Identificação de Doentes Internados num Serviço de Medicina Interna com Necessidade de Cuidados Paliativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/O/265/19/2/2020

Palavras-chave:

Cuidados Paliativos, Doentes Internados, Inquéritos e Questionários, Medicina Interna

Resumo

Introdução: A Medicina Paliativa encontra se em clara ex- pansão em Portugal, mas até agora a existência deste tipo de cuidados não tem sido feita de forma estruturada. A hospital- ização da população com doenças crónicas, em fase avan- çada, progressivas e debilitantes, implica aumento de gastos, se esses doentes não forem identificados como paliativos e devidamente referenciados. Este estudo quantifica e analisa os doentes com necessidade de Cuidados Paliativos (CP) internados num serviço de Medicina Interna (MI),comparando- os com um grupo que necessita de observação clínica e outro sem indicação para CP.

Métodos: Estudo retrospectivo, observacional, com análise de doentes com idade ≥ 60 anos, num período de três meses. Aplicada a escala Palliative Care Screening Tool (PCST), com o intuito de identificar os potenciais candidatos a CP (score ≥ 4).

Resultados: Dos 328 doentes admitidos, 288 (88%) apresentavam critérios de inclusão. Destes, 54% apresen- taram score ≥ 4 pontos na escala PCST (enquadráveis em CP). Neste grupo, a média de idade foi de 82 anos; 54% do género feminino e 46% do masculino. A mediana de inter- namento foi de 11 dias. As principais comorbilidades foram quadros demenciais em 47%, acidente vascular cerebral em 45%, e doença renal crónica em 39%. O reconhecimento de problemas psicológicos ou espirituais não foi documentado. A taxa de mortalidade foi de 31%, e apenas um doente foi transferido para Unidade de CP.

Conclusão: Este estudo ilustra, de forma objectiva, a elevada taxa de doentes a requerer cuidados paliativos em hospital de agudos, a importância da formação específica dos internistas, da investigação nesta área e utilização de instrumentos que permitam identificar este grupo de doentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Carneiro R, Sousa E, Guerreiro T, Rocha N. Qualidade e Satisfação com a Prestação de Cuidados na Patologia Avançada em Medicina Interna. Arq Med. 2009; 23: 95-101.

Campos L. A Medicina Interna e o futuro dos Cuidados de Saúde. Rev Soc Port Med Interna. 2015; 22: 10-5.

Moura BP. O impacto da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integra- dos (RNCCI) na demora média hospitalar. [Dissertação de Mestrado Universidade Nova de Lisboa]. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa; 2014. [consultado Out 2019] Disponível em: http://hdl.handle.net/10362/14626

Pulido I, Baptista I, Brito M, Matias T. Como Morrem os Doentes numa Enfermaria de Medicina Interna. Rev Soc Port Med Int. 2010: 17: 222-6.

Macedo P. Governo quer soluções mais eficazes para casos de idosos “depositados” nos hospitais. 2015. consultado Out 2019] Disponível em: http://www.ionline.pt/272893

Gonçalves J.F. A Boa Morte: ética no fim da vida. Lisboa: Coisas de Ler Edições; 2009.

Direcção Geral da Sáude. Programa Nacional de Cuidados Paliativos. Lisboa: DGS; 2004.

Lobão MJ. Editorial. Osler, Medicina Interna e Cuidados Paliativos. Rev Soc Port Med Int. 2013; 20: 3-4.

Murray SA, Boyd K, Sheikh A. Palliativecare in chronicillness. BMJ. 2005; 330:611-2.

Kellett J. Prognostication - The lost skill of medicine. Eur J Intern Med. 2008; 19: 155-64.

Carneiro R, Freire E, Alves, Rocha N. Gestos e atitudes em medicina centrada no doente num Serviço de Medicina Interna. Acta Med Port 2010; 23: 1035-42.

Navarro Sanz R, López Almazán C. Aproximación a los Cuidados Paliativos en las enfermedades avanzadas no malignas. An Med Interna. 2008;25.

Murray SA, Sheikh A. Palliative care beyond cancer: care for all at the end of life. BMJ. 2008; 336: 958-9.

Silva MJ. Cuidados paliativos: caracterização assistencial e identificação de necessidades num serviço de medicina interna. [Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa]. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa; 2011.

Ribeiro AS. Controlo de sintomas em cuidados paliativos num serviço de medicina interna.[Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa]. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa; 2012.

Lynn J, Teno JM, Phillips RS, Wu AW, Desbiens N, Harrold J,et al. Perceptions by Family Members of the Dying Experience of Older and Serionsly ill Patients. SUPPORT Investigators. Ann Intern Med. 1997; 126: 97-106.

Toscani F, Di Giulio P, Brunelli C, Miccinesi G, Laquintana D; End-of-Life Observatory Group. How people die in hospital general wards: a descriptive study. J Pain Symptom Manage. 2005;30:33-40.

Babarro AA, Aguilar AG, Rexach CN. Cuidados paliativos enenfermedades no oncológicas. Med Pal. 2010; 17:156-60.

Fischer SM, Gozansky WS, Sauaia A, Min SJ, Kutner JS, Kramer A. A practical tool to identify patients who may benefit from a palliative approach: the CARING criteria. J Pain Symptom Manage.2006;31:285-92.

Stern R. A need for a palliative care program among hospitalized patients in the departments of internal medicine. Arch Intern Med 2006; 166: 149-50.

Monteiro P, Silva M J, Fraga M, Mota C, Suarez A, Ponte C. et al. Neces- sidade de Cuidados Paliativos num Serviço de Medicina Interna. Rev Soc PortMed Int. 2013 ; 20: 7-20.

Lucchetti G, Neto A, Ramos S, Faria L, Granero A, Pires S, Gorzoni M. Uso de uma escala de triagem para cuidados paliativos nos idosos de uma instituição de longa permanência. Geriatria Gerontol. 2009 ;3: 104-8

Applegate WB, Blass JP, Williams TF. Instruments for the functional assessment of older patients. N Engl J Med. 1990;322:1207-14.

Alonso Barbarro A, Gonzalez Baron M. Medidas de capacidad funcional. In: Gonzalez Baron M, Lacasta M, Ordonez A. Valoración clínica en el paciente con cáncer. Madrid: Editorial Médica Panamericana. 2006. p.1-16.

Maas EA, Murray SA, Engels Y, Campbell C. What tools are available to identify patients with palliative care needs in primary care: a systematic lite- rature review and survey of European practice. BMJ Support Palliat Care. 2013;3:444-51. doi: 10.1136/bmjspcare-2013-000527.

Highet G, Crawford D, Murray SA, Boyd K.Development and evaluation of the Supportive and Palliative Care Indicators Tool (SPICT):a mixed-methods study. BMJ Support Palliat Care. 2014;4:285-90. doi:10.1136/bmjspcare-2013-000488.

Sigurdardottir K, Haugen D. Prevalence of distressing symptoms in hospitalased patients on medical wards: a cross sectional study. BMC Palliat Care. 2008; 23:7-16.

Gott CM, Ahmedzal SH,Wood C . How many inpatients in an acute hospital have palliative care needs? Comparing the perspectives of medical and nursing staff. Palliat Med. 2001; 15: 451-60.

Costa MA, Antunes MT. Avaliação de sintomas em doentes sem perspetiva de cura. Rev. Enf Ref. 2012;3: 63-72.

Loureiro N, Amado J, Fragoso R. Cuidados paliativos: Identificação de necessidades em doentes de medicina interna. Rev Cuidados Paliat. 2014: 1; 62-73.

Downloads

Publicado

05-12-2021

Como Citar

1.
Martins O. Identificação de Doentes Internados num Serviço de Medicina Interna com Necessidade de Cuidados Paliativos. RPMI [Internet]. 5 de Dezembro de 2021 [citado 6 de Julho de 2022];27(2):131-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/156

Edição

Secção

Artigos Originais