Ventilação Não Invasiva numa Unidade de Cuidados Intermédios

Autores

  • Joana Felgueiras Interna Internato Complementar de Nefrologia, Serviço de Medicina I - Unidade Médica Diferenciada do Hospital Garcia de Orta
  • Corinna Lohmann Assistente Hospitalar de Medicina Interna, Serviço de Medicina I - Unidade Médica Diferenciada do Hospital Garcia de Orta
  • Francisca Delerue Assistente Graduada de Medicina Interna, Serviço de Medicina I - Unidade Médica Diferenciada do Hospital Garcia de Orta
  • José Barata Director de Serviço de Medicina, Serviço de Medicina I - Unidade Médica Diferenciada do Hospital Garcia de Orta

Palavras-chave:

Ventilação não invasiva, unidade cuidados intermédios, doença pulmonar obstrutiva crónica

Resumo

A ventilação não invasiva (VNI) é um modo de ventilação mecânica
alveolar, que tem sido utilizada de forma crescente em situações de
insuficiência respiratória aguda e crónica agudizada.
Objectivo: Demonstrar a experiência com a VNI, numa Unidade de
Cuidados Intermédios durante 2 anos.
Métodos: Foram analisados retrospectivamente dados epidemiológicos, clínicos e laboratoriais de 66 doentes, submetidos a VNI,
admitidos entre Janeiro de 2001 e Dezembro de 2002, numa unidade
de cuidados intermédios - Unidade Médica Diferenciada (UMD), do Hospital Garcia de Orta (HGO).
Resultados: Em 315 doentes internados na UMD, 66 (20%) foram
ventilados não invasivamente. A maioria era do sexo masculino (53%),
com idade média de 68 anos. As patologias, que motivaram a VNI,
foram a Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) agudizada
em 33 doentes (50%), a Pneumonia em 12 (18%), a Insuficiência
Cardíaca (IC) em 9 (14%), a Síndrome Pós-Extubação (SPE) em 6
(9%), a Síndrome de Pickwick em 4 (6%) e a Cifoescoliose e a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) num doente cada. O tipo de interface doente/ventilador mais utilizado foi a máscara facial (98%). Às 48
horas de ventilação, verificou-se melhoria das trocas gasosas em
40 doentes (61%) e agravamento em 9, dos quais, 3 necessitaram
de ventilação invasiva, e outros 3 faleceram. Os doentes estiveram
ventilados numa média de 6.4 dias, 10 na síndrome de Pickwick,
8.8 na IC, 7 na SPE, 6 na DPOC e 3.8 na pneumonia; com um tempo
médio de internamento na UMD de 8.5 dias. Houve necessidade de
ventilação invasiva em 11 doentes, 4 doentes com DPOC, 3 com
pneumonia, 2 com IC, 1 com síndrome Pickwick e 1 com SPE. Tiveram
alta com indicação para manter VNI em ambulatório 9% dos doentes,
todos com DPOC. A taxa de mortalidade foi de 21%.
Conclusão e Discussão: A VNI demonstrou ser eficaz com melhoria
gasimétrica em 61 % dos doentes às 48 horas. O maior benefício
verificou-se nos doentes com DPOC, com insuficiência cardíaca e
com pneumonia, estes últimos com um número reduzido de dias
de ventilação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Valença J. Ventilação Não Invasiva em cuidados intensivos. 33º curso de pneumologia para pós-graduados – Doenças obstrutivas do pulmão, Lisboa, 13-15 de Abril de 2000.

Mehta S, Hill N. Noninvasive Ventilation. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine 2001; (163): 540-577.

Shneerson JM, Simonds AK. Noninvasive ventilation for chest wall and neuromuscular disorders. European Respiratory Journal 2002; 20: 480-487.

Clinical Indications for Noninvasive Positive Pressure Ventilation in Chronic Respiratory Failure Due to Resrictive Lung Disease, COPD, and Nocturnal Hypoventilation – A Consensus Conference Report. Chest 1999; 116: 521-534.

G. Christophe G, Daudenthun I, Chevron V, Tamion F, Leroy J, Bonmarchand G. Noninvasive Ventilation as a Systematic Extubation and weaning Technique in Acute-on-Chronic Respiratory Failure. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine 1999 ;(160): 86-92.

International Consensus Conferences in Intensive Care Medicine: Noninvasive Positive Pressure Ventilation in Acute Respiratory Failure. American Thoracic Society. American Journal of Respiratory and Critical Care Medicine 2001; (163) 283-291.

Plant P, Owen J, Elliott M. A multicenter randomised controlled trial of the early use of non-invasive ventilation for acute exacerbations of chronic obstructive pulmonary disease. Lancet 2000; 355:1931-1935.

Brochard L, Mancebo J, Wysocky M, etal. Noninvasive positive pressure ventilation via face mask: first line intervention with acute hypercapnic and hypoxemic respiratory failure. Chest 1996; 109: 179-193.

Benditt J. Noninvasive ventilation at the end of life. Respir Care 2000; 45(11): 1376-1381.

Brochard L, Mancebo J, Wysocki M et al. Noninvasive ventilation for acute exacerbations of chronic obstructive pulmonary disease. N Engl J Med 1995; 333: 817.

Celikel T, Sungur M, Ceyhan B et al. Comparison of noninvasive positive pressure ventilation with standard medical therapy in hypercapnic acute respiratory failure. Chest 1998; 114: 1636-1642.

Ram FS, Lightowler JV, Wedzicha JA. Non-invasive positive pressure ventilation for treatment of respiratory failure due to exacerbations of chronic obstructive pulmonary disease. Cochrane Database Syst Rev 2003; CD004104.

Carlucci A, Richard JC, Wysocki M et al. Noninvasive versus conventional mechanical ventilation: an epidemiological survey. Am J Respir Crit Care Med 2001; 163: 874-880.

Nava S, Carbone G, DiBattista N et al. Noninvasive ventilation in cardiogenic pulmonary edema. Am J Respir Crit Care Med 2003; 168: 1432.

Liesching T, Kwok H, Hill N. Acute applications of non-invasive positive pressure ventilation. Chest 2003; 124: 699-713.

Confaloniere M, Potena A, Carbone G et al. Acute respiratory failure in patients with severe community-acquired pneumonia: a prospective randomized evaluation of non-invasive ventilation. Am J Respir Crit Care Med 1999; 160: 1585-1591.

Jolliet P, Abajo B, Pasquina P et al. Non-invasive pressure support ventilation in severe community-acquired pneumonia. Intensive Care Med 2001; 27: 812-821

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-06-2006

Como Citar

1.
Felgueiras J, Lohmann C, Delerue F, Barata J. Ventilação Não Invasiva numa Unidade de Cuidados Intermédios. RPMI [Internet]. 30 de Junho de 2006 [citado 30 de Maio de 2024];13(2):73-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1628

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)