Toxicodependentes internados numa enfermaria de Medicina Interna: Relato de uma experiência

Autores

  • João Gonçalves Pereira Serviço de Medicina Interna do Hospital de São José, Lisboa
  • Margarida Bentes de Jesus Serviço de Medicina Interna do Hospital de São José, Lisboa

Palavras-chave:

Toxicodependência, Medicina Interna, enfermaria medicina, infecção, VIH

Resumo

Contexto: Nos últimos anos tem-se verificado um aumento da patologia médica associada à
toxicodependência, em particular infecciosa, condicionando internamento hospitalar.
O próprio internamento, por seu lado, é muitas vezes complicado por problemas directamente associados ao estado de dependência física e psíquica, nomeadamente síndrome de
abstinência, comportamento indisciplinado e alta precoce por abandono.
Os autores pretenderam caracterizar o impacto desta população numa enfermaria de
Medicina Interna durante um ano (1998).
Métodos: Foram revistos todos os processos
dos doentes internados durante o ano de 1998
numa enfermaria de Medicina Interna. Foram
identificados dois grupos: o primeiro constituído por todos os toxicodependentes (definido
como doentes com consumo activo de substâncias ilícitas na altura da admissão hospitalar
- grupo TD); o segundo pela restante população internada (grupo controlo).
Foram identificados para todos os doentes:
motivos do internamento, duração do mesmo,
e mortalidade; dados demográficos (sexo e
idade); todos os episódios infecciosos (na admissão e nosocomiais) e serologias positivas
para os vírus da imunodeficiência humana, hepatite B e hepatite C.
No grupo TD foram ainda caracterizados os
hábitos de consumo e as complicações do mesmo em internamento (em particular síndrome
de privação).
Resultados: Foram identificados 80 toxicodependentes (5,8% do total de internamentos): 50
homens (7,1 %) e 30 mulheres (4,5%). A idade
média no grupo TD foi de 31 anos (no grupo controlo foi de 68,5 anos).
Em 70% do grupo TD foi identificada serologia
positiva para o VIH e em 48,7% para o VHC (no
grupo controlo essa prevalência foi de 2,4% e
1,2%, respectivamente). A mortalidade foi de
11,3% e de 12,7 % respectivamente nos grupos
TD e controlo, sendo a demora média de 18,7 e de 16,0 dias.
Foram identificados 46 casos de tuberculose
(18,8% em doentes TD e 2,4 % nos restantes), 293 de pneumonia (28,7% e 21%) e 54 casos de
infecção dos tecidos moles (27,5% e 1,5% respectivamente). Só foram identificados 4 casos de
endocardite (2 em cada grupo) e 6 de hepatite aguda (todos no grupo TD).
No grupo TD verificaram-se 33 casos de síndrome de privação (41,3%). 16 das altas (20%)
foram precoces; destes doentes, 4 tinham diagnóstico de tuberculose.
Desta população 10 doentes (12,5%) eram sem
abrigo (9 homens, 1 mulher) e 66 (82,5%) eram
consumidores de drogas endovenosas.
Conclusões: No ano de 1998 os doentes toxicodependentes constituíram uma percentagem
significativa da população internada, tendo
tido demora média e mortalidade semelhantes
às da restante população, embora fossem significativamente mais jovens.
A maioria foi internada por patologia infecciosa, sendo de assinalar a alta prevalência de
tuberculose e de infecção pelo VIH e VHC.
É igualmente relevante o elevado número de
altas precoces nesta população, algumas das
quais de doentes com patologia potencialmente contagiosa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Saitz R. Discharges against medical advice: Time to address the causes. CMAJ 2002; 167 (6): 647-648.

Stein MD, Sobota M. Injection drug users: hospital care and charges. Drug and Alcohol Dependence 2001; 64: 117-120.

Santos A, Carvalho A et al. Epidemiologia da Hepatite C na região centro de Portugal. Prevalência do VHC na população do distrito de

Coimbra. Acta-Med-Port 1993; 6(12): 567-572.

Marinho R, Gíria J, Ferrinho P, Moura MC. Aspectos epidemiológicos da hepatite C em Portugal. GE-J-P-Gastroenterol 2000; 7(2): 72-79.

Instituto Português da Droga e da Toxicodependência. Relatório anual 2001. A situação do país em termos de droga e toxicodependência. Volume I Informação estatística. 3.4 Estimativa da prevalência e padrões de consumo problemático de drogas em Portugal. www. ipdt.pt

Instituto Português da Droga e da Toxicodependência. Sumários de informação estatística 2000.III. Morte relacionada com o consumo das

drogas. www. ipdt.pt

Single E, Rehm J, Robson L, Truong MV. The relative risks and etiologic fractions of different causes of death and disease attributable to

tobacco, alcohol and illicit drug use in Canada. CMAJ 2000; 162 (12): 1669-1675.

Tyndall MW, Craib KJ et al. Impact of HIV infection on mortality in a cohort of injection drug users. J Acquir Immune Defic Syndr 2001;

(4): 351-357.

O’Driscoll PT, McGough J et al. Predictors of accidental fatal drug overdose among a cohort of injection drug users. Am J Public Health

; 91 (6): 984-987.

Instituto Português da Droga e da Toxicodependência. Sumários de informação estatística 2000.II. Doenças Infecto-Contagiosas. www.

ipdt.pt

Selwyn PA, O’Connor PG. Diagnosis and treatment of substance users with HIV infection. AIDS and HIV Infection in Office Practice 1992;

: 119-156.

Wood E, Schechter MT et al. Antiretroviral medication use among injection drug users: two potential futures. AIDS 2000; 14 (9): 1229-

Selwyn PA, Alcabes P et al. Clinical manifestations and predictors of disease progression in drug users with human immunodeficiency virus

infection. N Engl J Med 1992; 327 (24): 1697-1703.

Weintraub E, Dixon L et al. Reason for medical hospitalization among adult alcohol and drug abusers. Am J Addict 2001; 10 (2): 167-177.

Palepu A, Tyndall MW et al. Hospital utilization and costs in a cohort of injection drug users. CMAJ 2001; 165 (4): 415-420.

Binswanger IA, Kral AH et al. High prevalence of abcesses and cellulites among community-recruited injection drug users in S. Francisco.

Clin Infect Dis 2000; 30(3): 579-581.

Trindade L, Valente C et al. Doenças infecciosas em utilizadores de drogas endo-venosas: revisão de uma casuística. Rev-Centro-Hosp Coimbra 1998; 1(4): 50-52.

Vlahov D, Graham N et al. Prognostic indicators for AIDS and infectious disease death in HIV-infected injection drug users. JAMA 1998;

(1): 35-40.

Stein, MD. Injected-drug use: complications and costs in the care of hospitalized HIV-infected patients. J Acquir Immune Defic Syndr 1994;

(5): 469-473.

Seage GR 3d, Hertz T, Stone VE, Epstein AM. The effects of intra-venous drug use and gender on the cost of hospitalisation for patients

with AIDS. J Acquir Immune Defic Syndr 1993; 6 (7): 831-839.

Sulkowski MS, Mast EE et al. Hepatitis C virus infection as an opportunistic disease in persons infected with human immunodeficiency

virus. CID 2000; 30: S77-84.

Torriani FJ, Soriano V. Chronic hepatitis C in HIV-infected individuals. AIDS Rev 2000; 2: 168-177.

Anis AH, Sun H et al. Leaving hospital against medical advice among HIV-positive patients. CMAJ 2002; 167 (6): 633-637.

Dans PE, Matricciani RM, Otter SE, Reuland DS. Intravenous drug abuse and one academic health center. JAMA 1990; 263 (23): 3173-

French MT, Mcgeary KA, Chitwood DD, McCoy CB. Chronic illicit drug use, health services utilization and the cost of medical care. Soc Sci Med 2000; 50 (12): 1703-1712.

Gerstein DR, Lewin L. Treating drug problems. N Engl J Med 1990; 323 (12): 844-848.

Palepu A, Strathdee AS et al. The social determinants of emergency department and hospital use by injection drug users in Canada. J Urban Health 1999; 76 (4): 409-418.

Knowlton AR, Hoover DR et al. Acess to medical care and service utilization among injection drug users with HIV/AIDS. Drug and

Alcohol Dependence 2001; 64: 55-62.

Gleghorn AA, Wright D et al. Feasibility of one-time use of sterile syringes: a stude of active injection drug users in seven United States

metropolitan areas. J Acquir Immune Defic Syndr Hum Retrovirol 1998; 18;( 1): S30-36

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-06-2004

Como Citar

1.
Gonçalves Pereira J, Bentes de Jesus M. Toxicodependentes internados numa enfermaria de Medicina Interna: Relato de uma experiência. RPMI [Internet]. 30 de Junho de 2004 [citado 27 de Maio de 2024];11(2):75-81. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1744

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)