Terapêutica da hipercalcemia em neoplasias sólidas - Análise retrospectiva num serviço de Medicina Interna

Autores

  • Maria José Grade Interno do Internato Complementar de Medicina Interna, Serviço de Medicina li dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Francisco Parente Assistente Hospitalar de Medicina Interna Serviço de Medicina li dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Borges Alexandrino Assistente Graduado de Medicina Interna, Serviço de Medicina li dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Políbio Serra e Silva Director de Serviço Serviço de Medicina li dos Hospitais da Universidade de Coimbra

Palavras-chave:

terapêutica da hipercalcemia, neoplasias sólidas

Resumo

Os autores apresentam um estudo retrospecti­vo da terapêutica da hipercalcemia em doentes com neoplasias sólidas, internados no Serviço de Medicina II dos HUC. Foram estudados 171 do­entes, dos quais 45 (26,3%) tinham hipercalcemia (cálcio sérico:::,_ 10,4 mgld após correccão para a albuminemia). Nestes, analisaram as terapêuticas utilizadas, critérios de opção ( níveis de calcemia, sintomatologia, metastização óssea), resposta ob­tida e relação com a terapêutica de base.

Destacam os seguintes factos: A) As terapêuticas utilizadas foram: hidratação isolada (n=27) ou associada a fármacos (n = 18), incluindo sempre furosemido, (corticosteróides ( n=6), calcitonina (n=9), bifosfonatos (n=12)}. B) Efectuaram associ­ acões terapêuticas todos os 10 doentes com hiper­ calcemia grave (:::,_ 13 mg/dl) e apenas 6 dos 29 com hipercalcemia ligeira(:::,_ 10,4 - 11,5 mg/dl). Nos 14 doentes com sintomas graves, atribuíveis à hiper­ calcemia, os fármacos foram utilizados apenas em 7. Na metastização óssea documentada (n = 15) predominou o uso de calcitonina ou bifosfonatos. C) Nos doentes sujeitos a terapêutica, houve con­trolo temporário das calcemias, sendo esta mais relevante quando associados vários fármacos. A regressão da sintomatologia foi mais significativa no grupo que efectuou bifosfonatos. Em um terço dos pacientes que efectuaram bifosfonatos ou cal­ citonina houve melhoria da D) A mortalidade no internamento e a demora média foram cerca do dobro da do total dos internados.

Conclusões: 1) Prevalência significativa deste dis­ túrbio metabólico (26%) nas neoplasias sólidas. 2) A hipercalcemia foi valorizada, sendo utilizadas medidas terapêuticas para além da hidratação em 40% dos doentes. 3) A opção terapêutica foi mais baseada nos níveis de calcemia do que nos sinto­mas, e a metastização óssea influenciou o uso de calcitonina e bifosfonatos. 4) A melhoria sintomá­ tica num número significativo de pacientes e o con­ trolo temporário dos níveis de cálcio são factores que podem melhorar a qualidade de vida destes doentes, compensando-os até serem adoptadas medidas de base, o que aconteceu num terço dos casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Warrel R. Hockman R. Metaholic Emergencies. ln: De Vitta. Can­cer Principles & Practice of Oncology. 3a ed. Philadelphia: Lippincot. 1989:1986-1988.

Gaich G. Burtis WJ. The diagnosis and treatment of malignancy associated hypercalcemia. The Endocrinologist 1991: 1(6): 371-

Mundy G R. Hypercalcemia associated with Hematologic malig­nancies. ln: Calcium Homeostasis - Hypercalcemia and Hypocalcemia. London. Martin Dunitz.1989: 92-107.

Nussbaum SR. Pathophysiology and management of severe hyper­calcemia. Endocrinol Metab North Am 1993: 22(2): 343-362.

Mundy GR. Malignancy and hypercalcemia - humoral hiypercal­cemia. ln: Calcium Homeostasis - Hypercalcemia anel Hypo­calcemia. London. Martin Dunitz. 1989: 64-91.

Muncly GR. Clinical features and differencial diagnosis of hyper­calcemia ln: Calcium Homeostasis - Hypercalcemia and Hypocalcemia. London. Martin Dunitz. 1989: 51-63.

Hall TG. Schaff RA. Update on the medical treatment of malig­nancy. Clin Pharm 1993:12(2): 117-125.

Fleisch H. Bisphosphonates in bone disease. Berne: Herbert Fleis­ch. 1993

Ralston SH. Medical management of hypocalcemia. Br J Clin Pharmacol 1992: 34(1): 11-20.

Mundy GR. Treatment of hypercalcemia due to malignancy. ln: Calcium Homeostasis - Hypercalcemia anel Hypocalcemia. London. Martin Dunitz. 1989: 108-126.

Attie M. Treatment of hypercalcemia. Endocrinol Metab forth Am 1989:18(3): 807-828.

Kristensen B. Eleistsen B. Halmegaard S:--J. Transbal 1. Monidsen H. Prednisolone in the treatment of severe malignant hyper­ calcemia in metastatic breast cancer: a randomised study. J Int Med 1992: 232 (3) 237-245.

Grade MJ. Parente F. Ferraz A. lon L. Nina E. Alexandrino H. Silva PS. Calcemias em neoplasias sólidas. Arq Med 1993: 7(6): 380-383.

Kanis J, McCloskey E. The use of clodronate in disorders of cal­cium metabolism. Prog Basic Clin Pharmacol, Basel. Karger. vol 4. 1990 : 86 -136.

Ficheiros Adicionais

Publicado

29-09-1995

Como Citar

1.
Grade MJ, Parente F, Alexandrino B, Serra e Silva P. Terapêutica da hipercalcemia em neoplasias sólidas - Análise retrospectiva num serviço de Medicina Interna. RPMI [Internet]. 29 de Setembro de 1995 [citado 1 de Março de 2024];2(3):152-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2392

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>