Doença de Gaucher e Terapêutica Enzimática de Substituição: Casuística de um Serviço

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.632

Palavras-chave:

Doença de Gaucher/tratamento farmacológico, Terapia de Reposição de Enzimas

Resumo

Introdução: A doença de Gaucher (DG) é uma doença
genética rara, provocada pelo défice ou diminuição da actividade da enzima lisossómica glucocerebrosidase. Manifesta-se com hepatoesplenomegalia, doença óssea, citopenias
e manifestações neurológicas. O prognóstico depende do
diagnóstico precoce e do início atempado da terapêutica.

Métodos: Realizou-se um estudo retrospectivo e longitudinal, com o objectivo de caracterizar a população de doentes com DG e entender o impacto do tratamento na progressão da doença. Colheu-se informação clínica dos processos dos doentes com DG seguidos em 2019 em consulta de Medicina Interna e sob tratamento enzimático de substituição (TSE).

Resultados: Obteve-se uma amostra de 5 doentes com DG do tipo 1, do sexo feminino e com idade ao diagnóstico
entre 6 e 35 anos. Em 3 doentes o diagnóstico foi histológico e em 2 enzimático. Todos se encontravam medicados com TSE (4 imiglucerase, 1 velaglucerase), sendo que 3 estiveram medicados previamente com alglucerase. A idade de início de TSE variou entre 26 e 52 anos. Previamente à TSE, 80% apresentava trombocitopenia, 100% anemia, 40% esplenomegalia (os restantes 60% foram previamente esplenectomizados), 100% hepatomegalia e 80% dor óssea. Aos 6 meses de tratamento, verificou-se redução do volume do baço e fígado, melhoria da anemia e trombocitopenia e redução de dor óssea. Verificou-se ainda redução dos níveis de β-D-quitotriosidase e fosfatase ácida resistente ao tártaro.

Discussão/Conclusão: A TSE é efectiva na redução das
citopenias e do volume hepático e esplénico nos doentes
com DG, melhorando a sua qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fraga C, Medeiros S, Serpa S, Silva D. Case Series Synopsis: Gaucher disease type 1 patients treated with eliglustat over 6 years. Int J Rare Dis Disord. 2020, 3:014.

Brady RO. Gaucher’s disease: past, present and future.Bailleres Clin Haematol.1997;10:621-34.

Trindade e Silva LP, Silva H, Cabrera H. Doença de Gaucher. Acta Med Port. 2007; 20: 175-8.

Santos S. Atlas da Saúde. [Internet]. [Acedido em 20/08/2021] Disponível em: https://www.atlasdasaude.pt/publico/content/anemia-fadiga-e-cansaco-os-sinais-insuspeitos-da-doenca-de-gaucher.

Stirnemann J, Belmatoug N, Camou F, Serratrice C, Froissart R, et al. A review of Gaucher disease pathophysiology, clinical presentation and treatments. Int J Mol Sci. 2017; 18:441. doi: 10.3390/ijms18020441.

Martins AM, Lobo CL, Sobreira EA. Tratamento da doença de Gaucher: um consenso brasileiro. Rev Bras Hematol Hemoter. 2003;25:89-95.

Weinreb NJ, Finegold DN, Feingold E, Zeng Z, Rosenbloom BE, Shankar SP, et al. Evaluation of disease burden and response to treatment in adults with type 1 Gaucher disease using a validated disease severity scoring system (DS3). Orphanet J Rare Dis. 2015;10:64. doi: 10.1186/s13023-015-0280-3.

Aerts JM, Kallemeijn WW, Wegdam W, Joao Ferraz M, van Breemen MJ, Dekker N, et al. Biomarkers in the diagnosis of lysosomal storage disorders: proteins, lipids, and inhibodies. J Inherit Metab Dis. 2011;34:605-19.

Aguilera B, Ghauharali-van der Vlugt K, Helmond MT, Out JM, Donker-Koopman WE, Groener JE, et al. Transglycosidase activity of chitotriosidase: improved enzymatic assay for the human macrophage chitinase. J Biol Chem. 2003; 278:40911–16.

Schindelmeiser J, Radzun HJ, Münstermann D. Tartrate-resistant, purple acid phosphatase in Gaucher cells of the spleen. Immuno- and cytochemical analysis. Pathol Res Pract. 1991;187:209-13. doi: 10.1016/S0344-0338(11)80773-9.

Magalhães J, Pinto R, Lemos M, Sá Miranda MC, Poenaru L. Age dependency of serum acid phosphatase in controls and Gaucher patients. Enzyme. 1984; 32:95-9.

Revel-Vilk S, Fuller M, Zimran A. Value of Glucosylsphingosine (Lyso-Gb1) as a Biomarker in Gaucher Disease: A Systematic Literature Review. Int J Mol Sci. 2020;21:7159. doi: 10.3390/ijms21197159.

Downloads

Publicado

23-06-2022

Como Citar

1.
Oliveira Sá A, Oliveira N. Doença de Gaucher e Terapêutica Enzimática de Substituição: Casuística de um Serviço. RPMI [Internet]. 23 de Junho de 2022 [citado 11 de Agosto de 2022];29(2):89-94. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/632

Edição

Secção

Artigos Originais