Gestão de Anticoagulantes Orais Directos num Serviço de Urgência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.2493

Palavras-chave:

Administração Oral, Anticoagulantes, Inibidores do Fator Xa, Serviço de Urgência Hospitalar

Resumo

Introdução: Os anticoagulantes orais diretos tornaram-se
comummente utilizados em várias patologias, em detrimento dos antagonistas da vitamina K ou da heparina de baixo peso molecular, sendo crucial a resposta do Serviço de Urgência na gestão dos seus potenciais efeitos adversos e na sua reversão para realização de procedimentos invasivos urgentes. Os testes de coagulação habitualmente realizados correlacionam-se pouco com a concentração plasmática dos anticoagulantes orais diretos, sendo necessário o doseamento de anti-Xa ou anti-IIa.

Métodos: Este estudo analisa os processos clínicos de doentes admitidos no Serviço de Urgência sob anticoagulantes orais diretos e submetidos a doseamento de anti-Xa ou anti-IIa, durante um período de 6 meses.

Resultados: Dos 88 doentes nessas condições, a principal
indicação para hipocoagulação era a presença de fibrilhação ou flutter auricular e eventos trombóticos prévios. O doseamento de anti-Xa ou anti-IIa foi essencialmente realizado por eventos hemorrágicos ou necessidade urgente de procedimentos técnicos invasivos.
À admissão, a maioria dos doentes tinha níveis de anticoagulantes orais diretos superiores a 50 ng/mL e mais de metade dos doentes teve necessidade de suspensão do fármaco à data de alta (até nova reavaliação). Realizaram complexo protrombínico, 26% e 5% fizeram idarucizumab para reversão da sua acção, face à gravidade clínica, não tendo sido possível a administração de andexanet alfa dado a sua indisponibilidade no hospital. Quanto às readmissões aos 6 meses, apenas 5 doentes foram novamente ao Serviço de Urgência, todos por hemorragia recorrente ou anemia, sem registos de eventos tromboembólicos nesse mesmo período.

Conclusão: O doseamento de anti-Xa ou anti-IIa minimizou
complicações desnecessárias associadas a procedimentos
técnicos invasivos ou cirúrgicos urgentes. A criação de protocolos no Serviço de Urgência, acessíveis a todas as especialidades que aí trabalham, quanto à utilização da quantificação de anticoagulantes orais diretos e principais indicações, deverá ser uma prioridade na gestão da anticoagulação, guiando decisões clínicas e reduzindo a duração de internamento hospitalar, comorbilidades e mortalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

De Marco F, Valli G, Ancona C, Ruggieri MP. Management of bleeding in patients on direct oral anticoagulants in emergency department: where we are and where we are going. Eur Heart J Suppl. 2023;25:C15-9. doi: 10.1093/ eurheartjsupp/suad004.

Dunois, C. Laboratory Monitoring of Direct Oral Anticoagulants. Biomedicines. 2021;45: 1-15. doi: 10.3390/biomedicines9050445

Adcock DM, Gosselin RC. The danger of relying on the APTT and PT in patients on DOAC therapy, a potential patient safety issue. Int J Lab Hematol. 2017;39:37-40. doi: 10.1111/ijlh.12658.

Yee J, Kaide CG. Emergency Reversal of Anticoagulation. West J Emerg Med. 2019;20:770-83. doi: 10.5811/westjem.2018.5.38235.

Conway SE, Hwang AY, Ponte CD, Gums JG. Laboratory and Clinical Monitoring of Direct Acting Oral Anticoagulants: What Clinicians Need to Know. Pharmacotherapy. 2017;37:236-48. doi: 10.1002/phar.1884.

Levy JH. Discontinuation and Management of Direct-Acting Anticoagulants for Emergency Procedures. Am J Med. 2016;129:S47-53. doi: 10.1016/j.amjmed.2016.06.005.

Douxfils J, Ageno W, Samama CM, Lessire S, Ten Cate H, Verhamme P, et al. Laboratory testing in patients treated with direct oral anticoagulants: a practical guide for clinicians. J Thromb Haemost. 2018;16:209-19. doi: 10.1111/jth.13912.

Cervellin G, Benatti M, Bonfanti L, Lippi G. Quality and safety issues of direct oral anticoagulants in the emergency department. Semin Thromb Hemost. 2015;41:348-54. doi: 10.1055/s-0035-1549090.

Cuker A, Siegal D. Monitoring and reversal of direct oral anticoagulants. Hematology Am Soc Hematol Educ Program. 2015;2015:117-24. doi: 10.1182/asheducation-2015.1.117.

Downloads

Publicado

01-07-2024

Como Citar

1.
Brochado A, Ferreira D. Gestão de Anticoagulantes Orais Directos num Serviço de Urgência. RPMI [Internet]. 1 de Julho de 2024 [citado 14 de Julho de 2024];31(2):54-9. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2493

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)