Ver ou não ver: eis a questão

Autores

  • Barros Veloso Director do Serviço I do Hospital de Santo António dos Capuchos, Lisboa

Palavras-chave:

imagem, raios X, tomografia axial computorizada, icterícia, ampola de Va­ter

Resumo

O Autor Jaz algumas considerações àcerca da importância que teve, na evolução da Medicina, a possibilidade de ver as lesões orgânicas e re­fere-se, de uma forma especia aos progressos registados a partir dos anos 80, que levaram ao aparecimento da TAC, das fibras ópticas e das microcâmaras de televisão, e às consequências que estas novas técnicas tiveram na forma de exercer a Medicina clinica tradicional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Banuelos M. Manual de Patologia Medica. Tomo III, 5ª Edicion.

Editorial Científico Medica, Barcelona 1946.

Eppinger H. Enfermedades del higado. Editorial Labor, S.A., 1947

Frappat B. Le Monde 28 de Junho de 1992

LyotardJ-F. A condição pós-moderna. Gradiva-Publicações, Lda., 2º edição, 1989

Sherlock S. Diseases of the liver and biliary system. Blackwell Sci­entific Publications. Oxford, 2th Edition, 1958

Sousa AT. Curso de História da Medicina. Edição Fundação Ca­louste Gulbenkian, Lisboa, 1981

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-1997

Como Citar

1.
Veloso B. Ver ou não ver: eis a questão . RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 1997 [citado 14 de Julho de 2024];4(4):283-6. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2254

Edição

Secção

Pontos de Vista

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.