Desafios da Referenciação para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados: A Experiência num Hospital

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.213

Palavras-chave:

Hospitalização, Prestação Integrada de Cuidados de Saúde;, Tempo de Internamento

Resumo

Introdução: Em 2006, a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados foi criada em Portugal para dar resposta às necessidades de uma população com comorbilidades crescentes. O objetivo deste estudo é avaliar o tempo de hospitalização e complicações médicas de doentes referenciados para a rede no mesmo período de quatro anos distintos.
Material e Métodos: Estudo observacional, retrospetivo, de doentes com patologia médica referenciados do internamento nos meses de abril a junho de 2010, 2012, 2016 e 2019.
Dados demográficos, clínicos e referentes à referenciação
foram obtidos dos processos clínicos. Análise estatística feita
com IBM SPSS Statistics®, p < 0,05 considerado estatisticamente significativo.
Resultados: Foram incluídos 205 doentes. Os principais
motivos de admissão foram infeção (37,1%) e evento cerebrovascular agudo (35,6%) e o de referenciação foi reabilitação funcional (79,5%). Verificou-se um aumento do tempo de internamento ao longo dos anos (p < 0,001) e desde a referenciação até à alta hospitalar, p = 0,04. Após alta clínica, 42,9% desenvolveram complicações médicas e após alta hospitalar pelo menos 31,3% tiveram necessidade de reinternamento até 3 meses após a alta. O número de complicações não aumentou ao longo dos anos.
Discussão: O incremento nos tempos de hospitalização ao
longo dos anos desde a criação da rede implica sobrecarga
nos cuidados de saúde hospitalares, mesmo não se verificando o aumento de intercorrências clínicas antes e após a alta.
Conclusão: É notória a necessidade de reforçar a rede e o
apoio social ao doente crónico e de criar estudos para avaliar o impacto económico e para a saúde da referenciação hospitalar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Global, regional, and national incidence, prevalence, and years lived with disability for 301 acute and chronic diseases and injuries in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. Lancet. 2015;386:743-800. doi: 10.1016/S0140-6736(15)60692-4.

Hajat C, Stein E. The global burden of multiple chronic conditions: A narrative review. Prev Med Rep. 2018;12:284-93. doi: 10.1016/j.

pmedr.2018.10.008

Ferreira M, Neto I, Cabral D. Cuidar no domicílio: Sobrecarga da família/cuidador principal com doente oncológico paliativo [Dissertação]. Porto: ICBAS, Universidade do Porto; 2011.

Gemito ML, Mestre-Escola S, Silva CA, Massapina I. Economia e Sociologia: Modelos e Perspetivas de Relacionamento na Saúde. Évora; 2007;38: 68-84.

Decreto- Lei nº 101/2006. Diário da República. Série I A. Nº 109.

Decreto-Lei nº 172/2012. Diário da República. Série I. Nº 52.

Guia da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI). Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados. Lisboa: RNCCI; 2013.

Ferreira L, Almeida A. O efeito da referenciação de utentes para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados sobre a demora média dos internamentos no Centro Hospitalar do Porto [Dissertação]. Porto: FEP, Universidade do Porto; 2012.

Gonçalves AR. Estudo da adequação da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados às necessidades da população – conhecimento da realidade como instrumento de apoio à gestão [Dissertação]. Bragança: Instituto Politécnico de Bragança;2013.

Relatório de monitorização da Rede Nacional de Cuidados Continuados. Administração Central do Sistema de Saúde, Direção Regional de Saúde 2019. Lisboa: DGS; 2019.

Moura BP. O Impacto da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) na Demora Média Hospitalar. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa; 2014.

Pires L, Maia J, Ferreira T, Paiva P, Correia JA. Fatores condicionadores de alta em Medicina Interna: O caso dos doentes propostos à RNCCI (Rede Cuidados Continuados) e/ou propostos a lar [Adaptação da comunicação oral apresentada no 23º Congresso de Medicina Interna]. Porto: Centro Hospitalar do Porto; 2017.

Costa A, Dias A, Coimbra SM, Marques S, Dourado A, Gonçalves MG, et al. Estudo das dificuldades sentidas pelos Prestadores da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados [Dissertação]. Lisboa: Ordem dos Médicos; 2016.

Charlson ME, Pompei P, Ales KL, MacKenzie CR. A new method of classifying prognostic comorbidity in longitudinal studies: development and validation. J Chronic Dis. 1987;40:373-83.

Unidade de Gestão e Acompanhamento da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Guia Prático – Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Lisboa: Instituto da Segurança Social, I.P. Instituto da Segurança Social; 2021.

Direção-Geral da Saúde. Programa Nacional para as Doenças Cérebro-cardiovasculares. Portugal - Doenças cérebro cardiovasculares em números. Lisboa: DGS; 2013.

Lakshminarayan K, Berger AK, Fuller CC, Jacobs DR Jr, Anderson DC, Steffen LM, et al. Trends in 10-year survival of patients with stroke hospitalized between 1980 and 2000: the Minnesota stroke survey. Stroke. 2014;45:2575-81. doi: 10.1161/STROKEAHA.114.005512.

Wafa HA, Wolfe CDA, Bhalla A, Wang Y. Long-term trends in death and dependence after ischaemic strokes: A retrospective cohort study using the South London Stroke Register (SLSR). PLoS Med. 2020; 17: e1003048. doi:10.1371/journal.pmed.1003048.

Entidade Reguladora da Saúde. Avaliação do acesso dos utentes aos cuidados continuados de saúde: Relatório de 05 de fevereiro de 2013. Lisboa: ERS; 2013.

Downloads

Publicado

23-06-2022

Como Citar

1.
Santos R, P. Ferro A, Camões JF, Lopes CS, Rocha C, A. Morais S. Desafios da Referenciação para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados: A Experiência num Hospital. RPMI [Internet]. 23 de Junho de 2022 [citado 11 de Agosto de 2022];29(2):95-102. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/213

Edição

Secção

Artigos Originais