Auditoria de oxigenoterapia em duas enfermarias de medicina

Autores

  • J. Neves Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto
  • C. Sousa Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto
  • I. Marques Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto
  • M. Barbosa Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto
  • P. Pereira Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto
  • S. Ramos Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto
  • A. Martins Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto
  • N. Rocha Serviço de Medicina Interna do Hospital de Sto. António, Centro Hospitalar do Porto

Palavras-chave:

oxigenoterapia, auditoria clínica

Resumo

A oxigenoterapia é fundamental no tratamento da Insuficiência
Respiratória Aguda. Vários trabalhos demonstraram que ainda
não é um procedimento correctamente executado. Realizamos
uma auditoria para identificar erros no procedimento e planear estratégias para oferecer os melhores cuidados.
A auditoria foi realizada no primeiro trimestre de 2008. Foram
incluídos todos os doentes com prescrição ou administração de
oxigénio. Todo o procedimento de oxigenoterapia, da prescrição
médica à transcrição e administração por enfermagem e à monitorização médica e por enfermagem, teriam de estar em acordo
com as recomendações da Guideline for emergency oxygen use
in adult patients: Summary of draft guideline da British Thoracic
Society. A administração de oxigénio durante o transporte, refeições e higiene dos doentes e o uso de humidificadores também
foram auditados.
Auditaram-se um total de 472 episódios de oxigenoterapia, correspondendo a 178 doentes. Existia prescrição médica de oxigenoterapia em 97.7% dos episódios auditados. Uma prescrição de
oxigenoterapia por “dose fixa” completa estava presente somente
em 51.2%. Apenas 51.1% dos episódios de administração de
oxigénio cumpriam rigorosamente a transcrição. A monitorização
era a mesma que a transcrita em 86.7% dos episódios.
A oxigenoterapia, apesar de ser um procedimento comum
em enfermarias de Medicina, continua a não ser praticada de
acordo com as recomendações internacionais. Existem práticas
de prescrição médica, transcrição, administração e monitorização
de oxigenoterapia a melhorar. A auditoria clínica é uma ferramenta excelente para reconhecimento e melhoria da qualidade
da oxigenoterapia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

O’Driscoll B+R, Howard LS and Davison AG “Guideline for emergency oxygen use in adult patients”, Thorax, 2008; 63 (Suppl VI): vi1-vi68.

Boyle M, Wong J. Prescribing oxygen therapy. An audit of oxygen prescribing practices on medical wards at North Shore Hospital, Auckland, New Zealand. N Z Med J 2006;119:U2080.

Albin RJ, Criner GJ, Thomas S, et al. Pattern of non-ICU inpatient supplemental oxygen utilization in a university hospital. Chest 1992;102, 1672-1675.

Wong C, Visram F, Cook D et al. Development, dissemination, implementation and evaluation of a clinical pathway for oxygen therapy. CMAJ 2000;162:29-33.

Murphy R, Mackway-Jones K, Sammy I et al. Emergency oxygen therapy for the breathless patient. Guidelines prepared by North West Oxygen Group. Emerg Med J 2001;18:421-423.

Cooper N. Acute care: Treatment with oxygen. STUDENTBMJ 2004;12:56-58.

Thomson AJ, Webb DJ, Maxwell S and Grant IS. Oxigen therapy in adult medical care. BMJ 2002: 324 1406-7.

AARC Clinical Pratice Guideline: Oxygen Therapy for adults in the acute care facility – 2002 Revision & Update. Respir Care 2002;47:717-720.

British Thoracic Society. 2007. Guideline for emergency oxygen use in adult patients: Summary of draft guideline. Accessed on the 28th of July 2007 at http://www.brit-thoracic.org.uk/draftguidelines.html

Bateman NT, Leach RM. ABC of oxygen: acute oxygen therapy. BMJ 1998;317:769-801.

Dodd ME, Kellet F, Davis A et al. Audit of oxygen prescribing before and after the introduction of a prescription chart. BMJ 2000;312:864-865.

Manual da Comissão de Controlo de Infecção do Hospital Geral de Santo António. 2003. Prevenção da infecção nosocomial. Porto.

Wilson JW, Oyen LJ, Ou NN et al. Hospital Rules-Based System: the next generation of medical informatics for patient safety. Am J Health-Syst Pharm 2005; 62: 499-505.

Colpaert K, Claus B, Somers A et al. Impact of computerized physician order entry on medication prescription errors in the intensive care unit: a controlled cross-section study. Critical Care 2006; 10: R21.

Akber F, Campbell IA. Oxygen therapy in hospitalized patients: the impact of local guidelines. J Eval Clin Pract. 2006; 12: 31-36.

Patel A, Hands G, Ward L and Davison A. An audit of a target based oxygen prescription system. ERS Annual Congress 2007. Poster

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-09-2011

Como Citar

1.
Neves J, Sousa C, Marques I, Barbosa M, Pereira P, Ramos S, Martins A, Rocha N. Auditoria de oxigenoterapia em duas enfermarias de medicina. RPMI [Internet]. 30 de Setembro de 2011 [citado 21 de Junho de 2024];18(3):129-36. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1322

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)