Impacto da Pandemia COVID-19 na Mortalidade em Serviço de Urgência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/O/135/21/3/2021

Palavras-chave:

COVID-19, Mortalidade, SARS-CoV-2, Serviço de Urgência Hospitalar

Resumo

Introdução: Dados oficiais revelam que a mortalidade por todas as causas, em Portugal, em 2020 é superior à de 2019. O receio dos doentes de contágio por SARS-CoV-2 condicionou o protelar de avaliações médicas por opção ou imposição e o recurso aos Serviços de Urgência (SU) não foi exceção. O objetivo foi comparar as características demográficas, clínicas e analíticas dos doentes falecidos num SU dedicado à COVID-19, com igual período do ano pregresso.

Material e Métodos: Estudo retrospetivo, no qual foram analisadas as notas de alta dos doentes que faleceram durante a permanência no SU entre os dias 18 de março e 22 de junho de 2019 e 2020. A análise estatística foi realizada com recurso ao programa IBM SPSS.

Resultados: Durante o período analisado faleceram no SU 33 doentes no ano de 2019 e 99 doentes em 2020, o que equivale a uma taxa de mortalidade de 0,34% e 1,89%, respetivamente. Destaca-se que, em 2020, apenas 4,04% (n = 4) dos óbitos eram de doentes com zaragatoas SARS- -CoV-2 positivas ainda que todos os falecidos apresentassem infeções respiratórias graves. Houve uma diferença estatisticamente significativa no que concerne ao tempo de permanência no SU (p < 0,01), alectuamento (p = 0,04), demência (p = 0,03) e presença de insuficiência respiratória à admissão (p = 0,001). Não se verificaram diferenças no que diz respeito aos dados demográficos, maioria das comorbilidades e parâmetros analíticos.

Conclusão: Em relação a 2019, os óbitos verificados em 2020 no SU ocorreram em doentes mais vulneráveis e com doença mais grave. Foi a procura mais tardia dos cuidados hospitalares, particularmente na agudização de doenças crónicas, que condicionou, de forma irreversível, este desfecho. O número de mortes passível de ser atribuído à COVID-19 é ínfimo, merecendo reflexão e readaptação de boas práticas que assegurem que os doentes sejam admitidos nos SU dentro das janelas temporais preconizadas e de acordo com as patologias suspeitas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Santana R, Rocha J, Sousa J, Soares P. A Procura de Serviços de Urgência/ Emergência Hospitalar: Tendências Durante o Primeiro Mês de Resposta à COVID-19 [Consultado Março 2021]. Disponível em: https://www.ensp.unl.pt/wp-content/uploads/2017/06/tendencia-de-resposta-dos-servicos-de-urg-emerg-covid-19.pdf

Garrafa E, Levaggi R, Miniaci R, Paolillo C. When fear backfires: Emergency department accesses during the Covid-19 pandemic. Health Policy. 2020;124:1333-9. doi: 10.1016/j.healthpol.2020.10.006.

Nourazari S, Davis SR, Granovsky R, Austin R, Straff DJ, Joseph JW, et al. Decreased hospital admissions through emergency departments during the COVID-19 pandemic. Am J Emerg Med. 2021;42:203-10. doi: 10.1016/j.ajem.2020.11.029.

Instituto Nacional de Estatística. A mortalidade em Portugal no contexto da pandemia COVID-19 - Semanas 1 a 38. [Consultado Março 2021]. Disponível em: https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=454213608&DESTAQUESmodo=2&xlang=pt

Nogueira PJ, Nobre MA, Nicola PJ, Furtado C, Vaz Carneiro A. Excess Mortality Estimation During the COVID-19 Pandemic: Preliminary Data from Portugal. Acta Med Port. 2020;33:376-83. doi: 10.20344/amp.13928. Erratum in: Acta Med Port. 2020;33:450-1.

Olabi B, Bagaria J, Bhopal SS, Curry GD, Villarroel N, Bhopal R. Population perspective comparing COVID-19 to all and common causes of death during the first wave of the pandemic in seven European countries. Public Health Pract. 2021;2:100077. doi: 10.1016/j.puhip.2021.100077.

Direção Geral de Saúde. Norma nº 004/2020 de 23/03/2020. Lisboa: DGS; 2020.

Downloads

Publicado

27-10-2021

Como Citar

1.
Rodrigues H, Paixão J, Costa e Sousa R, Spilker R, Ferreira R, Santos L, de Carvalho A. Impacto da Pandemia COVID-19 na Mortalidade em Serviço de Urgência. RPMI [Internet]. 27 de Outubro de 2021 [citado 3 de Julho de 2022];28(3):257-63. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/146

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos Similares

Também poderá iniciar uma pesquisa avançada de similaridade para este artigo.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>