Malária – Estudo Retrospectivo de 12 Anos no Hospital de Braga

Autores

  • Margarida Monteiro Serviço de Medicina Interna, Hospital de Braga, Braga, Portugal
  • Ana Vilaça Serviço de Medicina Interna, Hospital de Braga, Braga, Portugal
  • Teresa Pimentel Serviço de Medicina Interna, Hospital de Braga, Braga, Portugal
  • Alexandra Estrada Serviço de Patologia Clínica, Hospital de Braga, Braga, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.957

Palavras-chave:

Antimaláricos, Estudos retrospectivos, Hospitais Gerais, Malária, Portugal, Viagem

Resumo

Introdução: A malária é a doença parasitária mais importante no Homem. Em Portugal os últimos casos endémicos foram diagnosticados em 1959 e desde então, todos os casos foram importados.
Caracterizar os casos de malária, diagnosticados num Hospital Português, entre 2002 e 2013.
Material e Métodos: Análise retrospectiva das características clínicas e epidemiológicas dos doentes com pesquisa de Plasmodium
positiva.
Resultados: Obtivemos uma amostra de 51 doentes. A idade média dos doentes era de 38 anos e 44 eram do sexo masculino.
A maioria era de nacionalidade portuguesa. O continente Africano foi a origem da infecção na maior parte dos casos, os restantes
eram provenientes de Timor e do Brasil. Em relação ao motivo da viagem, a maior parte encontrava-se no estrangeiro por motivos
profissionais. A maioria tinha antecedentes de malária e não fez profilaxia. Os sintomas mais frequentes foram a febre, cefaleias e
mialgias. Quanto a alterações analíticas, as mais frequentes foram
a elevação dos marcadores inflamatórios, trombocitopenia e alterações hepáticas. Quinze apresentaram critérios de malária grave e o Plasmodium mais frequentemente detectado foi o P. falciparum.
A maioria dos doentes necessitou de internamento hospitalar e a combinação doxiciclina e quinina foi a terapêutica mais utilizada.
Durante estes 12 anos verificou-se um óbito (taxa de mortalidade global de 2%).
Conclusão: A mudança nos destinos de emigração e as longas estadias em zonas endémicas vai certamente continuar a aumentar
o número de casos de malária. É por isso necessário melhorar os meios de diagnóstico, o tratamento e o aconselhamento pré-viagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Olser W. Malaria. In: Longo DL, Kasper DL, Jameson JL, Fauci AS, Hauser SL,Loscalzo J, editors. Harrison’s Principles of Internal Medicine. 18th ed. New YorK: McGraw-Hill; 2012. p. 3452-69.

World Health Organization. Global Malaria Programme, World Malaria Report 2013 [consultado em Outubro 2014] Disponivel em: http://www.who.int/malaria.

Checkley AM, Smith A, Smith V, Blaze M, Bradley D, Chiodini PL, et al. Risk factors for mortality from imported falciparum malaria in the United Kingdom over 20 years: an observational study. BMJ. 2012;344:e2116

European Centre for Disease Prevention and Control. Annual Epidemiological Report 2013: Reporting on 2011 surveillance data and 2012 epidemic intelligence data. Stockholm: ECDC; 2013.

European Centre for Disease Prevention and Control. Assessing the burden of key infectious diseases affecting migrant populations in the EU/EEA. Stockholm: ECDC; 2014.

Direcção Geral da Saúde. Comunicado do Director Geral da Saúde - Malária [consultado em Outubro 2014] Disponível em: http://dgs.pt

Palma dos Reis I, Serafim C, Valério B, Araújo R, Silvestre J, Mendes V, et al. Malaria grave importada em doentes criticos. Acta Med Port. 2012 ;25:271-6.

Badiaga S, Brouqui P, Carpentier JP, Hovette P, Duigou F, Manelli JC, et al. Severe imported malaria: clinical presentation at the time of hospital admission and outcome in 42 cases diagnosed from 1996 to 2002. J Emerg Med. 2005;29:375-82.

Millet JP, Garcia de Olalla P, Carrillo-Santisteve P, Gascón J, Treviño B, Muñoz J, et al. Imported malaria in a cosmopolitan European city: a mirror image of the world epidemiological situation. Malar J. 2008;7:56.

Santos LC, Abreu CF, Xerinda SM, Tavares M, Lucas R, Sarmento AC. Severe imported malaria in an intensive care unit: a review of 59 cases.

Malar J. 2012;11:96.

Ferreira S, Barbosa P. Malaria importada em Portugal – experiencia de um Hospital do Norte do Pais. Rev Port Doencas Infecciosas. 2009;5:25-30.

Severe falciparum malaria. World Health Organization, Communicable Diseases Cluster. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2000;94 Suppl 1:S1-90.

World Health Organization. Guidelines for the treatment of malaria. 2nd ed. Geneve: WHO;2010.

Relatório anual sobre o acesso a cuidados de saúde Hospital de Braga, 31 de março de 2014 [consultado em Outubro 2014] Disponível em: https://www.hospitaldebraga.pt/Section/O+Hospital/Indicadores+e+Estat%C3%ADsticas/822).

Castro L, Cardoso AI, Queirós L, Gonçalves G.Malaria na regiao norte de Portugal (1993- 2002) - Caracterizacao Epidemiologica. Acta Med Port. 2004;17:291-8.

Fonseca AG, Dias SS, Baptista JL, Torgal J. The burden of imported malaria in Portugal 2003 to 2012. J Travel Med. 2014 ;21:354-6.

Estrada H, Miranda I, Ferrão MJ. Malaria grave em cuidados intensivos. Rev Soc Port Med Interna. 2002;9:215.

Doenças de Declaração Obrigatória 2002-2006. Direcção Geral de Sáude 2007 [consutado em Outubro 2014] Disponível em: http://www.dgs.pt/upload/membro.id/ficheiros/i008987.pdf.

Doenças de Declaração Obrigatória 2004-2008. Direcção Geral de Saúde 2010 [consultado em Outubro 2014] Disponível em:

http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/1FE557EF-97D1-4C6F9C40-36529B45538C/0/DoencasDeclaracaoObrigatoria_DGS.pdf.

Direcção Geral da Saúde. Doenças de Declaração Obrigatória 2002-2006 [consultado em Outubro 2014] Disponível em: http://www.dgs.pt/

estatisticas-de-saude/estatisticas-de-saude/publicacoes/doencas-dedeclaracao-obrigatoria-2008-2012-volume-i-pdf.aspx e http://www.portaldasaude.pt/NR/rdonlyres/7ABA8F98-C26D-45D8-A45B-1AC6BC09C8DB/0/ddo.pdf.

Pires RP, Pereira C, Azevedo J, Ribeiro AC. Emigração Portuguesa: Relatório estatístico 2014, Lisboa: Observatório da Emigração e Rede Migra, Instituto Universitário de Lisboa; 2014.

Global Malaria Programme, Policy brief on malaria diagnostics in lowtransmission settings, World Health Organization September 2014[consultado em Outubro 2014] Disponível em: http://www.who.int/malaria/publications/atoz/malaria-diagnosis-low-transmission-settings-sep2014.pdf.

World Health Organization. Global Malaria Programme: Policy brief on malaria diagnostics in lowtransmission settings, September 2014 [consultado em Outubro 2014] Disponivel em: http://www.who.int/malaria/publications/atoz/who-recommendation-diagnostics-low-transmissionsettings-mar2014.pdf.

Tangpukdee N, Duangdee C, Wilairatana P, Krudsood S. Malaria diagnosis: a brief review. Korean J Parasitol. 2009;47:93-102.

Moody A. Rapid diagnostic tests for malaria parasites. Clin Microbiol Rev. 2002;15:66-78.

Wilson ML. Malaria rapid diagnostic tests. Clin Infect Dis. 2012;54:1637-41.

Askling HH, Bruneel F, Burchard G, Castelli F, Chiodini PL, Grobusch MP, et al. Management of imported malaria in Europe. Malar J. 2012;11:328.

Infarmed [consultado em Outubro 2014] Disponível em: http://www.infarmed.pt/.

Centers for Disease Control and Prevention. Treatment of Malaria:Guidelines for clinicians, 2013 [consultado em Dezembro 2014] Disponivel em: http://www.cdc.gov/malaria/resources/pdf/clinicalguidance.pdf).

Bruneel F, Tubach F, Corne P, Megarbane B, Mira J-P, et al. Severe imported falciparum malaria: A cohort Study in 400 critically Ill adults. Plos One. 2010;5:e13236.

Gjørup IE, Rønn A. Malaria in elderly nonimmune travelers. J Travel Med. 2002;9:91-3.

Mühlberger N, Jelinek T, Behrens RH, Gjørup I, Coulaud JP, Clerinx J, Puente S, et al. Age as a risk factor for severe manifestations and fatal outcome of falciparum malaria in European patients: observations from TropNetEurop and SIMPID Surveillance Data. Clin Infect Dis. 2003;36:990-5.

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-2015

Como Citar

1.
Monteiro M, Vilaça A, Pimentel T, Estrada A. Malária – Estudo Retrospectivo de 12 Anos no Hospital de Braga. RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 2015 [citado 22 de Junho de 2024];22(4):190-5. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/957

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)