Infecções urinárias: a realidade de um serviço de Medicina Interna

Autores

  • Cláudia Rocha Serviço de Medicina III do Hospital Pulido Valente
  • Lia Marques Serviço de Medicina III do Hospital Pulido Valente
  • André Simões Serviço de Medicina III do Hospital Pulido Valente
  • André Rodrigues Serviço de Medicina III do Hospital Pulido Valente
  • Miguel Neno Serviço de Medicina III do Hospital Pulido Valente
  • Riquen Mulji Serviço de Medicina III do Hospital Pulido Valente
  • Dora Sargento Serviço de Medicina III do Hospital Pulido Valente

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.1016

Palavras-chave:

infecções urinárias, susceptibilidade antibiótica, resistência aos antibióticos

Resumo

As infecções urinárias (IU´s) são muito prevalentes. Em Portugal, constituem a segunda doença infecciosa mais frequente
na comunidade e a principal infecção nosocomial nas enfermarias de Medicina. Admite-se a existência de grande taxa de
resistência aos antibióticos recomendados para tratamento de
IU´s. Para caracterizar a população de doentes com diagnóstico de alta de IU num Serviço de Medicina Interna, procedeuse à análise retrospectiva dos processos dos doentes com
alta dessa unidade durante o ano de 2011. Avaliaram-se os
parâmetros idade, sexo, tipo de IU, agente etiológico, perfil de
resistências, antibiótico prescrito e comorbilidades. Dos resultados obtidos conclui-se que 91% das IU’s eram cistites. A
maioria eram infecções urinárias com origem na comunidade
(IUC), 31% eram infecções urinárias nosocomiais (IUN). Houve isolamento do agente etiológico em 68% das uroculturas.
Identificaram-se 21 estirpes, por ordem de frequência: Escherichia coli, Klebisiella pneumonia, Pseudomonas aeruginosa e
Proteus mirabilis. Verificou-se baixa susceptibilidade às quinolonas (20% IUC-19% IUN), ampicilina (19% IUC-12% IUN)
e cefalosporinas de primeira geração (11% nos dois grupos).
Os antibióticos inicialmente prescritos foram: amoxicilina+-
clavulanato, ciprofloxacina, cefuroxima e piperacilina+tazobactam. As comorbilidades mais frequentes foram: diabetes,
síndrome demencial e algaliação crónica. Este estudo revela
alta resistência às quinolonas, ampicilina e cefalosporinas de
primeira geração, tanto nas IUC’s como nas IUN’s, o que será
explicado pelo uso abusivo desses antimicrobianos. A ciprofloxacina foi o segundo antibiótico mais prescrito, e o segundo com mais resistências documentadas o que fundamenta
a necessidade de conhecimento da realidade microbiológica
local para adequação dos hábitos de prescrição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

12 de Junho de 2013 em http://www.uroweb.org/gls/pdf/Urological%20Infections%202010.pdf

Foxman B. Epidemiology of urinary tract infections: incidence, morbidity, and economic costs. Am J Med 2002 Jul;113 Suppl 1A:5S-13S,

acesso em 12 de Junho de 2013 em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12113866

Kalpana Gupta, Thomas M. Hooton, Kurt G. Naber, Bjo¨ rn Wullt, Richard Colgan, Loren G. Miller, Gregory J et al; International Clinical Practice Guidelines for the Treatment of Acute Uncomplicated Cystitis and Pyelonephritis in Women: A 2010 Update by the Infectious Diseases Society of America and the European Society for Microbiology and Infectious Diseases; Clin Infect Dis.2011 Mar 1;52(5):e103-120.

Mazzulli T. Resistance trends in urinary tract pathogens and impact on management. J Urol 2002.;168(4 Pt 2):1720-1722, acesso em 12 de

Junho de 2013 em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/12352343

Gales AC, Jones RN, Gordon KA, Sader HS, Wilke WW, Beach ML, Pfaller MA, Doern GV. Activity and spectrum of 22 antimicrobial agents tested against urinary tract infection pathogens in hospitalized patients in Latin America: report from the second year of the SENTRY antimicrobial surveillance program (1998). J Antimicrob Chemother 2000 Mar;45(3):295-303. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/10702547

Rüden H, Gastmeier P, Daschner FD, Schumacher M. Nosocomial and community-acquired infections in Germany. Summary of the results of the First National Prevalence Study (NIDEP). Infection 1997 Jul-Aug;25(4):199-202. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9266256

Maki DG, Tambyah PA. Engineering out the risk for infection with urinary catheters. Emerg Infect Dis 2001 Mar-Apr;7(2):342-7. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11294737

www.gds.pt

Carlos Correia, Elísio Costa, António Peres, Madalena Alves, Graça Pombo, Letícia Estevinho; Etiologia das Infecções do Trato Urinário e sua Susceptibilidade aos Antimicrobianos; Acta Med Port 2007; 20: 543-549.

Nuno Marques, Francisco Araújo, José L. Ducla-Soares, Infecções e Antibioterapia num Serviço de Medicina, Medicina Interna Revista da Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, Out/Dez 2005; 12 (4): 203-208.

Sara Rabiais, Filipa Aragao, Jorge Felix, Pedro Moreira, Francisco Rolo, Infecção urinária recidivante: ocorrência, factores de risco e custos de diagnóstico e tratamento. Acta Urolog, Set 2010; 3: 19–25.

Sheung-Mei Lau, Ming-Yieh Peng, Feng-Yee Chang, Resistance rates to commonly used antimicrobials among pathogens of both bacteremic and non-bacteremic community-acquired urinary tract infection. J Microbial Immunol Infect 2004;37:185-191.

Antonia Andreu e et al., Etiología sensibilidad a los antimicrobianos de los uropatógenos causantes de la infección urinaria baja adquirida en la comunidad. Enferm Infecc Microbiol Clin 2005;23: 4-9

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-2014

Como Citar

1.
Rocha C, Marques L, Simões A, Rodrigues A, Neno M, Mulji R, Sargento D. Infecções urinárias: a realidade de um serviço de Medicina Interna. RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 2014 [citado 24 de Abril de 2024];21(4):144-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1016

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)