Tendências Seculares na Mortalidade por Doenças Cerebrovasculares em Portugal: 1902-2012

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/O/271/19/2/2020

Palavras-chave:

Doenças Cerebrovasculares/mortalidade, Portugal

Resumo

Introdução: As doenças cerebrovasculares (DCV) são uma das principais causas de morte em Portugal. O estudo da história epidemiológica deste fenómeno contribui para a sua compreensão e ajuda a orientar estratégias de intervenção. Objetivos: (1) Descrever tendências históricas na mortalidade. (2) Estimar o impacto das variações demográficas no número de casos registado.

Métodos: (1) Calculámos taxas, específicas e padroni- zadas, para as mortes registadas como resultantes de DCV (CID-10: I60-I69, G45; ICD-8/9: 430-438; ICD-6/7: 330-334) por sexo (1902-2012) e por sexo e grupos etários (1913- 2012). Utilizámos Joinpoint-analysis para identificar variações estatisticamente significativas na tendência temporal e mod- elos multivariados de regressão, Poisson e binomial negativo, controlando dinâmicas demográficas e tendências temporais, constrangidos à população exposta, de 1913 a 2012. (2) Aferimos o peso relativo de variações demográficas recorrendo à aplicação RiskDiff. (3) Avaliámos se as interrupções na continuidade das séries definidas por alterações nos critérios de codificação da causa de morte podem ter constituído fac- tores confundentes. Fontes dos dados: Instituto Nacional de Estatística.

Resultados: (1) Elencámos a mais longa e discriminada série de mortalidade por DCV em Portugal com dados desde que há registo com abrangência nacional. A mortalidade au- menta exponencialmente com a idade e é superior nos homens. (2) Observámos variações significativas na direcção e amplitude da tendência temporal das taxas padronizadas (1913-1933: APC 2,0%; 1933-1955: APC -0,9%; 1955-1974: 2,9%; 1974-1996: -2,4%; 1996-2012: -6,5%). (3) O envelhecimento demográfico exerceu uma pressão significativa para o aumento no número de casos particularmente na segunda metade do século XX. No entanto este efeito foi neutralizado por factores protectores.

Conclusão: Em Portugal a DCV é particularmente expressiva quando comparada com outros países da Euro- pa embora se tenham observado ganhos significativos nas últimas décadas. O envelhecimento demográfico combinado com uma eventual transição relativa entre as dimensões morbil e de mortalidade proporcionaram uma mudança no paradigma de saúde pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Coupland AP, Thapar A, Qureshi MI, Jenkins H, Davies AH. The definition of stroke. J R Soc Med. 2017;110:9–12.

Donkor ES. Stroke in the 21st century: a snapshot of the burden, epide- miology, and quality of life. Stroke Res Treat. 2018;2018:3238165. doi: 10.1155/2018/3238165.

Tissue Plasminogen Activator for Acute Ischemic Stroke. N Engl J Med. 1995;333:1581–8.

Wilkins E, Wilson L, Wickramasinghe K, Bhatnagar P, Leal J, Luengo-Fernandez R, et al. European Cardiovascular Disease Statistics 2017. Paris: European Heart Network; 2017.

Pereira M, Peleteiro B, Capewell S, Bennett K, Azevedo A, Lunet N. Changing patterns of cardiovascular diseases and cancer mortality in Portugal, 1980-2010. BMC Public Health. 2012;12:1126.

Mirzaei M, Truswell AS, Arnett K, Page A, Taylor R, Leeder SR. Cerebro- vascular disease in 48 countries: Secular trends in mortality 1950-2005. J Neurol Neurosurg Psychiatry. 2012;83:138–45.

Smolina K, Wright FL, Rayner M, Goldacre MJ. Determinants of the decline in mortality from acute myocardial infarction in England between 2002 and 2010: Linked national database study. BMJ. 2012;344 :d8059. doi: 10.1136/bmj.d8059.

Pereira M, Carreira H, Vales C, Rocha V, Azevedo A, Lunet N. Trends in hypertension prevalence (1990-2005) and mean blood pressure (1975- 2005) in Portugal: A systematic review. Blood Press . 2012;21:220-6. doi: 10.3109/08037051.2012.666380.

Instituto Nacional de Estatística. Biblioteca Digital [Internet]. [cited 2019 Dec 9]. Available from: https://bdigital.ine.pt/biblioteca/index.jsp

Downloads

Publicado

05-12-2021

Como Citar

1.
Pinhão Ramalheira C, M. Gonçalves A, Gomes F, Dutschmann R, Gusmão R. Tendências Seculares na Mortalidade por Doenças Cerebrovasculares em Portugal: 1902-2012. RPMI [Internet]. 5 de Dezembro de 2021 [citado 6 de Julho de 2022];27(2):139-44. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/157

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)