O momento da morte no internamento de Medicina Interna

Autores

  • Luísa Magalhães Serviço de Medicina do Hospital Geral de Santo António, Porto
  • Arlindo Guimas Serviço de Medicina do Hospital Geral de Santo António, Porto
  • Sofia Ferreira Serviço de Medicina do Hospital Geral de Santo António, Porto
  • Rosa Ribeiro Serviço de Medicina do Hospital Geral de Santo António, Porto
  • Paulo Paiva Serviço de Medicina do Hospital Geral de Santo António, Porto

Palavras-chave:

paragem cárdio-respiratória, equipas de emergência médica, decisão de não reanimar

Resumo

Introdução: A paragem cárdio-respiratória (PCR) intra-hospitalar
tem muito mau prognóstico, mas costuma preceder-se de sinais
de alarme. É fundamental que esses sinais sejam identificados e antecipada a actuação necessária.
Métodos: Avaliação retrospectiva de sinais de alarme nas 6
horas que precederam a morte, indicação de Decisão de Não
Reanimar (DNR) e atitudes tomadas nos doentes falecidos num período de 3 anos.
Resultados: Foram revistos 403 processos (taxa de mortalidade
11,4%). A mortalidade foi homogénea, ao longo da semana e do
dia. Em 291 doentes (72,2%) foram identificados sinais de alarme
nas 6 horas que antecederam a PCR, principalmente: depressão da
consciência (129 doentes), dessaturação (104) e dispneia (92). Os
médicos foram alertados em 133 desses casos e as suas atitudes
foram: reversão em 76 doentes, alívio em 67, nenhuma em 60 e
DNR em 40. Em 348 doentes (86,4%) havia indicação de DNR,
registada em 92,0% dos casos. Foi tentada a reanimação cárdio-pulmonar (RCP) em 2 doentes (0,5%) com DNR explícito e 1 (0,2%)
com DNR implícito. Em 35 doentes (8,7%) não foi tentada a RCP,
apesar de não constar no processo indicação de DNR.
Conclusões: A maioria das PCR foi precedida por sinais de
alarme, oferecendo oportunidade para intervenção. Esses sinais
foram reconhecidos primariamente por enfermeiros. A DNR estava registada na maioria dos doentes. A percentagem baixa de
doentes com indicação para manobras de RCP é um indicador da
complexidade dos doentes. Este estudo reforça a necessidade de
intervenção no reconhecimento, avaliação e decisão do doente
em pré-paragem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bedell SF, Delbanco TL, Cook EF, Epstein FH. Survival after cardiopulmonary resuscitation in the hospital. N Eng J Med 1983;309:569-576.

Schein RM, Hazday N, Pena M et al. Clinical antecedents to in-hospital cardiopulmonary arrest. Chest 1990;98:1388-1392.

Hillman KM, Bristow PJ, Chey T et al. Antecedents to hospital deaths. Internal Medicine Journal 2001;31:343-348.

Franklin C, Mathew J. Developing strategies to prevent in-hospital cardiac arrest: analyzing responses of physicians and nurses in the hours before the event. Critical Care Medicine 1994;22:244-247.

Lee A, Bishop G, Hillman KM, Daffurn K. The medical emergency team. Anaesth Intens Care 1995;23:183-186.

Bristow PJ, Hillman KM, Chey T et al. Rates of in-hospital arrests, deaths and intensive care admissions: the effect of a medical emergency team. Med J Aust 2000;173:236-240.

Buist MD, Moore GF, Bernard SA et al. Effects of a medical emergency team on reduction of incidence of and mortality from unexpected cardiac arrest in hospital: preliminary study. BMJ 2002;324:387-390.

The MERIT study investigators. Introduction of the medical emergency team (MET) system: a cluster-randomised controlled trial. Lancet 2005;365:2091-2097.

Nolan J, Soar J, Lockey A et al. Advanced Life Support. 5th Edition. Resuscitation Council (UK) 2006;2:5-6.

Paiva P, Oliveira JR, Correia JA et al. A morte num serviço de medicina interna – estudo retrospectivo dos anos 1993, 1994 e 1995. Arquivos do Hospital Geral de Santo António 1997;2(1):9-13

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-2009

Como Citar

1.
Magalhães L, Guimas A, Ferreira S, Ribeiro R, Paiva P. O momento da morte no internamento de Medicina Interna. RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 2009 [citado 21 de Junho de 2024];16(4):205-10. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1423

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)