Toxocaríase: contributo para o conhecimento epidemiológico no concelho da Feira

Autores

  • Luís P. Tavares Assistente Eventual de Medicina Interna do Hospital de Nos­sa Senhora da Saúde - São Pedro de Oleiros
  • Jorge Garrido Assistente Graduado de Patologia Clínica do Hospital de Nossa Senhora da Saúde - São Pedro de Oleiros
  • Carlos A. Geraldes Assistente Hospitalar de Oftalmologia do Hospital de Nos­sa Senhora da Saúde - São Pedro de Oleiros
  • Maria C. Tavares Assistente de Clínica Geral do CS. da Feira
  • Ana C. Faria Técnica de Análises Clínicas do Hospital de Nossa Senhora da Saúde - São Pedro de Oleiros

Palavras-chave:

Toxocara canis, larva migrans visceral, epidemiologia, mebendazol, albendazol

Resumo

A toxocaríase e a larva migrans visceral são entidades clinicas subdiagnosticadas, devido ao deficiente conhecimento que a classe médica e outros técnicos de saúde têm sobre parasitoses. Em Portugal, estudos prospectivos efectuados nos últimos anos mostram que a prevalência da infecção por Toxocara canis nos canfdeos, a con­taminação dos solos e a infecção humana são preocupantes.

No presente estudo, a amostragem recaiu so­ bre 513 indivíduos residentes no concelho da Fei­ra, tendo-se encontrado uma seropositividade de 17,7%. Os autores procedem a uma análise esta­tística dos dados obtidos em função do sexo, idade, profissão, residência, manifestações clínicas e laboratoriais, posse de cães e tipo de exposição. Os indivíduos seropositivos foram tratados com mebendazol ou albendazol, de forma aleatória.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Faust EC, Beaver PC, Jung RC. Agentes e vectores animais de doenças humanas. Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1975.

Azevedo JF. Parasitoses portuguesas de carácter continental. O Médico 1976; 1270: 51 - 53.

Vieira RA. Toxocaracanis: sua importância em Saúde Pública.

Rego AA. Contaminação do solo de parques e praças ele Lisboa por ovos de Toxocara e outros helmintas. An Esc Med Vet 1980; 22: 152 - 162.

Vieira RA. Parasitismo intestinal em casos de 5 áreas rurais nos arredores de Lisboa. Rev Port Doenças Infecc 1981; 4 (4): 257- 278.

Manat,1 MJ, Valadas E, Quaresma MJ. Síndrome de Larva Migrante Visceral a Toxo caracanis: a propósito de dois casos clínicos. Rev Port Doença Infecc 1993; 16 (2): 145 - 151.

David de Morais.JÁ, Romhert PC, Trinca AT. Larva Migrante Visce­ral: subsídios para o seu conhecimento epidemiológico no dis­trito ele Évora. Rev Port Doença Infecc 1990: 13 (-Í): 227 - 2.34.

Gonzaga JN. Um caso de dispneia e eosinofilia periférica. Pneu­ mologia, 1976; 7 (3): 96 - 102.

Rev Po11 Doenças Infecc 1978; 1 (3): 233 - 248.

Romhert PC. Sobre a frequência da Larva Migrante Visceral" em Portugal. Rev Port Doença Infecc 1984; 7 (3): H7 - 11.

Kerr Muir MG. Toxocara canis e Saúde humana. Br Med. J (edi­ção portuguesa). 1995: 4: 5 - 6.

David de Morais JA. Larva Migrante Visceral: epidemiologia e clínica. Rev Port Doença Infecc 1989; 12 ( n 29 - 46.

Lobos AV. Arsénio A. Síndrome de Larva Migrante Visceral. Rev Port Doenças Infecc 1983; 6 (1 ): 9 - 14.

David de Morais JA. Larva Migrante Visceral , experiência dínica com uma nova terapêutica: o Mehendazol. Rev Port Doença Infecc 1984 b; 7 (3): 153- 165.

SanfordJP, Gilhert DN, GerberdingJL, Sande MA. The Sanford Guide to Antimicrohial Therapy, edited hy Antimicrobial Therapy lnc., Dallas, 1994.

Tavares L, Vieira RA. Estudo da poluição do solo da área urba­na de Almada por ovos de Toxocara canis. Rev Port Doen­ça Infecc 1984; 7 (3): 169 · 173.

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-09-1998

Como Citar

1.
Tavares LP, Garrido J, Geraldes CA, Tavares MC, Faria AC. Toxocaríase: contributo para o conhecimento epidemiológico no concelho da Feira. RPMI [Internet]. 30 de Setembro de 1998 [citado 25 de Junho de 2024];5(3):152-7. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2140

Edição

Secção

Artigos Originais