Termos e Conceitos na Relação Clínica

Autores

  • António H. Carneiro Departamento de Medicina, Urgência e UCI Hospital da Luz Arrábida; Porto, Portuga https://orcid.org/0000-0002-0774-6863
  • Rui Carneiro Departamento de Medicina, Urgência e UCI, Hospital da Luz Arrábida, Porto, Portuga
  • Catarina Simõe Enfermeira Cuidados Paliativos, Hospital da Luz Arrábida, Porto, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi/Opinao/139/3/2018

Palavras-chave:

Atitude Perante a Morte, Comunicação, Cuidados Paliativos, Eutanásia, Tomada de Decisões

Resumo

A relação é o elemento mais diferenciador da prática clínica. A comunicação é o elemento mais relevante no estabelecimento da relação. Ouvir, perguntar, esclarecer e debater são elementos centrais na relação e exigem que a linguagem seja compreensível e o mais adequada possível à cultura dos participantes. As recentes discussões sobre as práticas em fim de vida demonstraram que profissionais de saúde, da comunicação social e a maioria dos cidadãos utilizam termos incorretos, atribuem-lhes significado incorreto e relacionam-nos com conceitos incorretos. A comunicação é a base da relação clínica e nesse delicado contexto confundir conceitos e/ou utilizar termos errados ou equívocos é má prática. Os autores assumem a necessidade de um debate profundo sobre termos e conceitos a utilizar na comunicação em português, pelo que revêm alguns dos que consideram fundamentais e de clarificação e apreciação mais urgente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Neves MC. Sentidos da vulnerabilidade [acedido maio 2018] Disponível em: http://www.bioetica.catedraunesco.unb.br

Nevidjon BM, Mayer DK. Reflections from a career in oncology nursing. Nurs Econ. 2012;30:148-52.

World Health Organization. WHO Definition of Palliative Care [acedido Maio 2018] http://www.who.int/cancer/palliative/definition/en/,

The gold standard framework - http://www.goldstandardsframework.org. uk/contact-us

Dicionário de língua portuguesa da Porto Editora [acedido em Abril 2018] Disponível em: http://www.infopedia.pt/dicionarios/lingua portuguesa/futilidade

Engelhardt HT Jr. Rethinking Concepts of Futility in Critical Care. Houston: Center for Medical Ethics and Health Policy at Baylor College of Medicine; 1996.

Código Penal. Artigo 150.º -Intervenções e tratamentos médico-cirúrgicos

Assembleia da República. Lei n.º 25/2012. Diário da República n.º 136/2012, Série I de 2012-07-16

Nolan JP, Hazinski MF, Aickin R, Bhanji F, Billi JE, Callaway CW, et al. 2015 International Consensus on Cardiopulmonary Resuscitation and Emergency Cardiovascular Care Science with Treatment Recommendations. Resuscitation. 2015;95:e1-31. doi: 10.1016/j.resuscitation.2015.07.039

Grande dicionário de Língua Portuguesa. Lisboa: edição da Sociedade de Língua Portuguesa; 1981.

Cherny N, Radbruch L. European Association for Palliative Care recommended framework for the use of sedation. Palliat Med. 2009;23:581 93. doi: 10.1177/0269216309107024.

Randall F, Downie R. End of Life Choices, consensus and controversy. Oxford: Oxford University Press; 2010.

Assembleia da República. Lei n.º 141/99. Diário da República n.º 201/1999, Série I-A de 1999-08-28.

Wikipédia acedida a 30 de abril 2018. [acedido em abril 2018] Disponível em https://pt.wikipedia.org/wiki/Encyclopaedia_Britannica

Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, 2008-2013. [acedido em abril 2018] Disponível em: https://www.priberam.pt/dlpo/eutan%C3%A1sia

Downloads

Publicado

01-04-2022

Como Citar

1.
H. Carneiro A, Carneiro R, Simõe C. Termos e Conceitos na Relação Clínica. RPMI [Internet]. 1 de Abril de 2022 [citado 5 de Julho de 2022];25(3):157-64. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/469

Edição

Secção

Artigo de Opinião

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)