificando-se uma subida deste
valor para 46% após a intervenção. Observou-se globalmente
uma descida dos custos totais, sobretudo devido a uma descida
de custos relacionados com inapropriações.
Discussão: O presente estudo demonstra assim que a formação/informação com acções de “auto-auditoria” sobre a correcta
utilização dos MT pode ser um factor determinante na modificação
e melhoria das práticas clínicas, com impacto na redução dos
custos associados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Loi S, Haydon A, Shapiro J, Schwarz M, Schneider H. Towards evidence-based use of serum tumour marker requests: an audit of use in a tertiary hospital. Intern Med J. 2004;34(9-10):545-550.

Duffy M. Evidence for the clinical use of tumour markers. Ann Clin Biochem. 2004;41(5):370-377.

McGinley P, Kilpatrick E. Tumour markers: their use and misuse by clinicians. Ann Clin Biochem. 2003;40(6):643-647.

McDonnell M. An audit of tumour marker requests in Northern Ireland. Ann Clin Biochem. 2004;41(5):378-384.

Kwok J, Jones B. Unnecessary repeat requesting of tests: an audit in a government hospital immunology laboratory. J Clin Pathol. 2005;58(5):457-462.

Fraser C, Woodford F. Strategies to modify the test-requesting patterns of clinicians. Ann Clin Biochem. 1987;24 (3):223-231.

Tierney W, Miller M, McDonald C. The effect on test ordering of informing physicians of the charges for outpatient diagnostic tests. N Engl J Med 1990;322(21):1499-1504.

Wones R. Failure of low-cost audits with feedback to reduce laboratory test utilization. Med Care. 1987;25(1):78-82.

Goldman L. Changing physicians’ behavior. The pot and the kettle. N Engl J Med. 1990;322(21):1524-1525.

Schroeder S, Myers L, McPhee S, Showstack J, Simborg D, Chapman S et al. The failure of physician education as a cost containment strategy. Report of a prospective controlled trial at a university hospital. JAMA 1984;252(2):225-230.

Schröder F, Hugosson J, Roobol M, Tammela T, Ciatto S, Nelen V, et al. Screening and prostate-cancer mortality in a randomized European study. N Engl J Med. 2009;360(13):1320-1328.

Andriole G, Grubb Rr, Buys S, Chia D, Church T, Fouad M, et al. Mortality results from a randomized prostate-cancer screening trial. N Engl J Med 2009;360(13):1310-1319.

Lin K, Lipsitz R, Miller T, Janakiraman S. Benefits and harms of prostatespecific antigen screening for prostate cancer: an evidence update for the U.S. Preventive Services Task Force. Ann Intern Med 2008;149(3):192-199.

Durieux P, Ravaud P, Porcher R, Fulla Y, Manet C, Chaussade S. Long-term impact of a restrictive laboratory test ordering form on tumor marker prescriptions. Int J Technol Assess Health Care. 2003;19(1):106-113

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-03-2010

Como Citar

1.
Luís IV, Nunes da Silva J, Monteiro P, Pinheiro L, Nolasco T, Dutschmann R, Gaspar T, Ribeiro J, Dias P, Duarte A, Matias J, Lucas M, Victorino R. Uso de marcadores tumorais num Serviço de Medicina Interna – um estudo basal e pós-intervenção. RPMI [Internet]. 31 de Março de 2010 [citado 14 de Julho de 2024];17(1):5-12. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1255

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)