Oxigenoterapia em Enfermaria: Implementação de Protocolo de Prescrição

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.423

Palavras-chave:

Medicina Interna, Oxigenoterapia

Resumo

Introdução: A oxigenoterapia é uma das terapêuticas mais utilizadas a nível hospitalar, contudo não existem recomendações acerca da sua utilização no doente agudo. O Estudo EMO (Neves, 2012) demonstrou que a utilização de oxigénio nas enfermarias de Medicina Interna portuguesas não seguia as melhores práticas. Pretendeu-se avaliar o impacto da criação e implementação de protocolo de prescrição de oxigenoterapia por intervalo-alvo de saturação periférica num Serviço de Medicina Interna.

Métodos: Realizou-se um estudo prospetivo através de auditorias regulares, nos anos 2017 e 2018, incidindo sobre uma amostra representativa dos doentes internados, avaliando variáveis demográficas, tipo de prescrição, identificação do risco de insuficiência respiratória hipercápnica, cumprimento da prescrição e falhas na administração.

Resultados: Foram incluídos 781 doentes, constatando-se que 583 (74,6%) tinham oxigenoterapia prescrita, dos quais 573 (98,3%) por intervalo-alvo de saturação periférica. Identificaram-se 235 (30,1%) doentes com risco de insuficiência respiratória hipercápnica, o que aumentou significativamente em 2018 (26,7% vs 33,3%, p = 0,043). No momento da auditoria, 390 (77,5%) dos doentes com prescrição por intervalo-alvo de saturação periférica adequada encontravam-se no alvo pretendido. Verificou-se aumento significativo na prescrição por intervalo-alvo de saturação periférica (72,7% vs 99,6% em 2017 vs 97% em 2018, p = 0,017) e na identificação de doentes em risco de insuficiência respiratória hipercápnica (12,3% vs 26,7% em 2017 vs 33,3 % em 2018, p = 0,002).

Conclusão: A criação do protocolo de oxigenoterapia e formação das equipas médica e enfermagem, permitiu melhorar os cuidados aos doentes, através de melhoria significativa na prescrição por intervalo-alvo de saturação periférica e na identificação de doentes em risco de insuficiência respiratória hipercápnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

European Association for the Study of the Liver. Electronic address: easDeneke SM, Fanburg BL. Normobaric oxygen toxicity of the lung. N Engl J Med. 1980; 303:76.

O'Driscoll BR, Howard LS, Davison AG; British Thoracic Society. BTS guideline for emergency oxygen use in adult patients. Thorax. 2008;63 Suppl 6:vi1-68. doi: 10.1136/thx.2008.102947. Erratum in: Thorax. 2009;64:91.

Lamont T, Luettel D, Scarpello J, O’Driscoll B R, Connew S. Improving the safety of oxygen therapy in hospitals: summary of a safety report from the National Patient Safety Agency. BMJ. 2010; 340 :c187 doi:10.1136/bmj.c187.

Austin MA, Wills KE, Blizzard L, Walters EH, Wood-Baker R. Effect of high flow oxygen on mortality in chronic obstructive pulmonar disease patients in prehospital setting: randomised controlled trial. BMJ. 2010;341:c5462. doi: 10.1136/bmj.c5462.

O'Driscoll BR, Howard LS, Earis J, Mak V; British Thoracic Society Emergency Oxygen Guideline Group; BTS Emergency Oxygen Guideline Development Group. BTS guideline for oxygen use in adults in healthcare and emergency settings. Thorax. 2017;72:ii1-ii90. doi: 10.1136/thoraxjnl-2016-209729.

Beasley R, Chien J, Douglas J, Eastlake L, Farah C, King G, et al. Thoracic Society of Australia and New Zealand oxygen guidelines for acute oxygen use in adults: 'Swimming between the flags'. Respirology. 2015;20:1182-91. doi: 10.1111/resp.12620.

Beasley R, Chien J, Douglas J, Eastlake L, Farah C, King G,et al. Target oxygen saturation range: 92-96% Versus 94-98. Respirology. 2017;22:200-2. doi: 10.1111/resp.12879.

Chu DK, Kim LH, Young PJ, Zamiri N, Almenawer SA, Jaeschke R, et al. Mortality and morbidity in acutely ill adults treated with liberal versus conservative oxygen therapy (IOTA): a systematic review and meta-analysis. Lancet. 2018;391:1693-705. doi: 10.1016/S0140-6736(18)30479-3.

Manuais do INEM: Abordagem à Vítima TAS/TAT, Versão 2.0, secção 4 Oxigenoterapia; Emergências Médicas, Secção 2 Dispneia. Lisboa: INEM; 2020.

Neves JT, Lobão MJ; Grupo de trabalho EMO. Oxygen therapy multicentric study-a nationwide audit to oxygen therapy procedures in internal medicine wards. Rev Port Pneumol. 2012;18:80-5. doi: 10.1016/j.rppneu.2012.01.001.

Downloads

Publicado

23-06-2022

Como Citar

1.
Duarte F, Manuel M, Ribeiro H, Meireles J. Oxigenoterapia em Enfermaria: Implementação de Protocolo de Prescrição . RPMI [Internet]. 23 de Junho de 2022 [citado 11 de Agosto de 2022];29(2):114-9. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/423