Morrer num Serviço De Medicina Interna: As Últimas Horas de Vida

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi/original/90/4/2018

Palavras-chave:

Administração dos Cuidados ao Doente, Cuidados Paliativos, Cuidados Terminais, Hospitalização, Medicina Interna, Obstinação Terapêutica

Resumo

Introdução: A longevidade crescente e o aumento das doenças crónicas justificam o número de doentes com necessidades paliativas nos serviços de Medicina Interna. O internista deve estar capacitado para assegurar cuidados de conforto no fim da vida dos doentes que assiste. O objectivo do estudo foi analisar a terapêutica realizada e os exames complementares de diagnóstico (ECD) solicitados nas 48 horas antes do óbito. Métodos: Estudo retrospectivo observacional, com análise de 100 óbitos consecutivos (de doentes com “indicação para não reanimar”) ocorridos no Serviço de Medicina Interna durante um ano. Resultados: A duração do internamento foi de 9,4 ± 7,9 dias, a idade de 86,5 ± 9,9 anos, sem diferenças de género. Verificou-se que 71,0% dos doentes tinha, pelo menos, um ECD pedido. Dos ECD constavam análises sanguíneas (54,0%), hemoculturas (17,0%), radiografias (19,0%), ecografias (8,0%) ou tomografia axial computorizada (2,0%). Foram prescritos: nebulizações (76,0%), antibioterapia (74,0%, sendo 44,6% de largo espectro), heparina de baixo peso molecular (71,0%), analgésicos não opióides (53,0%), entre outros. Em 28,0% dos casos não havia qualquer analgesia prescrita. A taxa de prescrição de opióides foi de 19,0%. Conclusão: É urgente a necessidade de mudança de paradigma na assistência de doentes vulneráveis. A medicina não deve ter sempre um fulgor curativo, porém deve permanentemente cuidar, respeitando os valores culturais, clínicos e éticos da relação médico-doente. O internista deve nos doentes em fim de vida melhorar o seu controlo sintomático e evitar o recurso a ECD inapropriados e sem qualquer benefício acrescido para a pessoa humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Reis-Pina P. Da Filosofia do Cuidar e da Ética do Cuidado. In: Barbosa A, Reis Pina P, Tavares F, Neto IG, editores. Casos Clínicos em Cuidados Paliativos. Lisboa: Faculdade de Medicinca, Universidade de Lisboa; 2015.p. 239-51.

Gomes B, Sarmento VP, Ferreira PL, Higginson IJ. Epidemiological study of place of death in Portugal in 2010 and comparison with the preferences of the Portuguese population. Acta Med Port. 2013;26:327-34.

Sarmento VP, Higginson IJ, Ferreira PL, Gomes B. Past trends and projections of hospital deaths to inform the integration of palliative care in one ofthe most ageing countries in the world. Palliat Med. 2016;30:363-73. doi: 10.1177/0269216315594974.

Murtagh FE, Bausewein C, Verne J, Groeneveld EI, Kaloki YE, Higginson IJ. How many people need palliative care? A study developing and comparing methods for population-based estimates. Palliat Med. 2014;28:49- 58. doi: 10.1177/0269216313489367.

Maja de Brito SB, Sapeta P, Simões C, Gomes B. Ficha técnica para os perfis regionais de cuidados paliativos do Observatório Português dos Cuidados Paliativos. Lisboa: Observatório Português dos Cuidados Paliativos; 2016.

Associação Portuguesa De Cuidados Paliativos. Cuidados paliativos: o que são? [cited 2017 30.07.2017]; Available from: http://www.apcp.com. pt/cuidados-paliativos/o-que-sao.html.

Código Deontológico da Ordem dos Médicos. Regulamento n.º 14/2009, Diário da República, 2.ª série - N.º 8 - 13 de janeiro de 2009.

Carneiro R, Freire E, Alves J, Rocha N. Gestos e atitudes em medicina centrada no doente num Serviço de Medicina Interna. Acta Med Port 2010;23:1035-42.

Pulido I, Baptista I, Brito M, Matias T. Como morrem os doentes numa enfermaria de Medicina Interna. Med Interna 2010;17:222-6.

Furuno JP, Noble BN, Horne KN, McGregor JC, Elman MR, Bearden DT, et al. Frequency of outpatient antibiotic prescription on discharge to hospice care. Antimicrob Agents Chemother. 2014;58:5473-7. doi: 10.1128/ AAC.02873-14.

Burns JP, Truog RD. Futility. Chest. 2007;132:1987-93. doi: 10.1378/ chest.07-1441.

Bailey FA, Burgio KL, Woodby LL, Williams BR et al. Improving Processes of Hospital Care during last hours of life. Arch Intern Med. 2005;165:1722-7.

Monteiro PH, da Silva MJ, Fraga M, Mota C, Suarez A, Ponte C, et al. Necessidade de cuidados paliativos num Serviço de Medicina Interna. Med Interna 2013;20:7-20.

Albrecht JS, McGregor JC, Fromme EK, Bearden DT, Furuno JP. 2013. A nationwide analysis of antibiotic use in hospice care in the final week of life. J. Pain Symptom Manage. 46:483– 490. http://dx.doi.org/10.1016/j. jpainsymman.2012.09.010

Mitchell SL, Shaffer ML, Loeb MB, Givens JL, Habtemariam D, Kiely DK, et al. Infection Management and Multidrug-Resistant Organisms in Nursing Home Residents With Advanced Dementia. JAMA Intern Med. 2014;174:1660-7. doi: 10.1001/jamainternmed.2014.3918.

Juthani-Mehta M, Malani PN, Mitchell SL.. Antimicrobials at the end of life an opportunity to improve palliative care and infection management. JAMA. 2015;314:2017-8. doi: 10.1001/jama.2015.13080.

Toscani F, Di Giulio P, Brunelli C, Miccinesi G, Laquintana D; End-of-Life Observatory Group. How people die in hospital general wards: a descriptive study. J Pain Symptom Manage. 2005;30:33-40.

Ribeiro AS. Controlo de sintomas em cuidados paliativos num serviço de medicina interna.[Dissertação de Mestrado]. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa; 2012.

Silva MJ. Cuidados paliativos: caracterização assistencial e identificação de necessidades num serviço de medicina interna. [Dissertação de Mestrado]. Lisboa: Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa; 2011.

Murray SA, Boyd K, Sheikh A. Palliative care in chronic illness. BMJ. 2005; 611-2.

Carneiro R, Sousa E, Guerreiro T, Rocha N. Qualidade e satisfação com a prestação de cuidados na patologia avançada em Medicina Interna. Arq Med. 2009, 23:95-101.

Henk Verloo EKM, Maria Ferreira, Charles-Henri Rapin and Philippe Chastonay. Morphinofobia: the situation among the general population and health care professionals in North-Eastern Portugal. BMC Palliat Care. 2010;9:15. doi: 10.1186/1472-684X-9-15.

Lanken PN, Terry PB, Delisser HM, Fahy BF, Hansen-Flaschen J, Heffner JE,et al. An official American Thoracic Society clinical policy statement: palliative care for patients with respiratory diseases and critical illnesses. Am J Respir Crit Care Med. 2008;177:912-27.

Mahler DA. Opioids for refractory dyspnea. Expert Rev Respir Med. 2013;7:123-34. doi: 10.1586/ers.13.5.

Lindqvist O, Lundquist G, Dickman A, Bükki J, Lunder U, Hagelin CL, et al. Four essential drugs needed for quality care of the dying: a Delphi-study based international expert consensus opinion. J Palliat Med. 2013;16:38-43. doi: 10.1089/jpm.2012.0205.

Alves FI. Cuidar o doente terminal em Serviço de Medicina Interna: um olhar fenomenológico sobre as experiências dos enfermeiros. [ Dissertação de Mestrado]. Porto: Faculdade de Medicina da Universidade do Porto; 2012.

Beckstrand RL, Callister LC, Kirchhoff KT. Providing a “good death”: critical care nurse’ suggestions for improving end-of-life care. Am J Crit Care. 2006 15: 38-45..

Beernaert K, Smets T, Cohen J, Verhofstede R, Costantini M, Eecloo K, et al. Improving comfort around dying in elderly people: a cluster randomised controlled trial. Lancet. 2017 8;390:125-134. doi: 10.1016/ S0140-6736(17)31265-5.

Sigurdardottir K, Haugen D. Prevalence of distressing symptoms inhospitalised patients on medical wards: a cross sectional study. BMC Palliat Care. 2008; 23:7-16. doi: 10.1186/1472-684X-7-16.

Gott CM, Ahmedzal SH, Wood C. How many inpatients in an acute hospital have palliative care needs? Comparing the perspectives of medical and nursing staff. Palliat Med. 2001;15:451-60. doi: 10.1191/026921601682553932.

Riechelmann RP, Krzyzanowska MK, Zimmermann C. Futile medication use in terminally ill cancer patients. Support Care Cancer.2009;17:745-8. doi: 10.1007/s00520-008-0541-y.

Adeline Tan AS, Gerald Chua, Tow Keang Lim and Jason Phua. Impact of a palliative care initiative on end-of-life care in the general wards: A before-and-after study. Palliat Med. 2014; 28 34–41. doi: 10.1177/0269216313484379.

Downloads

Publicado

01-04-2022

Como Citar

1.
Machado S, Reis-Pina P, Mota Ângela, Marques R. Morrer num Serviço De Medicina Interna: As Últimas Horas de Vida. RPMI [Internet]. 1 de Abril de 2022 [citado 17 de Agosto de 2022];25(4):286-92. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/538

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>