Intoxicação por Paraquat – experiência de 18 anos de um Serviço de Medicina

Autores

  • Marco Simões Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Patrícia Alves Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Hélder Esperto Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Catarina Canha Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Elisa Meira Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Érica Ferreira Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Manuel Gomes Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • José Manuel Nascimento Costa Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra

Palavras-chave:

Paraquat, Intoxicação, Hemocarboperfusão, Ciclofosfamida, Herbicida, Gramoxone

Resumo

ntrodução: O Paraquat é um herbicida de contacto disponível
comercialmente desde 1962. A intoxicação por Paraquat (IPQ)
é geralmente voluntária e altamente letal. A toxicidade ocorre
mediante reacções cíclicas de oxidação/redução, lesando principalmente rins e pulmões.
Objectivos, material e métodos: Caracterização da apresentação clínica, terapêutica e evolução dos doentes com IPQ
num Serviço de Medicina durante 18 anos, através da análise
retrospectiva dos processos clínicos no período de 01/01/1993
a 31/12/2010. Comparação do grupo de doentes sobreviventes
com os falecidos.
Resultados: Foram considerados 31 casos de IPQ, sem predomínio de sexo. Idade compreendida entre 13 e 80 anos, com
média de 42,4 anos (±18,7). Todas as IPQ foram voluntárias e
por via oral. Verificou-se diferença estatística entre sobreviventes
e falecidos relativamente à quantidade aproximada ingerida (22,1
mL vs 72,7 mL, p<0,0005). Relativamente ao tempo aproximado
até observação médica, houve tendência para maior atraso nos
falecidos (1,6 h vs 3,2 h, p=0,091). A leucocitose, hipocápnia,
hipoxémia, elevação da LDH, FA e TGO apresentaram correlação
estatística com a mortalidade. Não houve diferença estatística nos
diversos tratamentos efectuados, embora a hemocarboperfusão
tenha sido mais utilizada nos doentes que faleceram (53,9% vs
66,7%, p=0,471) e a corticoterapia nos sobreviventes (61,5% vs
44,4%, p=0,350). Mortalidade de 58,1% (66,7% nas primeiras
72 horas), por insuficiência respiratória e falência multiorgânica.
Ocorreu fibrose pulmonar sequelar em 38,5% dos sobreviventes.
Conclusões: A IPQ tem prognóstico muito reservado e as medidas terapêuticas actualmente existentes têm eficácia limitada.
A relação entre a paraquatémia e o tempo decorrido desde a
ingestão é o principal determinante do prognóstico. No presente
estudo a presença de dispneia, hipoxémia e hipocápnia esteve
associada a mau prognóstico. Não houve diferença significativa
com o tipo de tratamento efectuado

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Dinis-Oliveira RJ, Duarte JA, Sánchez-Navarro A, Remião F, Bastos ML, Carvalho F. Paraquat Poisonings: Mechanisms of Lung Toxicity, Clinical Features, and Treatment. Crit Ver Toxicol 2008; 38(1): 13-71.

Bullivant CM. Accidental poisoning by paraquat: Report of two cases in man. Br Med J 1966;1(5498): 1272-1273.

Almeida MI, Rato F, Dias MJ, Carvalho MC. Avaliação das Intoxicações por Paraquato em Portugal no Período de 2004 a 2006. Rev Fac Ciências da Saúde 2009; 6: 272-282.

Castro R, Prata C, Oliveira L et al. Intoxicação por Paraquato e Terapêutica com Hemocarboperfusão. Acta Med Port 2005; 18: 423-432.

Li LR, Sydenham E, Chaudhary B, You C. Glucocorticoid with cyclophosphamide for paraquat-induced lung fibrosis. Cochrane Database of Systematic Reviews 2010; 6: 1-19.

Serra A, Domingos F, Prata MM. Intoxicação por Paraquat. Act Med Port 2003; 16: 25-52.

Santos JM, Santos A, Simão A, Almiro E, Severo F, Porto A. Intoxicação pelo Paraquat - Casuística dum Serviço de Medicina Interna. Rev Port Med Interna 1996; 3(2): 74-80

Branco V, Calretas S, Simão A et al. Intoxicação pelo Paraquat - Casuística dum Serviço de Medicina Interna. Rev Port Med Interna 2001; 8(2): 71-75.

Dinis-Oliveira RJ, Pinho PG, Santos L et al. Postmortem analyses unveil the poor efficacy of decontamination, anti-inflammatory and immunosuppressive therapies in paraquat human intoxications. PLoS One 2009; 4(9): e7149.

Agarwal R, Srinivas R, Aggarwal NA, Gupta D. Immunosuppressive therapy in lung injury due to paraquat poisoning: a meta-analysis. Singapore Med J 2007; 48(11): 1000-1005.

Eddleston M, Wilks MF, Buckley NA. Prospects for treatment of paraquat-induced lung fibrosis with immunosuppressive drugs and the need for better prediction of outcome: a systematic review. Q J Med 2003; 96: 809–824.

Hong SY, Yang JO, Lee EY, Kim SH. Effect of haemoperfusion on plasma paraquat concentration in vitro and in vivo. Toxicol Ind Health 2003; 19(1): 17-23.

Afzali S, Gholyaf M. The effectiveness of combined treatment with methylprednisolone and cyclophosphamide in oral Paraquat poisoning. Arch Iranian Med 2008; 11(4): 387-391.

Lin JL, Lin-Tan DT, Chen KH et al. Improved survival in severe paraquat poisoning with repeated pulse therapy of cyclophosphamide and steroids. Intensive Care Med 2011; 37(6): 1006-1013.

Dinis-Oliveira RJ, Sousa C, Remião F et al. Full survival of paraquat-exposed rats after treatment with sodium salicylate. Free RadicBiol Med

; 42(7): 1017-1028

Ficheiros Adicionais

Publicado

29-06-2012

Como Citar

1.
Simões M, Alves P, Esperto H, Canha C, Meira E, Ferreira Érica, Gomes M, Nascimento Costa JM. Intoxicação por Paraquat – experiência de 18 anos de um Serviço de Medicina. RPMI [Internet]. 29 de Junho de 2012 [citado 18 de Abril de 2024];19(2):69-73. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1142

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)