Eficácia da plasmaferese e da imunoglobulina humana no síndrome de Guillain-Barré: estudo retrospectivo

Autores

  • Luís Negrão Assistente Hospitalar de Neurofisiologia, Serviço de Neurologia dos Hospitais Universidade de Coim­bra
  • J. M. Santos Interno do Internato Complementar de Neurologia, Serviço de Neurologia dos Hospitais Universidade de Coimbra
  • Francisco Camões Interno do Internato Complementar de Neurologia, Serviço de Neurologia dos Hospitais Universidade de Coimbra
  • José Barbosa Assistente Hospitalar de Neurologia, Serviço de Neurologia dos Hospitais Universidade de Coim­bra
  • Luís Cunha Director de Serviço de Neurologia, Serviço de Neurologia dos Hospitais Universidade de Coim­bra

Palavras-chave:

síndrome de Guillain-Barré, plamasferese, imunoglobulina intravenosa

Resumo

O síndrome de Guillain-Barré (SGB) é uma polirradiculoneuropatia subaguda, potencialmente fatal. A plasmaferese (PF) e, mais recentemente, a Imunoglobulina endovenosa (IgIV), são as terapêuticas disponíveis, com resultados comprova­ dos na melhoria clínica dos doentes.

Neste estudo retrospectivo, foram considerados três grupos de doentes. Um grupo de 18 doentes foi tratado com PF, outro (13 doentes) com IgIV e finalmente um terceiro grupo (15 doentes), que recebeu unicamente o melhor tratamento médico disponível (TM).

Dos doentes tratados com PF, 38,4% melhoraram um ou mais graus na escala funcional, 61,5% melhoraram no grupo tratado com IgIV e 46,6% no grupo que recebeu tratamento médico.

Três doentes faleceram, um no grupo da PF e os outros dois no grupo que recebeu tratamento médico. Nenhum doente faleceu no grupo tratado com IgIV. Uma percentagem significativa de doentes tratados com IgIV tiveram alta com sinais mínimos (69,2%), contra 22,2% e 33,3%, respectivamente nos grupos tratados com PF e TM.

Este estudo mostra uma resposta altamente favorável ao tratamento com IgIV. O pior resultado verificado no grupo tratado com PF pode ter sido devido a um estádio de doença mais avançado e a uma maior incidência de factores de mau prognóstico no início do tratamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

SGB Study Group: Plasmapheresis and acute Guillain Barré. Neurology 1984; 351096-1104.

French Cooperative Group on Plasma Exchange in Guillain-Barré Svndrome. Efficiency of plasma exchange in Guillain-Barré syndrome: role of replacement fluids. Ann Neurol 1987:22:753- 761.

Kleyweg RP, van der Merché FGA, Meulstee J Treatment of Guillain-Barré Syndrome with high-dose gammaglobulin. Neurology 1988;38 1639-1641.

Van der Merché FGA. Schmitz PIM, Dutch Guillain Barré Study Group. A randomized trial comparing intravenous immune globulin and plasma exchange in Guillain-Barré syndrome. New Engl J Med 1992;326:1123-1129.

Asbury AK, Arnason BG, Karp HR, McFarlin DE. Criteria for diagnosis of Guillain-Barré syndrome. Ann Neurol 1978;3:565- 567.

Bril V, llse WK, Pearce R, Dhanani A, Sutton D and Krong K. Pilot triai of lmmunoglobulin versus plasma exchange in patients with Guillain-Barré syndrome. Neurology 1996;46: 100-103.

Kissel JT. Treatment and prognosis of Guillain-Barré Syndrome and variants. 48th. Annual Meeting of lhe American Academy of Neurology. Vol 2, 1996.

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-09-1999

Como Citar

1.
Negrão L, Santos JM, Camões F, Barbosa J, Cunha L. Eficácia da plasmaferese e da imunoglobulina humana no síndrome de Guillain-Barré: estudo retrospectivo. RPMI [Internet]. 30 de Setembro de 1999 [citado 12 de Abril de 2024];6(3):152-6. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2066

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)