Ventilação Não Invasiva: Como Identificar a Resposta Terapêutica?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi/O/17/19/2/2019

Palavras-chave:

Insuficiência Respiratória, Respiração Artificial, Resultado do Tratamento, Ventilação Não Invasiva/ tratamento

Resumo

Introdução: A ventilação mecânica não invasiva tem-se sedimentado como uma opção terapêutica de sucesso na insuficiência respiratória, permitindo reduzir as complicações
associadas à ventilação mecânica invasiva e melhorar a sobrevivência hospitalar.
O objectivo do estudo foi caracterizar uma população de
doentes que necessitou de ventilação mecânica não invasiva numa Unidade de Cuidados Intermédios e identificar
possíveis indicadores preditivos de resposta à terapêutica.
Métodos: Estudo prospectivo observacional realizado durante 6 meses que incluiu doentes com insuficiência respiratória hipercápnica e/ou hipoxémica e que necessitaram de
ventilação mecânica não invasiva.
Resultados: Identificados 34 de um universo de 128 doentes, idade média 77 anos, 71% do sexo masculino. Score
SAPS II e índice de Charlson médios de 46 e 7, respectivamente. Em 22 doentes a ventilação mecânica não invasiva
foi iniciada no Serviço de Urgência, em 6 na unidade e nos
restantes 6 na enfermaria. Principais motivos para a sua introdução: edema agudo do pulmão cardiogénico (50%) e
doença pulmonar obstrutiva crónica agudizada (26%). A
taxa de falência terapêutica foi de 29%. Após 24 horas de
ventilação mecânica não invasiva, as diferenças encontradas entre os grupos resposta e falência terapêutica foram
estatisticamente significativas (pH 7,37 vs 7,32; p < 0,05).
A variação do pH nas primeiras horas parece associar-se a
uma melhor capacidade de avaliar a resposta à ventilação
mecânica não invasiva (0,894; p = 0,001).
Conclusão: A ventilação mecânica não invasiva permite
reduzir a morbi/mortalidade dos doentes através de uma
estreita monitorização clínica e gasimétrica. A variação do
pH parece ser o melhor preditor da resposta, permitindo o
reconhecimento precoce da falência terapêutica e facilitar,
antecipadamente, o recurso a outras opções terapêuticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Paus-Jenssen ES, Reid JK, Cockcroft DW, Laframboise K, Ward HA. The use of noninvasive ventilation in acute respiratory failure at a tertiary care center. Chest. 2004;126:165–72. doi:10.1378/chest.126.1.165.

Martinez-Urbistondo D, Alegre F, Carmona-torre F, Huerta A, Nú M, García N, et al. Mortality prediction in patients undergoing non-invasive ventilation in intermediate. PLoS One. 2015;1–11. doi:10.1371/journal. pone.0139702.

Garpestad E, Brennan J, Hill NS. Noninvasive ventilation for critical care. Chest. 2007;132:711–20. doi:10.1378/chest.06-2643.

Rochwerg B, Brochard L, Elliott MW, Hess D, Hill NS, Nava S, et al. Official ERS/ATS clinical practice guidelines: Noninvasive ventilation for acute respiratory failure. Eur Respir J. 2017;50: pii: 1602426. doi: 10.1183/13993003.02426-2016.

Hess DR. Noninvasive Ventilation for Acute Respiratory Failure. Respir Care. 2013;58:950–72. doi:10.4187/respcare.02319.

International Consensus Conferences in Intensive Care Medicine: Noninvasive Positive Pressure Ventilation in Acute respiratory Failure. Am J Respir Care Med. 2001;163:283–91. doi:10.1164/ajrccm.163.1.ats1000.

Brochard L. Noninvasive ventilation for acute respiratory failure. JAMA. 2002;288:932–5.

Burns KEA, Adhikari NKJ, Keenan SP, Meade M. Use of non-invasive ventilation to wean critically ill adults off invasive ventilation: meta-analysis and systematic review. BMJ. 2009;338:b1574. doi:10.1136/bmj.b1574.

Nava S, Navalesi P, Conti G. Time of non-invasive ventilation. Intensive Care Med. 2006;32:361–70. doi:10.1007/s00134-005-0050-0.

Gónzalez Díaz G, Carrillo Alcaraz A, Pardo Talavera JC, Jara Pérez P, Esquinas Rodriguez A, García Cordoba F, et al. Noninvasive positive-pressure ventilation to treat hypercapnic coma secondary to respiratory failure. Chest. 2005;127:952–60. doi: 10.1378/chest.127.3.952.

Antonelli M, Conti G, Moro M, Esquinas A, Gonzalez-Diaz G, Confalonieri M, et al. Predictors of failure of noninvasive positive pressure ventilation in patients with acute hypoxemic respiratory failure: A multi-center study. Intensive Care Med. 2001;27:1718–28.

Singh G, Pitoyo CW. Non-invasive ventilation in acute respiratory failure. Indones J Intern Med. 2014;46:74–80.

Downloads

Publicado

18-06-2019

Como Citar

1.
Isidoro Duarte T, Pocinho R, Pires P, Antunes L, Baptista I. Ventilação Não Invasiva: Como Identificar a Resposta Terapêutica?. RPMI [Internet]. 18 de Junho de 2019 [citado 18 de Abril de 2024];26(2):113-9. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/382

Edição

Secção

Artigos Originais