Avaliação capilaroscópica peri­-ungueal em patologia auto-imune: correlação clínico-morfológica

Autores

  • José Alves Serviço de Medicina 2 do Hospital Curry Cabral, Lisboa
  • António Panarra Serviço de Medicina 2 do Hospital Curry Cabral, Lisboa
  • Francisco Soromenho Serviço de Medicina 2 do Hospital Curry Cabral, Lisboa
  • Manuel Vaz Riscado Serviço de Medicina 2 do Hospital Curry Cabral, Lisboa

Palavras-chave:

capilaroscopia peri-ungueal, lúpus eritematoso sistémico, esclerose sistémi­ca, classificação de Fagrell

Resumo

A capilaroscopia peri-ungueal é um método de observação da microcirculação, in vivo. Diversos sos trabalhos demonstraram já a relação entre alterações da morfologia dos capilares peri­-ungueais e a presença de patologia auto-imune. Outros estudos descrevem mesmo característi­cas especificas destes capilares encontradas na hipertensão essencial e na diabetes, em relação com o tempo de evolução destas patologias. No entanto, poucos destes trabalhos descrevem es­ tudos quantitativamente controlados.

Os autores apresentam um estudo controlado comparando os achados capilaroscópicos numa população feminina com patologia auto-imune, com uma população saudável.

Avaliaram-se vinte doentes do sexo feminino seguidas na Consulta Externa da Unidade de Doenças Auto-Imunes; 9 com lúpus eritmatoso sistémico, 7 com esclerose sistémica e 4 com ou­ tras doenças auto-imunes. Excluiram-se doentes com hipertensão, diabetes, hipercolesterole­ mia e doença vascular primária.

Utilizaram-se como população controlo 20 in­divíduos saudáveis, com características demo­gráficas semelhantes, pertencentes ao staff do hospital. Utilizou-se o microscópio estereoscó­pico para a realização da capilaroscopia peri­-ungueal e, com auxilio de uma escala métrica incluída no sistema ocular, fizeram-se diversas determinações quantitativas. As observações efec­tuaram-se na mesma sala com temperatura es­tabilizada. Em qualquer dos quarenta indivíduos observados foram efectuadas avaliações res­peitantes ao diâmetro e à densidade capilar, e ainda à presença de alterações estruturais, es­tas classificadas como minor e major. O índice de Fagrell foi utilizado para uma avaliação glo­ bal das alterações microvasculares.

Em conformidade como estudo estatfstico efec­tuado encontraram-se diferenças significativas entre o grupo com patologia e o grupo de con­ trolo no que respeita ao diâmetro (p<0.009) e à densidade capilar (p<0.003), e à presença de alterações estruturais de tipo minor (p<0.001) e major (p<0.002). O índice de Fagrell foi tam­ bém significativamente diferente (p<0.001). Com­ pararam-se ainda os doentes com lúpus e os doentes com esclerose sistémica e encontraram­ se diferenças relativemente ao índice de Fagrell (p<0.01) e às alterações estruturais de tipo ma­jor (p<0.02), com valores mais elevados para os doentes com esclerose sistémica.

O grupo controlo foi comparado com a popu­lação com lúpus e apenas a presença de altera­ções estruturais de tipo minor foi considerada significativa (p<,0.0001). Os doentes com escle­rose sistémica apresentavam diferenças relati­ vamente ao diâmetro (p<0.0001) e à densidade capilar (p<0.0001), e ainda em relação a altera­ções estruturais major (p<0.01).

Os resultados obtidos ilustram a importância da capilaroscopia peri-ungueal na avaliação de doentes com doenças auto-imunes. As diferen­ ças encontradas são consistentes com o compro­ misso microvascular presente nestas patologi­as. O diferente padrão encontrado nos doentes com lúpus e com esclerose sistémica pode ser explicado pela diferente fisiopatologia de am­bas as doenças. A classificação de Fagrell pode ser um importante índice para a avaliação da severidade e evolução das alterações patológi­cas encontradas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Heuter C. Die Cheilo Angioskopie, eine neue Untersuchungs­ methode zu physiologischen. ZBL. Med Wiss 1879; 17: 225-

Maricq HR, LeRoy EC, D'Angelo WA, et al. Diagnostic potencial of in vivo capillary microscopy in scleroderma and related disorders. Arthritis Rheum 1980; 23: 183-189.

Jayson MIV. Systemic sclerosis - A microvascular disorder? J Roy Soc Med 1983; 76: 635-642.

Groen H, TerBorg EJ, Postma DS, Wouda AA, van der Mark TW, Kallenherg C. Pulmonary function in Systemic Lupus Erythematosus is related to distinct clinical, serologic and nailfold capillary patterns. Am J Med 1992; 93:619-627.

Grassi W, Fel

Tooke JE. Microvascular haemodynamics in diabetes mellitus. Clin Sci 1986; 70: 119-125.

Santos L, Fonseca I, Ferreira R, Saldanha de Oliveira MH. Capi­laroscopia peri-ungueal na aterosclerose. Rev Port Cardiol 1992; 11: 1041-1045.

Gasser P, Buhler F. Nailfokl microcirculation in normotensive and essential hypertensive subjects, as assessed hy video­ microscopy..l Hypertension 1992;10: 83-86.

Lee P, Sarkozi J, Bookman A, Keystone E, Armstrong S. Digital hlood flow and nailfold capilary microscopy in Raynaud's phenomenon. J Rheumatol 1986; 13: 564-569.

Ôstergren J, Fagrell B. Videophotometric capillaroscopy for evaluating dmg effects on skin microcirculation - A double­ blind study with nifedipine. Clin Phys 1984; 4: 169-176.

Scheja A, Akesson A, Niewierowicz I, Wallin L, Wildt M, Wol­lheim FA. Computer based quantitative analysis of capillary abnormalities in systemic sclerosis and its relation to plas­ma concentration of von Willehrand factor. Ann Rheum Dis 1996; 55 ( 1): 52-56.

Fagrell B. Vital capillary microscopy - A clinical method for studying changes of the nutritional skin capillaries in legs with arteriosclerosis obliterans. Scand J Clin Lab Invest 19)73; 1313-19.

Kabasakal Y, Elvi.ns DM, Ring EF, McHugh NJ. Quantitative nailfold capillaroscopy findings in a population with cem-nective tissue disease and in normal healthy controls. Ann Rheum Dis 1996; 55 (8): 507-512.

Mannarino E, Pasqualini L, Fedeli F, Scricciolo V, Innocente S. Nailfold capillaroscopy in the screening and diagnosis of Raynaud's phenomenon. Angiology 1994; 45 (1): 37-42.

Marieq HR. Widefield capillary microscopy. Arthritis Rheum 1981; 24 (9):1159-1165.

Haustein UF, Herrmann K, Biihme HJ. Pathogenesis of progres­sive systemic sclerosis. Intern J Dermatol 1986; 25: 286-293.

Coffman JD. Raynaud's phenomenon, an update. Hypertensi on 1991; 17 (5): 593-602.

Priollet P, Vayssairat M, Housset E et al. How to classify Raynaud's phenomenon. Long term follow-up of 73 cases. AmJ Med 1987; 63: 494- 499.

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-03-1998

Como Citar

1.
Alves J, Panarra A, Soromenho F, Vaz Riscado M. Avaliação capilaroscópica peri­-ungueal em patologia auto-imune: correlação clínico-morfológica. RPMI [Internet]. 31 de Março de 1998 [citado 25 de Junho de 2024];5(1):16-22. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2101

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.