Apresentações atípicas de feocromocitoma, a propósito de um caso clínico

Autores

  • Jorge Ruivo Serviço de Medicina 1-A do Hospital de Santa Maria, Lisboa
  • Ana Tomada Serviço de Medicina 1-A do Hospital de Santa Maria, Lisboa
  • Paula Alcântara Serviço de Medicina 1-A do Hospital de Santa Maria, Lisboa

Palavras-chave:

feocromocitoma, atípico, não secretor, necrose, maligno

Resumo

Introdução: Os feocromocitomas são tumores neuroendócrinos
raros. Tanto as suas características bioquímicas como clínicas
resultam maioritariamente da produção excessiva de catecolaminas. Contudo, por vezes existem tumores cuja primeira
manifestação se deve a uma libertação maciça de catecolaminas
por necrose tumoral. Apresentamos o caso de uma mulher de 42
anos referenciada à consulta por lipotimia e HTA. Antecedentes
de HTA desde os 18 anos e Síndroma Depressiva Major sob farmacoterapia.
Sem queixas até 3 meses antes, altura em que surgiram episódios dificilmente valorizáveis, caracterizados por astenia, tremor
muscular generalizado, cefaleias, visão enevoada e lipotimia. PAS
entre 160-200 mmHg. Apresentava lentificação psicomotora e
aninamia. O estudo complementar realizado mostrou valores
inconstantes de metanefrinas urinárias elevadas e a TC das suprarenais revelou massa supra-renal esquerda de 3,4cm, capsulada
com centro necrótico, confirmada por cintigrafia de corpo inteiro
com IMBG. Submetida a cirurgia excisional laparascópica electiva que confirmou feocromocitoma.
Discussão: O diagnóstico de feocromocitoma revela-se difícil
devido ao aumento de incidentalomas, à dificuldade técnica de
combinar resultados de métodos bioquímicos e imagiológicos,
às interacções medicamentosas com resultados bioquímicos, e
ainda à dificuldade de integração de semiologia mais invulgar,
como hipotensão. A necrose tumoral nos feocromocitomas está
habitualmente associada a quadros devastadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Jane L Harding, Michael W Yeh, Bruce G Robinson, Leigh W Delbridge, Stan B Sidhu. Potential pitfalls in the diagnosis of phaeochromocytoma, Med J Austral 2005; 182: 637-639.

Alderazi Y, Yeh M, Robinson B, Benn D, Sywak M et al. Phaechromocytoma: current concepts, Med J Austral 2005; 183:201-204.

Lenders J, Eisenhofer G, Mannelli M, Pacak K. Phaechromocytoma, The Lancet 2005; 336:665-672.

Graeme E, Stefen R Bornstein, et al. Malignant pheocromocytoma: current status and initiatives for future progress, Endocrine-Related Cancer, 2004; 11: 423-436.

Tátic S et al. - Pheochromocytoma – pathohistologic and immunohistochemical aspects, Srp Arh Celol Lek 2002; 130( 2):7-13.

Nawar R, Aron D. Adrenal Incidentalomas – a continuing management dilemma, Endocrine-Related Cancer, 2005; 12: 585-598.

Erwin Van der Harst et al. [123I] Metaiodobenzylguanidine and [111In] Octreotide uptake in benign and Malignant Pheochromocytomas, Journal of Clinical Endocrinology and Metabolism 2000;86(2): 685-693 .

False negative MIBG examinations may be expected in cases PHEO tumors that have undergone necrosis. Ioannis Ilias, Karel Pacak, Current Approaches and Recommended Algorithm for the Diagnostic Localization of PheochromocytomaClin Endocrinol Metab, February 2004, 89(2):479–491

Lenders J, Pacak K,Walther M, Linehan M, Friberg P, Keiser H, Goldstein D, Eisenhofer G. Biochemical diagnosis of pheochromocytoma, which test is the best?, JAMA, 2002; 287: 1427-1434.

Handler J. Is it a pheochromocytoma? J Clin hypertens 2007; 9: 293-296.

Pacak K, LinehanWM,Eisenhofer G, WaltherMM, Goldstein DS. Recent advances in genetics, diagnosis, localization, and treatment of pheochromocytoma. Ann Intern Med 2001; 134:315–329

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-2008

Como Citar

1.
Ruivo J, Tomada A, Alcântara P. Apresentações atípicas de feocromocitoma, a propósito de um caso clínico. RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 2008 [citado 21 de Abril de 2024];15(4):268-71. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1494

Edição

Secção

Casos Clínicos

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)