Anemia Hemolítica num Serviço de Medicina Interna: Caracterização da População

Autores

  • Luísa Brites Serviço de Reumatologia; Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra; Coimbra; Portugal
  • Mariana Gonçalves Serviço de Medicina Interna Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra; Coimbra; Portugal
  • Tatiana Gonçalves Serviço de Medicina Interna Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra; Coimbra; Portugal
  • Elsa Gaspar Serviço de Medicina Interna Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra; Coimbra; Portugal
  • Lèlita Santos Serviço de Medicina Interna Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra; Coimbra; Portugal
  • Armando Carvalho Serviço de Medicina Interna Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra; Coimbra; Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi/original/223/2/2018

Palavras-chave:

Anemia Hemolítica, Departamentos Hospitalares, Hemólise, Medicina Interna, Portugal

Resumo

Introdução: A anemia hemolítica representa 5% de todas
as anemias e caracteriza-se por uma redução do tempo
de vida dos glóbulos vermelhos (GV). A destruição dos GV
pode resultar de fenómenos hemolíticos intravasculares ou
extravasculares, sendo os últimos mais frequentemente associados a fenómenos autoimunes, toxicidade a químicos/
fármacos, infeções, hiperesplenismo e destruição mecânica.
O objetivo do estudo foi descrever as características demográficas, as principais causas e as particularidades clínicas dos doentes com anemia hemolítica extrínseca.
Métodos: Estudo retrospetivo de Janeiro 2010 a Dezembro
2014 dos doentes com anemia hemolítica internados num
Serviço de Medicina Interna de um Hospital Central. Foram
avaliados marcadores laboratoriais de hemólise.
Resultados: Foram incluídos 22 doentes com uma média de
idade de 67,6 (± 17,9 anos); 54,5% do sexo masculino. Cerca de 81,8% obtiveram teste antiglobulina direto positivo e
os restantes negativos. Dos doentes com anemia hemolítica
auto-imune, 61,1% estavam associados a infeções. À data
do diagnóstico, o valor médio de Hb foi de 7,5 g/dL, necessitando, em média, de 9,8 dias para atingir valores superiores a 9 g/dL. Quanto ao tratamento, 36,4% dos doentes
realizaram corticoterapia, 22,7% corticoterapia em associação com transfusão de glóbulos vermelhors e 13,6% apenas
transfusão, além do tratamento dirigido à causa subjacente.
Taxa de mortalidade de 9%.
Conclusão: A anemia hemolítica pode resultar de múltiplas
causas, sendo a maioria resultante de processos infecciosos.
A abordagem diagnóstica e terapêutica do quadro hemolítico
depende da causa subjacente, daí a importância da sua identificação. A taxa de mortalidade é baixa e o prognóstico depende
da causa subjacente mas o risco aumenta em doentes idosos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Schick P. Hemolytic Anemia Treatment & Management [Internet]. Medscape. [consultado em Fevereiro 2016] Disponível em: http://emedicine.medscape. com/article/201066-treatment

Stanley LS. Diagnosis of hemolytic anemia in the adult [Internet]. UpToDate.. [consultado em Fevereiro 2016] Disponível em:: http://www.uptodate.com/ contents/diagnosis-of-hemolytic-anemia-in-the-adult

Murahovschi AC, Costa A. Anemia Hemolitica Autoimune. Lisboa: Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas; 2013.

Zanella A, Barcellini W. Treatment of autoimmune hemolytic anemias. 2014;99:1547–54.

Berentsen S. Role of complement in autoimmune hemolytic anemia. Transfusion Medicine and Hemotherapy. 2015;42:303–10.

Zeerleder S. Autoimmune haemolytic anaemia – a practical guide to cope with a diagnostic and therapeutic challenge. Neth J Med. 2011;69:179–84.

Packman CH. The clinical pictures of autoimmune hemolytic anemia. Transfus Med Hemother. 2015;42:317–24.

Luzzatto L. Anemias Hemolíticas e causadas por perda sanguínea aguda. In: Jameson L, Kasper D, Hauser S, Longo D, eitors. Harrison principles of internal medicine. 18th ed. New York: McGrill-Hill; 2013. p. 872–4.

Autoimmune Hemolytic Anemia. In: Hospital Physician Hematology Board Review Manual. Waine: Turner White Communications; 2013. p. 2–4.

Park S. Diagnosis and treatment of autoimmune hemolytic anemia: classic approach and recent advances. Blood Res. 2016;51:69–71.

Barcellini W, Fattizzo B. Clinical applications of hemolytic markers in the differential diagnosis and management of hemolytic anemia. Dis Markers. 2015;2015:635670.

Lechner K, Jager U. How I treat autoimmune hemolytic anemias in adults. Blood J. 2010;116:1831–8.

Downloads

Publicado

13-06-2018

Como Citar

1.
Brites L, Gonçalves M, Gonçalves T, Gaspar E, Santos L, Carvalho A. Anemia Hemolítica num Serviço de Medicina Interna: Caracterização da População. RPMI [Internet]. 13 de Junho de 2018 [citado 4 de Julho de 2022];25(2):91-4. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/446

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)