Prevalência e Caracterização de Stroke Mimics numa Unidade de Acidentes Vasculares Cerebrais

Autores

  • Mariana Alves Serviço de Medicina IIIA, Centro Hospitalar Lisboa Norte, Hospital Pulido Valente, Lisboa, Portugal
  • Marco Narciso Serviço de Medicina IIIA, Centro Hospitalar Lisboa Norte, Hospital Pulido Valente, Lisboa, Portugal
  • Teresa Fonseca Serviço de Medicina IIIA, Centro Hospitalar Lisboa Norte, Hospital Pulido Valente, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.816

Palavras-chave:

Acidente Vascular Cerebral, Doenças Somatoformes, Doenças Vestibulares, Serviço de Urgência Hospitalar

Resumo

Introdução: Stroke mimics são doenças não vasculares que
simulam o acidente vascular cerebral (AVC). A sua prevalência
varia com a diferenciação dos clínicos, critérios de admissão
e recurso a meios complementares de diagnóstico.
Os autores pretendem caracterizar os stroke mimics numa
Unidade de AVC (UAVC), integrada num departamento de
medicina dum hospital universitário.
Material e Métodos: Estudo observacional, descritivo e retrospetivo
dos doentes admitidos numa UAVC durante 26 meses.
Considerou-se mimic quando os dados clínicos/imagiológicos
sustentavam uma causa não vascular para o défice
neurológico.
Resultados: Coorte 367 doentes, idade mediana 76 anos,
12% mimics. Os diagnósticos principais foram: doenças somatoformes,
vertigem periférica, doenças metabólicas, síncope,
Munchausen, tumores intracranianos, epilepsia e malformação
de Chiari. Os mimics eram mais novos, mais mulheres,
tinham menor défice neurológico à admissão, menos fibrilhação
auricular e doença cerebrovascular (p < 0,05). Fatores
de risco vascular não foram critério de distinção entre mimics
e AVC.
Conclusão: Contrariamente ao que se poderia pensar o internamento
de stroke mimics numa UAVC não é residual
(12%). Alguns destes casos corresponderam a patologia
grave, necessitando de intervenção urgente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Merino J, Luby M, Bneson R, Davis LA, Hsia AW, Latour LL, et al. Predictors of acute stroke mimics in 8187 patients referred to a stroke service. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2013;22:e397-03.

Vroomen P, Buddingh M, Luijckx G, De Keyser J. The incidence of stroke mimics among stroke department admissions in relation to age group. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2008; 17: 418-22.

Guillan M, Alonso-Canovas A, Gonzalez-Valcarcel J, Garcia Barragan N, Garcia Caldentey J, Hernandez-Medrano I, et al. stroke mimics treated

with thrombolysis: further evidence on safety and distinctive clinical features. Cerebrovasc Dis. 2012; 34: 115-20.

Tobin WO, Hentz JG, Bobrow BJ, Demaerschalk BM. Identification of stroke mimics in the Emergency Department setting. J Brain Dis. 2009;

: 19-22.

Nadarajan V, Perry R, Johnson J, Werring DJ. Transient Ischaemic Attacks: Mimics and chameleons. Pract Neurol.2014; 14:23-31.

Ali SF, Viswanathan A, Singhal AB, Rost NS, Forducey PG, Davis LW, et al. Partners Telestroke Network: The TeleStroke mimic (TM)-score: a

prediction rule for identifying stroke mimics evaluated in a Telestroke Network J Am Heart Assoc. 2014;23;3:e000838.

Fernandes P, Whiteley W, Hart S, Al-Shahi Salman R. Strokes: mimics and chameleons. Pract Neurol. 2013; 13:21-8.

Ferro JM, Pinto AN, Falcão I, Rodrigues G, Ferreira J, Falcão F, et al. Diagnosis of stroke by the Nonneurologist: a validation study. Stroke.

; 29: 1106-09.

Hemmen T, Meyer B, McClean T, Lyden PD. Identification of nonischemic stroke mimics among 411 code strokes at the University of California, San Diego, Stroke Center. J Stroke Cerebrovasc Dis. 2008; 1:23-5.

Stroke Unit Trailists. Organised inpatient (stroke unit) care for stroke. Cochrane Database Syst Rev 2000; 2; CD 000197.

Macedo A. Abordagem do síndrome vertiginoso. Acta Med Port 2010; 23: 95-100.

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-09-2016

Como Citar

1.
Alves M, Narciso M, Fonseca T. Prevalência e Caracterização de Stroke Mimics numa Unidade de Acidentes Vasculares Cerebrais. RPMI [Internet]. 30 de Setembro de 2016 [citado 7 de Dezembro de 2022];23(3):16-20. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/816

Edição

Secção

Artigos Originais