Unidade de Cuidados Agudos Diferenciados: Um Ano de Atividade

Autores

  • Rita Pedroso de Lima Serviço de Medicina Interna, Centro Hospitalar Cova da Beira, Covilhã, Portugal
  • Luís Serviço de Medicina Interna, Centro Hospitalar Cova da Beira, Covilhã, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.561

Palavras-chave:

Portugal, Hospitalização, Unidade de Cuidados Intensivos, Unidades Hospitalares.

Resumo

ntrodução: A Unidade de Cuidados Agudos Diferenciados do Centro Hospitalar Cova da Beira foi criada em Agosto de 2013, com o objectivo de funcionar como unidade de internamento com capacidade de prestação de cuidados correspondentes ao nível II de cuidados intensivos.
Métodos: Estudo retrospectivo e observacional de carácter descritivo que se focou sobre os doentes tratados na Unida-de de Cuidados Agudos Diferenciados do Centro Hospitalar Cova da Beira durante o seu primeiro ano de funcionamento (desde Setembro de 2013 a Setembro de 2014). Sobre cada episódio de internamento foi recolhida informação acerca da demografia; comorbilidades dos doentes tratados; circuitos de encaminhamento; motivos de internamento; taxas de utilização de meios avançados de monitorização e suportes hemodinâ-mico e ventilatório; resultados de mortalidade, demora média e destinos de alta.
Resultados: Os doentes internados nesta unidade pertencem a faixas etárias mais altas, sendo que a idade média é de 73 anos. O tempo médio de internamento foi de apenas 2 dias, sendo que a taxa de ocupação da unidade rondou os 88%. O principal motivo de internamento foram as patologias do apa-relho respiratório, seguidas das doenças cardiovasculares. A maioria dos doentes apresentava como diagnósticos secundá-rios patologias do aparelho cardiovascular, doenças das glân-dulas endócrinas, da nutrição, do metabolismo e transtornos imunitários e patologias do aparelho respiratório. Dos diversos procedimentos realizados, destaca-se o uso de antibioterapia endovenosa e a oxigenoterapia.
Conclusões: A criação desta unidade veio reforçar a necessi-dade crescente de integrar os diferentes níveis de cuidados dentro da estrutura hospitalar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Natário A, Almeida L, Pires C, Meirinho M, Proença MJ, Trigo C, et al. Cui-dados Intensivos - Recomendações para o seu desenvolvimento. Lisboa: Direcção-Geral da Saúde; 2003

Prin M, Wunsch H. The role of stepdown beds in hospital care. Am J Respir Crit Care Med. 2014; 190:1210-16

Capuzzo M, Volta C, Tassinati T, Moreno R, Valentin A, Guidet B, et al. Hospital mortality of adults admitted to Intensive Care Units in hospitals with and without Intermediate Care Units: a multicentre European cohort study. Crit Care. 2014;18:551

Eddleston J, Goldhill D, Morris J. Levels of Critical Care for Adult Patients, Intensive Care Society Standards.London: Intensive Care Society; 2009 [accessed 2015 Sept]. Available from:www.ics.ac.uk/ics-homepage/gui-delines-and-standards/

Vincent JL, Rubenfeld GD. Does intermediate care improve patient out-comes or reduce costs? Crit Care. 2015;19:89

Porath A, Reuveni H, Grinberg G, Lieberman D. The intermediate care unit as a cost-effective option for the treatment of medical patientsin criti-cal condition. Isr J Med Sci. 1995; 31: 674-80

Nóbrega S, Santos D, Silva AS, Henriques T, Brazão ML. Experiência de Unidade de Cuidados Intermédios Médicos – 2005-2014. Med Interna. 2015; 22:203-08

Downloads

Publicado

30-03-2017

Como Citar

1.
Pedroso de Lima R, Branco V. Unidade de Cuidados Agudos Diferenciados: Um Ano de Atividade. RPMI [Internet]. 30 de Março de 2017 [citado 4 de Julho de 2022];24(1):13-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/561

Edição

Secção

Artigos Originais