Artrite reumatóide - Experiência de uma consulta de Medicina Interna num Hospital Distrital

Autores

  • Helena Brito Interna do Internato Complementar de Medicina Interna, Serviço de Medicina Interna do Hospital Distrital de Faro
  • Augusta Pereira Assistente Hospitalar Graduada de Medicina Interna, Serviço de Medicina Interna do Hospital Distrital de Faro
  • Eurico Gomes Chefe de Seroiço de Medicina Interna, Serviço de Medicina Interna do Hospital Distrital de Faro

Palavras-chave:

artrite reumatóide, metotrexato, sais de ouro, d-penicilamina

Resumo

Os autores procederam a um estudo retrospec­tivo dos processos clínicos dos doentes ( nº = 30) com o diagnóstico de artrite reumatóide segui­dos na Consulta de Medicina Interna/ Reumato­logia do Hospital Distrital de Faro, de 1991 a 1994, tendo sido analisados os parâmetros: sexo, idade, manifestações clínicas, terapêutica médi­ca e evolução.

Verificou-se predomínio do sexo feminino (73,3%) e a idade média foi de 56 anos. Todos os doentes apresentaram manifestações articulares e em 40% dos casos foram registadas manifestações extra­ articulares. A avaliação da terapêutica efectuada ( sais de ouro, metotrexato, d-penicilamina) permi­tiu concluir que o metotrexato foi a terapêutica que apresentou maior percentagem de remissões clíni­ cas e menos efeitos acessórios.

Da revisão da literatura sobre o tema, destaca­ se a necessidade do início mais precoce de tera­pêuticas mais agressivas, provavelmente em asso­ciações, que permitam a prevenção da perda da estrutura e função articular e o aumento da sobre­ vida dos doentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lipsky P E. Rheumatoid Arthritis. Harrison's Principles of Internal Medicine 1994: 1648-1655.

Harris E D Jr. Clinical Features of Rheumatoid Arthritis. Kelley Textbook of Rheumatology 1993: 874-911.

Vikingsson A, Graziano F M. Artrite Reumatóide: A importância cio diagnóstico precoce na evolução a longo prazo. Postgra­duate Med 1995; 3: .38-47.

Mazieres B, Cantagrel A. Rheumatoid Arthritis: Modem Treatments. Acta Reumat Port 1995; 72:23-29.

Fleming A, Crown J M, Corbert M. Early Rheumatoid Disease. 1- Onset. Ann Rheum Dis 1976; 35 (4): 357-360.

Kushner 1. Does agressive therapy of Rheumatoid Arthritis affect outcome? J Rheumatol 1989; 16: 1-4.

Shiroky J B, Neville C, Skelton JD. High dose intravenous metho­trexate for refractory Rheumatoid Arthritis. J Rheumatol 1992: 19: 247-251.

Graudal H K, Grauclal N, Jurik A G. On the course of seropositive Rheumatoid Arthritis during and after long-term gold thera­py. Scand J Rheumat 1994; 23 (5): 223-230.

Paulus H E . The use of combinations of disease- modifying anti­ arthritic agents in Rheumatoid Arthritis. Rheumatoid Arthritis 1990; 33: 113-120.

Haagsma CJ et al. Combination of methotrexate anel sulphasa­lazine vs methotrexate alone: a randomized open clinical tri­al in Rheumatoid Arthritis patients resistant to sulphalazine therapy. Br J Rheumatol 1994; 33(11): 1049 - 1055.

Ficheiros Adicionais

Publicado

29-12-1995

Como Citar

1.
Brito H, Pereira A, Gomes E. Artrite reumatóide - Experiência de uma consulta de Medicina Interna num Hospital Distrital. RPMI [Internet]. 29 de Dezembro de 1995 [citado 21 de Abril de 2024];2(4):216-20. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2407

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)