Requalificação da rede da urgência/emergência: mudança certa ou errada?

Autores

  • Agripino Oliveira *Consultor de Medicina Interna Hospital de Espinho com grau de Mestre em Saúde Pública Unidade de urgência, Hospital Distrital de Espinho

Palavras-chave:

unidade de urgência, doença médica aguda, medicina interna

Resumo

O processo de requalificação da rede urgência/emergência prevê
o encerramento da Unidade de Urgência do Hospital de Espinho.
Desde a sua integração no Serviço Nacional de Saúde funciona
como sistema tampão aos congestionados serviços de urgência
hospitalar. A identificação e avaliação da produtividade mostram
o trabalho da unidade, baseada na aplicação informática “sonho”.
No ano 2006 teve 36715 episódios de urgência com 11,2% de
transferências e mortalidade de um doente em cada mil atendimentos. O grupo etário dos 14-45 anos, o maior utilizador da
Unidade, traduz a falta de acessibilidade aos cuidados primários e
a confiança que proporciona aos habitantes de Espinho. A procura
predominante da doença médica aguda proporcionou à medicina
interna a disponibilidade no aconselhamento e orientação dos
médicos tarefeiros, e reflectiu-se na autonomia da unidade com
melhor utilização do internamento e consulta externa do hospital.
Os utilizadores, mais beneficiados desta disponibilidade, foram o grupo etário pediátrico e idoso.
O encerramento de serviços de urgência, nos Estados Unidos
e Canadá e o aumento de acessibilidade aos cuidados primários,
no Reino Unido e em Espanha, não contribuíram para controlar o
aumento das urgências e as visitas inadequadas; na prática houve
um crescimento constante com o inevitável congestionamento
dos serviços urgência/emergência.
Com o previsível encerramento da unidade é estimada a sobrecarga do hospital de referência, com impacto económico no
serviço nacional de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Comissão Nacional para a Reestruturação das Urgências: Relatório sobre Reestruturação das Urgências. Ministério da Saúde, Abril 1996.

Despacho da Ministra da Saúde nº 10/86 de 5 de Maio 1986. Características dos Hospitais de Nível I. Diário da Republica 2ª Série; 102:4273-4274.

Direcção Serviços e Planeamento. Rede Hospitalar Urgência/Emergência. Direcção-Geral de Saúde, Lisboa 2001.

Comissão técnica de apoio ao processo de requalificação das urgências. Proposta da rede de urgências. Ministério da Saúde, Janeiro de 2007.

Arthur L Kellerman. Crisis in the Emergency Department. N Engl J Med 2006; 13: 1300-1303.

CJT van Uden, HFJM Crebolder. Does setting up out of hours primary care cooperatives outside a hospital reduce demand for emergency care? Emerg Med J 2004; 21:722-723.

Caro JT van Uden, Ron AG Winkens , Geertjan Wesseling, Hans FMB Fiolet Onno CP van Schayck. The Impact of a Primary Care Physician Cooperative on the Caseload of an Emergency Department: The Maastricht Integrated Out-of-Hours Service. J Gen Intern Med 2005; 20:612–617.

Conselho directivo do colégio de medicina interna: A medicina interna e os serviços de urgência hospitalares. Revista da ordem dos médicos Dezembro de 2005; 63:30-33.

Despacho normativo nº 11 / 2002 de 6 de Março 2002. Criação do serviço de urgência hospitalar. Diário da Republica 1ª Série-B;55:1865-1866.

Henry Connor. The changing face of acute medicine. Clin Med JRCPL2002;2:287–289.

McCaig LF, Burt CW. National Hospital Ambulatory Medical Care Survey: 2001 emergency department summary. Advance data from vital and health statistics; nº 335. Hyattsville, Maryland: National Center for Health Statistics 2003.

Institute of Medicine of the National Academies. Future of Emergency Care in the US Health System 2006.

Campos L. Primeiro ano com equipa fixa. A Ponte-Jornal HSFX, S.A. Fevereiro de 2004;4:4-6.

Unidade Missão HSA: Grupo de trabalho de urgências. O serviço de urgência: Recomendações para a organização dos cuidados urgentes e emergentes. Ministério da Saúde, Lisboa 2004.

Asociación para la defensa de la sanidad pública de Salamanca: Masificación en el Servicio de Urgências Hospitalarias de Salamanca. Análisis de sus causas y propuestas de soluciones. Salud 2000 Abril 2005;101: 5-11.

Peter C Jacobs, Ediriomar P Matos. Estudo exploratório dos atendimentos em unidade de urgência em Salvador-Bahia. Rev Assoc Med Bras 2005; 51: 348-353.

Hospital São Sebastião EPE/Feira. Relatório de contas ano 2005. Disponível em URL:. http://www.hospitaisepe.min-saude.pt/RelatorioeContasHSS_2005.pdf, [acedido 23 Fevereiro 2007].

Malka Avitzour, Limor Aharonson, Kobi Peleg. Secondary Transfer of Trauma Patients: Rationale and Characteristics. IMAJ 2006;8:539–542.

Branquinho C, Pardal J. Serviço de atendimento permanente/Serviço urgência. Revista do H. Tondela 2005;2:13-14. Disponível em URL: http://www.hdtondela.min saude.pt/downloads/revista/revhcf2.pdf, [acedido 23 Fevereiro 2007].

Jeffrey AS, Magda LK. Will this emergency department patient be referred to internal medicine? CMAJ 2000;163:1566-1567.

Armitage M, Raza T. A consultant physician in acute medicine: The Bournemouth Model for managing increasing numbers of medical emergency admissions. Clin Med JRCPL 2002;2:331-333.

Acute medicine: making it work for patients. A blueprint for organisation and training. Report of a Working Party of the Royal College of Physicians. Royal College of Physicians 2004.

Richard Smith. How best to organise acute hospital services? BMJ 2001;323:245–246.

Coleman P, Irons R, Nicholl J. Will alternative immediate care services reduce demands for non-urgent treatment at accident and emergency? Emerg Med J 2001; 18: 482-487.

Peiró S, Sempere ST, Oterino FD. Efectividad de las intervenciones para recudir la utilización inapropriada de los servicios hospitalarios de urgências. Revisando la literatura 10 años despues del Informe del Defensor del Pueblo. Economia e Salud 1999; 33: 1-16.

Oliveira A. Urgência Básica. Acta Med Port 2006; 19: 269-273.

Portaria n.º 567/06 de 12 de Junho de 2006. Preço a cobrar pelos cuidados prestados no quadro do Serviço Nacional de Saúde. Diário da República 1ª Série-B ; 113:4173-4267

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-2008

Como Citar

1.
Oliveira A. Requalificação da rede da urgência/emergência: mudança certa ou errada?. RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 2008 [citado 21 de Abril de 2024];15(4):237-44. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1483

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.