Doença de Hodgkin apresentando-se como síndrome febril indeterminado

Autores

  • Vitor Branco Serviço de Medicina III, Serviço de Medicina Intensiva e Serviço de Anatomia Patológica dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Maria João Salvador Serviço de Medicina III, Serviço de Medicina Intensiva e Serviço de Anatomia Patológica dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Mário Rui Silva Serviço de Medicina III, Serviço de Medicina Intensiva e Serviço de Anatomia Patológica dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Paulo Martins Serviço de Medicina III, Serviço de Medicina Intensiva e Serviço de Anatomia Patológica dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Armando Carvalho Serviço de Medicina III, Serviço de Medicina Intensiva e Serviço de Anatomia Patológica dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Eurico Almiro Serviço de Medicina III, Serviço de Medicina Intensiva e Serviço de Anatomia Patológica dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Armando Porto Serviço de Medicina III, Serviço de Medicina Intensiva e Serviço de Anatomia Patológica dos Hospitais da Universidade de Coimbra

Palavras-chave:

caso clínico, doença de Hod­gkin, depleção linfóide, manifestações clíni­cas, síndrome febril indeterminado

Resumo

Na doença de Hodgkin, a extensão anatómi­ca da doença e o subtipo histológico são os factores mais determinantes das formas de apresentação. Frequentemente, as manifesta­ções clínicas e laboratoriais são pouco espe­cíficas e é dificil formular uma suspeita de diagnóstico. Descreve-se um caso clínico de doença de Hodgkin abdominal, variante de depleção linfóide, que se apresentou inicialmente como um síndrome febril indetermina­ do, seguido de sucessivas anomalias clínicas e laboratoriais que, apesar da sua gravida­de, não foram suficientemente específicas para conduzir rapidamente ao diagnóstico. Discu­tem-se algumas das formas de apresentação menos frequentes da doença de Hodgkin, re­alçando-se a importância de se estar alerta para as manifestações menos típicas desta do­ença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Hoffhrand AV. Pettit JE. Essential Haematology. Oxford: Blackwell Scientific Publications. 1993:251-271.

Freedman AS, Nadler LM. Malignant Lymphomas. ln: Isselbacher KJ. Barunwald E. Wilson JD. Martin JB. Fauci AS. Kasper DL. eds. Harrison's Principles of Internal medicine. International Edition: McGraw-Hill. 1994:1774-1787.

Colhy TV. Hoppe RT, Wamcke RA. Hodgkin's Disease: A clinicopathologic study of 659 cases. Cancer 1981;49:1848-1858.

Homing SJ, Malignant Lymphomas. ln: Rubenstein E. Federman DD. eds. Scientific American Medicine. New­ York: Scientific American. 1988:12:XI.

Portlock CS, Hodgkin's Disease. Med Clin N Am 1984;68:3:729-739.

Homing SJ, Hodgkin's Disease. ln: Kelly WN. ed. Text­ book of Internal Medicine. Philadelphia: Lippincott-Ra­ven 1997:1392-1395.

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-1998

Como Citar

1.
Branco V, Salvador MJ, Silva MR, Martins P, Carvalho A, Almiro E, Porto A. Doença de Hodgkin apresentando-se como síndrome febril indeterminado . RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 1998 [citado 19 de Junho de 2024];5(4):251-6. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2160

Edição

Secção

Casos Clínicos

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>