Medicamentos genéricos no ambulatório: conhecer para decidir

Autores

  • Cátia Gameiro Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa
  • José M. Correia Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa
  • José M. Vieira Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa
  • Mónica Tavares Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa
  • Patrícia Diana Afonso Departamento de Saúde Pública da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa

Palavras-chave:

Genéricos, prescrição, frequência, conhecimentos, atitudes

Resumo

Objectivo: Relacionar conhecimentos e frequência de prescrição de medicamentos genéricos.
Metodologia: Estudo transversal utilizando uma amostra de
conveniência de 111 médicos, especialistas e internos do complementar de Medicina Interna da região de Lisboa que realizassem
consultas externas e/ou frequentassem Serviços de Urgência.
Resultados: A maioria dos médicos(90,2%) afirmou prescrever
genéricos no ambulatório, mas menos de metade (45%) diz autorizar a sua substituição. Não parece haver relação estatisticamente
significativa entre conhecimentos e hábitos de prescrição. A falta
de confiança na qualidade dos genéricos foi assinalada como o maior entrave à sua prescrição.
Conclusões: O estudo demonstrou que o conhecimento não
é o único factor que influencia a prescrição. No entanto, futuras
acções para aumentar o conhecimento sobre medicamentos
genéricos devem visar a melhoria da qualidade do acto de prescrição/acto terapêutico e não apenas a estimulação do mercado
de genéricos per se.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Decreto-Lei nº 242/2000 de 26 de Setembro. Disponível em: URL: http://www.infarmed.pt.

Questões mais frequentes. Infarmed. Disponível em: URL: http://www.infarmed.pt.

Projecto do estatuto do medicamento. Infarmed. Disponível em: URL: http://www.infarmed.pt

Luís Filipe Pereira. As reformas da Saúde. III Fórum. Diário Económico; 2004.

Análise do crescimento da despesa no mercado total de medicamentos 2003-204. Infarmed. Disponível em: URL: http://www.infarmed.pt

Barros P, Gomes J. Elementos Macroeconómicos condicionantes do mercado de genéricos. Faculdade de Economia da Universidade Nova de Lisboa; 2000.

Estudo do Sistema de Comparticipação e a sua adequação à Reforma da Saúde, incluindo o Regime de preços dos Medicamentos a Comparticipar pelo Estado. Londres: Europe-Economics, 2006. Disponível em : URL: http://www.europe-economics.com

Informação sobre o impacto das medidas da política do medicamento. Infarmed. Disponível em: URL: http://www.infarmed.pt

Note for guidance on the investigation of bioavailability and bioequivalence. Committee for proprietary medicinal products. Londres: The European agency for the evalution of medical products, 2001. Disponível em: URL: http://www.eudra.org/emea.html.

Banaham BF III, Kolassa EM. A Physician survey on generic drugs and substituicion of critical dose medication. Arch Intern Med 1997;157:2080-2088.

Meredith P. Bioequivalence and other unresolved issues in generic drug substitution. Clinical therapeutics 2003;25:2875-2890.

Henderson JD, Esham RH. Generic substituituion: issues for problematic drugs. South Med J 2001;94:16-21.

Barret LL. Physicians attitudes and practises regarding generic drugs. AARP 2005

Murphy JE. Generic Substitution and Optimal Patient Care. Arch Intern Med 1999;159:429-433.

Figueras A, Caamano F, Gestal-Otero JJ. Influence of physicians education, drug information and medical-care settings on the quality of drugs prescribed. Eur J Clin Pharmacol 2000;56:747-753.

António A, Remísio E, Maria Vasco. Informação Científica sobre medicamentos. Portugal. Infarmed (Observatório do Medicamento e dos Produtos de Saúde), OM, FML; 2002

Ficheiros Adicionais

Publicado

29-12-2006

Como Citar

1.
Gameiro C, Correia JM, Vieira JM, Tavares M, Afonso PD. Medicamentos genéricos no ambulatório: conhecer para decidir. RPMI [Internet]. 29 de Dezembro de 2006 [citado 23 de Julho de 2024];13(4):241-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1656

Edição

Secção

Artigos Originais