Cateterização Vesical no Doente Internado: Reduzindo as Complicações Associadas ao Procedimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/O/28/20/3/2020

Palavras-chave:

Cateterismo Urinário, Infecções Relacionadas a Cateter, Infecções Urinárias/etiologia

Resumo

Introdução: Estima-se que cerca de 25% dos doentes hospitalizados são submetidos a cateterização vesical (CV) num determinado momento do internamento, embora não exista muitas vezes uma indicação formal para o procedimento. Este trabalho pretende analisar a incidência de algaliação inapropriada num Serviço de Medicina Interna, relacionando com o número de complicações associadas ao procedimento.

Métodos: Trata-se de um estudo prospetivo observacional que incluiu a consulta do processo clínico de todos os doentes submetidos a CV durante o internamento no Serviço de Medicina, num período de 3 meses. Excluíram-se os doentes algaliados cronicamente e doentes transferidos para outra instituição.

Resultados: Num total de 193 doentes submetidos a CV neste período, 124 foram algaliados inapropriadamente num determinado momento do internamento, verificando-se um total de 1651 dias de algaliação inapropriada. Registou-se hematúria traumática em 8% e retenção urinária pós-desalgaliação em 9% dos casos. Foi diagnosticada infeção associada a CV em 41 doentes (21%), sendo que em 14 doentes não havia indicação formal para algaliação.

Discussão/Conclusão: Verificou-se uma taxa de doentes submetidos a CV (47%) muito superior ao descrito em outros estudos semelhantes, bem como um período de algaliação inapropriada excessivamente prolongado. As Infeções urinárias nosocomiais constituem uma das principais complicações da algaliação, contribuindo significativamente para a mortalidade e morbilidade destes doentes, sendo essencial a implementação de protocolos que racionalizem o uso de CV nos doentes internados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Jansen IA, Hopmans TE, Wille JC, van den Broek PJ, van der Kooi TI, van Benthem BH. Appropriate use of indwelling urethra catheters in hospitalized patients: results of a multicentre prevalence study. BMC Urol. 2012;12:25. doi: 10.1186/1471-2490-12-25.

Direção Geral de Saúde. Relatório de Inquérito de Prevalência de Infeção. Programa Nacional de Prevenção e Controlo da Infeção Associada aos Cuidados de Saúde, 2010. Lisboa: DGS; 2010.

Jansen IA, Hopmans TE, Wille JC, van den Broek PJ, van der Kooi TI, van Benthem BH. Appropriate use of indwelling urethra catheters in hospitalized patients: results of a multicentre prevalence study. BMC Urol. 2012;12:25. doi: 10.1186/1471-2490-12-25

Caramujo N, Carvalho M, Caria H. Prevalência da algaliação sem indicação. Acta Med Port. 2011; 24: 517-22.

Bootsma AM, Buurman BM, Geerlings SE, de Rooij SE. Urinary incontinence and indwelling urinary catheters in acutely admitted elderly patients: relationship with mortality, institutionalization, and functional decline. J Am Med Dir Assoc. 2013;14:147.e7-12. doi:10.1016/j.jamda.2012.11.002.

Lobão MJ, Sousa P. Healthcare-acquired urinary tract infections: cohort study. Acta Med Port 2017;30:608-14.

Lo E, Nicolle LE, Coffin SE, Gould C, Maragakis LL, Meddings J, et al. Strategies to prevent catheter-associated urinary tract infections in acute care hospitals: 2014 update. Infect Control Hosp Epidemiol. 2014;35:464-79. doi: 10.1086/675718.

Chenoweth C, Saint S. Preventing catheter-associated urinary tract infections in the intensive care unit. Crit Care Clin. 2013;29:19-32. doi:10.1016/j.ccc.2012.10.005.

Gould C, Umscheid C, Agarwal RK, Kuntz G, Pegues D. Guideline for prevention of catheter-associated urinary tract infections, 2009. [accessed June 6, 2019] Available from: https://www.cdc.gov/infectioncontrol/guidelines/cauti/.

Pina E, Silva MG, Abecassis MB, Quintino R, Rebelo M, Carvoeira MN, et al. Recomendações para a prevenção da Infeção do trato urinário na algaliação de curta duração: Programa Nacional para controlo de Infeção. 2004. Lisboa: Direção Geral da Saúde; 2004.

Al-Hazmi H. Role of duration of catheterization and length of hospital stay on the rate of catheter-related hospital-acquired urinary tract infections. Res Rep Urol. 2015;7:41-7. doi:10.2147/RRU.S75419.

Hazelett SE, Tsai M, Gareri M, Allen K. The association between indwelling urinary catheter use in the elderly and urinary tract infection in acute care. BMC Geriatr. 2006;6:15. doi: 10.1186/1471-2318-6-15.

Direção Geral de Saúde. Feixe de Intervenções” de Prevenção de Infeção Urinária Associada a Cateter Vesical: Norma 019/2015 de 15/12/2015. Lisboa: DGS; 2015.

Laan BJ, Spijkerman IJ, Godfried MH, Pasmooij BC, Maaskant JM, Borgert MJ, et al. De-implementation strategy to Reduce the Inappropriate use of urinary and intravenous CATheters: study protocol for the RICAT-study. BMC Infect Dis. 2017;17:53. doi:10.1186/s12879-016-2154-2.

Meddings J, Rogers MA, Krein SL, Fakih MG, Olmsted RN, Saint S. Reducing unnecessary urinary catheter use and other strategies to prevent catheter- associated urinary tract infection: an integrative review. BMJ Qual Saf. 2014;23:277-89. doi: 10.1136/bmjqs-2012-001774.

Loeb M, Hunt D, O'Halloran K, Carusone SC, Dafoe N, Walter SD. Stop orders to reduce inappropriate urinary catheterization in hospitalized patients: a randomized controlled trial. J Gen Intern Med. 2008;23:816-20. doi: 10.1007/s11606-008-0620-2.

Chen YY, Chi MM, Chen YC, Chan YJ, Chou SS, Wang FD. Using a criteria-based reminder to reduce use of indwelling urinary catheters and decrease urinary tract infections. Am J Crit Care. 2013;22:105-14. doi: 10.4037/ajcc2013464.

Fakih MG, Watson SR, Greene MT, Kennedy EH, Olmsted RN, Krein SL, Saint S. Reducing inappropriate urinary catheter use: a statewide effort. Arch Intern Med. 2012;172:255-60. doi: 10.1001/archinternmed.2011.627.

Downloads

Publicado

30-09-2021

Como Citar

1.
Félix Brigas D, Madeira M, Abrantes C, Santos F, Mendes G, Neves Marques S, Pedroso E. Cateterização Vesical no Doente Internado: Reduzindo as Complicações Associadas ao Procedimento. RPMI [Internet]. 30 de Setembro de 2021 [citado 6 de Julho de 2022];27(3):213-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/117

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)