Surtos epidémicos ocorridos em Portugal na primeira metade do século XX: abordagem histórico-epidemiológica. I – Peste bubónica

Autores

  • J. A. David de Morais Chefe de Clínica de Medicina Interna do Hospital do Espírito Santo de Évora (aposentado)

Palavras-chave:

epidemias em Portugal, século XX, peste bubónica, Açores

Resumo

No contexto de uma investigação retrospectiva sobre os vários
surtos epidémicos ocorridos em Portugal na primeira metade
do século XX (peste bubónica, tifo epidémico, varíola e gripe
pneumónica), o autor analisa neste trabalho a problemática da peste bubónica.
As estatísticas oficiais disponibilizam dados sobre a peste
tão-só para o período de 1930-1949, lapso de tempo durante
o qual esta entidade nosológica persistiu apenas nos Açores,
que constituirá o objecto deste estudo. Naquele território insular
verificaram-se surtos epidémicos em 1931 e 1932, entrando-se depois numa fase endémica, e cessando os óbitos por peste em 1950.
O autor analisa a ocorrência de peste bubónica nos Açores
abordando os seguintes parâmetros: evolução da epidemia ao
longo dos anos, repartição dos óbitos por sexos, por grupos
etários, por meses do ano e por distritos atingidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Correia FS. Portugal Sanitário. Lisboa: Direcção Geral de Saúde Publica, 1938.

David de Morais JA. Tifo epidémico em Portugal: um contributo para o seu conhecimento histórico e epidemiológico. Medicina Interna; 2008; 15 (4): 291-307 (este artigo anula o anterior – Medicina Interna; 2008; 15 (3): 214-230 – que continha várias gralhas).

David de Morais JA. Surtos epidémicos ocorridos em Portugal na primeira metade do século XX: abordagem histórico-epidemiológica. II – Varíola (trabalho enviado para publicação em “Medicina Interna”).

David de Morais JA. Surtos epidémicos ocorridos em Portugal na primeira metade do século XX: abordagem histórico-epidemiológica. III – Gripe pneumónica (trabalho enviado para publicação em “Medicina Interna”).

Tabelas Preliminares do Movimento Physiologico da População do Reino de Portugal, Annos de 1902, 1903 e 1904, tomo 1. Lisboa: Inspecção Geral dos Serviços Sanitários, Secção de Demografia e Estatística, 1906.

Anuário Estatístico de Portugal, 1903, vol. 1. Lisboa: Ministério da Fazenda, Direcção Geral de Estatística e dos Próprios Nacionais, 1907.

Anuário Estatístico de Portugal, 1906 e 1907, vol. 1. Lisboa: Ministério das Finanças, Direcção Geral de Estatística, 1913.

Tabelas do Movimento Fisiológico da População de Portugal, Decénio de 1901-1910. Lisboa: Arquivos do Instituto Central de Higiene, Secção de Demografia e Estatística, 1916.

Estatística do Movimento Fisiológico da População de Portugal, anos de 1913 a 1920. Lisboa: Arquivos do Instituto Central de Higiene, Secção de Demografia e Estatística, 1920 a 1926.

Estatística do Movimento Fisiológico da População de Portugal, anos de 1921 a 1925. Lisboa: Direcção Geral de Saúde, Inspecção de Demografia e Estatística, 1927 a 1929.

Anuário Estatístico de Portugal, anos de 1929 a 1934. Lisboa: Direcção Geral de Estatística, 1930 a 1935.

Anuário Demográfico, anos de 1929 a 1934. Lisboa: Direcção Geral de estatística. Lisboa, 1930 a 1936.

Anuário Estatístico de Portugal, anos de 1935 a 1945. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 1936 a 1946.

Anuário Demográfico, anos de 1935 a 1952. Lisboa: Instituto Nacional de Estatística, 1936 a 1953.

Lacaine F. Les statistiques dans les articles médicaux: lecture critique. Revue Praticien 1983; 33 (21): 1107-1111.

David H. A mortalidade no Porto em finais do século XIX. Revista da Faculdade de Letras (Porto) 1992; 9: 269-294.

Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, vols 1 e 21. Lisboa: Editorial Enciclopédia, s. d.

Bray RS. Plague. In: Cox, FEG, edit. Illustrated History of Tropical Diseases. London: The Wellcome Trust, 1996: 40-49.

Boccaccio G. Decameron. Lisboa: Círculo de Leitores, 1972.

Ricardo-Jorge. Les anciennes épidémies de peste en Europe, comparées aux épidémies modernes. Lisboa: Imprensa Nacional, 1932.

Roque MC. As Pestes Medievais Europeias e o “Regimento Proueytoso Contra ha Pestenença”. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian, 1979.

Gonçalves IV. Consequências demográficas da Peste Negra. Bracara Augusta 1963; 14-15 (1-2): 214-220.

Manoel dos Santos Fr. Historia Sebastica. Lisboa Occidental: Officina de Antonio Pedrozo Galram, 1735.

Aquilino-Ribeiro. Príncipes de Portugal. Suas Grandezas e Misérias. Lisboa: Portugália, 2008.

David-Peyre Y. La peste et le mal vénérien dans la littérature portugaise du XVIe et du XVIIe siècles – I. Paris: Fundação Calouste Gulbenkian, 1969.

Ricardo-Jorge. A Peste bubónica no Porto – 1899. Seu Descobrimento – Primeiros Trabalhos. Porto: Repartição de Saúde e Hygiene da Camara do Porto, 1899.

Nicolau de Bettencourt. Medicina Contemporânea 1926; 28 (II série, nº 21): 161-162.

Nemésio V. Mau Tempo no Canal. Lisboa: Relógio D’Água, 2008.

Janz GJ. Peste. Lisboa: Cadeira de Epidemiologia Tropical, Escola Nacional de Saúde Pública e de Medicina Tropical, 1970/71 (policopiado).

Medicina Contemporânea, 7 de Fevereiro de 1909: 44.

Bowles J, McManus DP. Molecular characterisation of Echinococcus. Archivos de la Hidatidosis (XV Extraordinary Congress for the Celebration of the 50 Years of A.I.H., Rome) 1991; 30: 55-63.

David de Morais JA. Hidatidose humana. Estudo clínico-epidemiológico no distrito de Évora durante um quarto de século. Acta Médica Portuguesa 2007; 20 (1): 1-10 (publicação on-line).

Gonçalves-Ferreira FA. Moderna Saúde Pública. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1976.

Açoriano Oriental (on-line), 13 de Dezembro de 2009 e 21 de Fevereiro de 2010: www.acorianooriental.pt/noticias/view/197764 e www.acorianooriental.pt/noticias/view/178418 (consultado em de 2009/12/13 e 2010/02/21, respectivamente).

Perry RD, Fetherston JD. Yersinia pestis - Etiologic Agent of Plague. Clinical Microbiology Reviews, 1997; 10 (1): 35–66.

Vieira ML, Gama-Simões MJ, Collares-Pereira M. Human leptospirosis in Portugal: a retrospective study of eighteen years. International Journal Infectious Diseases 2006; 10: 378-386.

David de Morais JA. Zoonoses emergentes em Portugal: epidemiologia e clínica. Rev Portuguesa Doenças Infecciosas 2009; 5 (3): 95-114.

Collares-Pereira M, Mathias ML, Soares S, Bacellar F et al. Agentes zoonóticos associados aos pequenos mamíferos silvestres no Arquipélago dos Açores. Açoreana 1997; 8 (3): 339-357.

Signoli M, Carniel E, Dutour O. La peste: aspects épidémiologiques actuels et passés: 69-79. In: Bizot B et al. La Saison d’une Peste (Avril-Septembre 1590). Le Cimetière des Fédons à Lambesc (Bouches-du-Rhône). Paris : CNRS Editions, 2005.

Bevins SN, Tracey JA, Franklin SP et al. Wild felids as hosts for human plague, Western United States. Emerging Infectious Diseases 2009; 15 (12): 2021-2024.

Galimand M, Carniel E, Courvalin P. Resistance of Yersinia pestis to antimicrobial agents. Antimicrob Chemother 2006; 50: 3233-323

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-12-2011

Como Citar

1.
David de Morais JA. Surtos epidémicos ocorridos em Portugal na primeira metade do século XX: abordagem histórico-epidemiológica. I – Peste bubónica. RPMI [Internet]. 30 de Dezembro de 2011 [citado 17 de Julho de 2024];18(4):259-66. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1349

Edição

Secção

História da Medicina