O doente terminal - Aspectos Práticos

Autores

  • Pereira de Moura Assistente Hospitalar Eventual de Medicina Interna, Serviços de Medicina II dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Sílvia Lopes Assistente Hospitalar Eventual de Medicina Interna, Serviços de Medicina II dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Armindo Simões Assistente Hospitalar de Medicina Interna, Serviços de Medicina II dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Alberto Lourenço Assistente Hospitalar de Medicina Interna, Serviços de Medicina II dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Políbio Serra e Silva Director dos Serviços de Medicina II dos H.U.C e Professor da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra

Palavras-chave:

doente terminal, aspectos práti­cos

Resumo

Os autores procuram, no presente artigo, real­çar alguns dos aspectos que consideram essenci­ais no acompanhamento do doente terminal. Assim, depois de se debruçarem sobre a necessidade de uma equipa multidisciplinar para apoiar este tipo de doentes, passam em revista alguns dos princi­pais problemas que afligem o doente terminal as­sim como as armas terapêuticas disponíveis. Da dispneia à anorexia, da anemia às infecções, da incontinência urinária ao grave problema das es­ caras de decúbito, os autores propõem algumas terapêuticas que consideram úteis para quem de perto lida com estes doentes. Por último, é dada particular ênfase à dor, particularmente à dor on­cológica, e à necessidade de a debelar com os mei­os médicos e cirúrgicos existentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bernardo S. Cuidados a ter com os moribundos. Arquivos de Me­dicina. 1989: 2: :317-321.

Guerra M. Algumas considerações sobre a Psicologia da Doença. Arquivos de Medicina. 1991: 4: :366-37:3.

Milheiro J. Psicologia do Estado Terminal. Arquivos de Medicina. 1988: 2: 89-9:3.

Vale L. O doente terminal: Como lidar... Medice. 1991: 12-15.

Abiven M. Pour Li pratique... on retiendra... Rev Pract 1986: 36: 508-513

Twycross R. in Terapêutica em cancer terminal. Edit Artes Médi­cas. Porto Alegre. 1991: 24-44.

Allman R. Pressure Ulcers Among The Elderly. N Engl J Med 1989: 320:850-853.

Boisvert M. Que sont les soins palliatifs terminaux? Rev Pract 1986: 36: 455-456

Rakel R. Care of the Dying Patient. Principies of Family Medicine. 1987: 118-133.

Livesley B. The management of the Dying Patient. ln Principles and Practice of Geriartric Medicine. 1986.

Twycross R. Prévention de tous les troubles cdu mourant. Rev Pract 1986; 36: 473-478.

Tavernier M. Soins palliatifs à domidle. Rev I'ract 1986: :36: 501-507

Salamagne M. Douleur physique. Souffrance globale à la phase utime d'une maladie cancéreuse. Rev Pract 1986: 36:457-469.

Foley, M. Management ofCancer Pain. ln Principies and Practice of Oncology. Edited by Vincent T. DeVita Jr. M.D. 3ªed. 1989: 2046-2086.

Ficheiros Adicionais

Publicado

29-09-1995

Como Citar

1.
de Moura P, Lopes S, Simões A, Lourenço A, Serra e Silva P. O doente terminal - Aspectos Práticos. RPMI [Internet]. 29 de Setembro de 1995 [citado 19 de Junho de 2024];2(3):181-5. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2399

Edição

Secção

Artigos de Revisão

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>