A Crise dos Serviços de Urgência em Portugal 2015: Conjugação de Velhos e Novos Problemas para um Mau Resultado

Autores

  • João Araújo Correia Diretor do Serviço de Medicina Hospital de Santo António – Centro Hospitalar do Porto (CHP)

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.870

Palavras-chave:

Medicina Interna, Serviço de Urgência Hospitalar, Profissionalização da Urgência

Resumo

O caos no Serviço de Urgência (SU) ocorre sempre que a procura excede a capacidade instalada, que nunca é suficiente
quando um hospital recebe por dia quase o dobro do número
habitual de doentes. Enquanto os Cuidados Primários não derem alternativas credíveis para o tratamento da doença aguda,
as pessoas continuarão a acorrer às centenas à urgência hospitalar, mesmo sabendo das muitas horas que irão ter de esperar.
Não sabem se a queixa que os aflige é coisa banal ou indício de
doença grave. Vêm ao SU por que é a única porta aberta confiável e temem pela sua vida. Outro velho problema, é o rápido
esgotamento da capacidade de internamento dos hospitais em
função do aumento das necessidades impostas pelo SU. A profissionalização das Equipas de Urgência não é a solução para
o SU sobrelotado, mas tem sido apresentada pelos defensores
deste modelo como se fosse. Em, Portugal, enquanto os doentes chegarem às centenas ao SU, sem qualquer triagem médica,
e mais de 93% dos internamentos se fizerem através da urgência, é fundamental a visão holística do doente, garantida pelo
Internista. Só assim pode ser assegurada a qualidade assistencial, a unidade institucional e evitar as altas indevidas. Neste ano
de 2015 houve uma conjunção de factores que redundaram no
péssimo resultado a que assistimos. A vacina da gripe não era
tão eficaz. Os doentes eram mais velhos, tinham mais doenças,
muito mais carências sociais, com acréscimo substancial das
necessidades de internamento. A austeridade económica levou
á redução das equipas de médicos e enfermeiros e extorquiulhes a ambos qualquer motivação racional. Era natural que se
formasse uma tempestade com os primeiros ventos. Não sei
quem ficou surpreendido. Os Internistas não ficaram.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-03-2015

Como Citar

1.
Araújo Correia J. A Crise dos Serviços de Urgência em Portugal 2015: Conjugação de Velhos e Novos Problemas para um Mau Resultado. RPMI [Internet]. 31 de Março de 2015 [citado 20 de Abril de 2024];22(1):8-9. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/870

Edição

Secção

Perspectiva

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>