Nutrição entérica no ambulatório

Autores

  • M. Ermelinda Camilo Assistente Hospitalar Graduada de Gastrenterologia e Respon­sável pelo Grupo de Nutrição do Hospital de Santa Maria, Serviço de Medicina II do Hospital de Santa Maria, Lisboa

Palavras-chave:

qualidade, nutrição entérica no ambulatório, gastrostomia percutânea

Resumo

A qualidade da nutrição entérica no ambula­tório deve ser implementada através de uma rede de cuidados de nutrição, articuladada entre gru­pos de nutrição hospitalares e centros de saú­de. É imperiosa a criteriosa selecção de doentes e da via de administração. A gastrostomia per­cutânea protocolada pode ser a melhor opção para uma nutrição entérica de média/longa du­ração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Elia M. An international perspective on artificial nutritional su­pport in the community. Lancet 1995; 345: 1345-1349.

Payne-James JJ. Enteral nutrition. Eur J Gastr Hep 1995; 7: 501-506.

Gaggioti G, Ambrosi S, Spazzafumo L, Sgattoni C, Orlan­ doni P, Rosati S. Two-year outcome data from the Ita­lian Home Enteral Nutrition (IHEN) Register. Clin Nutr 1995; 14 (Sup.1): 2-5.

Kaw M, Sekas G. Long-term follow-up of consequences of per­cutaneous endoscopic gastrostomy (PEG) tubes in nursing home patients. Dig Dis Sci 1994; 4: 738-743.

Clevenger FW, Rodriguez DJ. Decision-making for enteral fee­ding administration: the why behind where and how. Nutr Clin Pract 1995; 10: 104-113.

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-06-1997

Como Citar

1.
Camilo ME. Nutrição entérica no ambulatório . RPMI [Internet]. 30 de Junho de 1997 [citado 23 de Julho de 2024];4(2):123-4. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2211

Edição

Secção

Comunicações Breves

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)