Trombose Venosa Cerebral: Uma Visão de 11 Anos Numa Unidade de AVC

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.289

Palavras-chave:

Acidente Vascular Cerebral/diagnóstico por imagem, Trombose Venosa/diagnóstico por imagem

Resumo

Introdução: A trombose venosa cerebral (TVC) é um tipo raro de acidente vascular cerebral (AVC) mais frequente em mulheres jovens. Geralmente tem manifestações inespecíficas, sendo o diagnóstico imagiológico. O tratamento de primeira linha é a anticoagulação. O nosso objetivo foi caracterização da população diagnosticada com TVC na Unidade de AVC do Centro Hospitalar de Setúbal.

Métodos: Estudo retrospetivo e descritivo dos casos de TVC internados na Unidade de AVC entre 2008 e 2018. Os dados foram colhidos do registo informático hospitalar e registados numa base de dados. Analisámos características demográficas, clínicas, imagiológicas, dados da investigação etiológica e outcome funcional (Escala de Rankin modificada).

Resultados: Dos 27 pacientes incluídos, 21 (78%) foram mulheres e a idade média foi de 43,5 anos. A apresentação mais frequente foi a cefaleia (96,3%). A contraceção oral constituiu o fator de risco mais comum (44,4%). O exame inicial foi a tomografia computorizada crânio-encefálica (TC-CE) em 23 (85,2%) utentes, dos quais 20 apresentaram características evocativas de TVC. O diagnóstico foi confirmado por venoTC ou ressonância magnética crânio-encefálica (RM-CE). Mais de metade apresentaram envolvimento de mais do que uma estrutura venosa. A heparina foi administrada a todos os pacientes e o estado clínico à alta foi favorável em 25 casos.

Conclusão: A TVC afetou sobretudo mulheres jovens, sendo a contraceção oral um fator de risco preponderante. O quadro clínico foi tendencialmente inespecífico, sendo que as cefaleias foram a manifestação mais frequente. Perante suspeita clínica significativa, uma TC-CE negativa não exclui o diagnóstico e a investigação deve ser prosseguida com RM-CE e angiografia por ressonância magnética (angio-RM). É importante o reconhecimento desta patologia, que continua subdiagnosticada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Saposnik G, Barinagarrementeria F, Brown RDJr, Bushnell CD, Cucchiara B, Cushman M,et al. Diagnosis and management of cerebral venous thrombosis: a statement for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2011; 42: 1158-92.

Bousser MG, Ferro JM. Cerebral venous thrombosis: an update. Lancet Neurol. 2007; 6: 162-70.

Santos G, André R, Pereira S, Parreira T, Machado E. Trombose venosa cerebral: análise retrospectiva de 49 casos. Acta Méd Port. 2011;24:21-8.

Ferro JM, Canhão P, Stam J, Bousser MG, Barinagarrementeria F. Prognosis of cerebral vein and dural sinus thrombosis: results of the International Study on Cerebral Vein and Dural Sinus Thrombosis (ISCVT). Stroke. 2004; 35: 664-70.

Coutinho JM, Ferro JM, Canhão P, Barinagarrementeria F, Cantú C, Bousser MG,et al. Cerebral Venous and Sinus Thrombosis in Women. Stroke. 2009; 40: 2356-61.

Coutinho J, de Bruijn SF, Deveber G, Stam J. Anticoagulation for cerebral venous sinus thrombosis. Cochrane Database Syst Rev. 2011; 2011: Cd002005.

de Bruijn SF, de Haan RJ, Stam J. Clinical features and prognostic factors of cerebral venous sinus thrombosis in a prospective series of 59 patients. For The Cerebral Venous Sinus Thrombosis Study Group. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 2001;70:105-08.

Ferro JM, Bousser MG, Canhão P, Coutinho JM, Crassard I, Dentali F, et al. European Stroke Organization guideline for the diagnosis and treatment of cerebral venous thrombosis - endorsed by the European Academy of Neurology. Eur J Neurol. 2017;24:1203-13. doi: 10.1111/ene.13381

Kernan WN, Ovbiagele B, Black HR, Bravata DM, Chimowitz MI, Ezekowitz MD, et al. Guidelines for the prevention of stroke in patients with stroke and transient ischemic attack: a guideline for healthcare professionals from the American Heart Association/American Stroke Association. Stroke. 2014; 45: 2160-236.

Borhani Haghighi A, Edgell RC, Cruz-Flores S, Feen E, Piriyawat P, Vora N, et al. Mortality of cerebral venous-sinus thrombosis in a large national sample. Stroke. 2012;43:262-4.

Stam J. Thrombosis of the Cerebral Veins and Sinuses. New Engl J Med. 2005;352:1791-8.

Kimber J. Cerebral venous sinus thrombosis. QJM. 2002;95:137-42. doi: 10.1093/qjmed/95.3.137.

Bousser MG, Chiras J, Bories J, Castaigne P. Cerebral venous thrombosis-- -a review of 38 cases. Stroke. 1985;16:199-213.

Renowden S. Cerebral venous sinus thrombosis. Eur Radiol. 2004;14:215- 26.

Ashjazadeh N, Borhani Haghighi A, Poursadeghfard M, Azin H. Cerebral venous-sinus thrombosis: a case series analysis. Iran J Med Sci. 2011; 36: 178-82.

Martinelli I, Sacchi E, Landi G, Taioli E, Duca F, Mannucci PM. High risk of cerebral-vein thrombosis in carriers of a prothrombin-gene mutation and in users of oral contraceptives. N Engl J Med. 1998; 338: 1793-7. doi: 10.1056/NEJM199806183382502.

de Bruijn SF, Stam J, Koopman MM, Vandenbroucke JP. Case-control study of risk of cerebral sinus thrombosis in oral contraceptive users and in [correction of who are] carriers of hereditary prothrombotic conditions. The Cerebral Venous Sinus Thrombosis Study Group. BMJ. 1998; 316: 589-92.

Ferro JM, Canhão P, Bousser MG, Stam J, Barinagarrementeria F. Cerebral vein and dural sinus thrombosis in elderly patients. Stroke. 2005; 36: 1927-32.

Marjot T, Yadav S, Hasan N, Bentley P, Sharma P. Genes associated with adult cerebral venous thrombosis. Stroke. 2011;42:913-8. doi: 10.1161/ STROKEAHA.110.602672

Downloads

Publicado

23-06-2022

Como Citar

1.
Carneiro P, Damas C, Tavares J, Figueira M, Serra S, Guerreiro R, Matos R. Trombose Venosa Cerebral: Uma Visão de 11 Anos Numa Unidade de AVC. RPMI [Internet]. 23 de Junho de 2022 [citado 6 de Outubro de 2022];29(2):103-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/289

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)