Responsabilidade médica

Autores

  • Miguel Carneiro de Moura Professor da Faculdade de Medicina, Director do Hospital de Santa Maria, Lisboa

Palavras-chave:

responsabilidade médica, tecnologia avançada, economicismo em saúde

Resumo

O autor põe em relevo as transformações intro­duizas na Medicina Clínica pelas moderna tecnolo­gias e por uma opinião pública cada vez mais in­formada e exigente. Criou-se assim uma situação nova nas relações médico-doente em que o médico deixou de ser o actor principal, pelo que é neces­sário reflectir de novo sobre os valores da bioética e das humanidades. Segundo o Autor o médico terá que voltar a recuperar o seu papel de conselheiro. E se no futuro, como se prevê, a responsabilidade se colocar não só em relação aos benefícios do do­ente mas também aos benefícios da sociedade, é in­dispensável, que se saiba manter uma relação de confiança médico-doente, essencial na arte de tratar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Funck-Brentano J-L. Le desordre médicale. Paris: Hermann & Editeurs Sciences et des Arts, 1994.

Rothman DJ. Strangers at the Bedside. New York: Basic Bo­ oks, 1991.

Abrams FR. Patient Advocate or Secret Agent? JAMA 1986; 256: 174-175.

Relman AS. «Self-referral« - What's at stake? N Eng J M 1992; 327:1522-1524.

Ficheiros Adicionais

Publicado

29-12-1995

Como Citar

1.
Carneiro de Moura M. Responsabilidade médica. RPMI [Internet]. 29 de Dezembro de 1995 [citado 21 de Abril de 2024];2(4):265-7. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2417

Edição

Secção

Pontos de Vista

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)