Experiência de Unidade de Cuidados Intermédios Médicos – 2005-2014

Autores

  • Sofia Nóbrega Serviço de Cuidados Intermédios, Hospital dos Marmeleiros, SESARAM, EPE, Funchal, Portugal
  • Dina Santos Serviço de Cuidados Intermédios, Hospital dos Marmeleiros, SESARAM, EPE, Funchal, Portugal
  • Ana Sofia Silva Serviço de Cuidados Intermédios, Hospital dos Marmeleiros, SESARAM, EPE, Funchal, Portugal
  • Tatiana Henriques Serviço de Cuidados Intermédios, Hospital dos Marmeleiros, SESARAM, EPE, Funchal, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.962

Palavras-chave:

Portugal, Unidades de Cuidados Intensivos, Unidades de Cuidados Intermédios, Unidades Hospitalares, Ventilação não Invasiva

Resumo

Introdução: As Unidades de Cuidados Intermédios Médicos
(UCIM) são necessidades reais dos hospitais modernos. Permitem redução de custos e melhoram a qualidade dos cuidados,
tendo por base uma boa articulação entre os vários serviços hospitalares. Apresenta-se a casuística de uma UCIM, desde a sua
abertura em 2005 até 2014, de modo a averiguar qual a sua realidade quando a cargo da Medicina Interna.
Material e Métodos: Foi feita uma análise rectrospectiva e descritiva da UCIM supramencionada entre 29 de Outubro de 2005 e 31
de Dezembro de 2014.
Resultados: Na UCIM foram admitidos 1641 doentes, sendo
46% do sexo feminino e 54% do sexo masculino, com uma idade média de 61 anos. O internamento demorou em média cerca
de 4 dias. A grande maioria dos doentes provinha do serviço de
urgência (45,3%), seguindo-se a enfermaria de Medicina Interna
(27,1%) e a Unidade de Cuidados Intensivos (20,9%). Os principais motivos de admissão foram a pneumonia (33,5%), que surgiu
com grande expressão, as intoxicações (8,7%), o tromboembolismo pulmonar (8,3%) e a insuficiência respiratória global (7,1%). A
mortalidade foi de 5,7%. Foi feito step-up em 7,9% dos doentes
e step-down em 92,1%, com a grande maioria dos doentes a ser
transferido para a enfermaria de Medicina Interna. Nos 2 anos decorridos desde a instituição de ventilação não invasiva na UCIM,
esta foi realizada em 23,0% dos doentes admitidos, sendo utilizada principalmente no contexto de exacerbação de doença pulmonar obstrutiva crónica (39,9% dos casos), pneumonia (30,3%)
ou edema agudo do pulmão (20,8%).
Conclusão: Esta Unidade vem reforçar a importância dos Intermédios, como ponte entre os diferentes serviços e forma de intervenção numa pluralidade de aspectos, resultando num elevado grau
de eficácia e eficiência na melhoria dos cuidados e rentabilização
de recursos, com uma baixa taxa de mortalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Prin M, Wunsch H. The Role of Stepdown Beds in Hospital Care. Am J Respir Crit Care Med. 2014; 190:1210-16.

Stacy KM. Progressive Care Units: Different but the Same. Crit Care Nurse. 2011; vol 31; 31:77-83.

Zimmerman JE, Kramer AA. A model for identifying patients who may not need intensive care unit admission. J Crit Care. 2010: 25: 205-

Ranhoff AH, Rozzini R, Sabatini T, Cassinadri A, Boffelli S, Ferri M, et al. Subintensive care unit for the elderly: a new model of care for

critically ill frail elderly medical patients. Intern Emerg Med. 2006: 1: 197-203.

Porath A, Reuveni H, Grinberg G, Lieberman D. The intermediate care unit as a cost-effective option for the treatment of medical patients in critical condition. Isr J Med Sci. 1995; 31: 674-80.

Vincent JL, Rubenfeld GD. Does intermediate care improve patient outcomes or reduce costs? Crit Care. 2015;19:89.

Natário A, Almeida L, Pires C, Meirinho M, Proença MJ, Trigo C, et al. Cuidados Intensivos - Recomendações para o seu desenvolvimento.

Lisboa: Direcção-Geral da Saúde; 2003.

Harding A. What can an intermediate care unit do for you? J Nurs Adm. 2009: 39: 4-7.

Aloe K, Ryan M, Raffaniello L, Williams L. Creation of an intermediate respiratory care unit to decrease intensive care utilization. J Nurs

Adm. 2009: 39: 494-98.

Capuzzo M, Volta C, Tassinati T, Moreno R, Valentin A, Guidet B, et al. Hospital mortality of adults admitted to Intensive Care Units

in hospitals with and without Intermediate Care Units: a multicentre European cohort study. Crit Care. 2014: 18: 551.

Bertolini G, Confalonieri M, Rossi C, Rossi G, Simini B, Gorini M, et al. Costs of the COPD. Differences between intensive care unit and

respiratory intermediate care unit. Resp Med. 2005: 99: 894-900

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-2015

Como Citar

1.
Nóbrega S, Santos D, Silva AS, Henriques T. Experiência de Unidade de Cuidados Intermédios Médicos – 2005-2014. RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 2015 [citado 27 de Fevereiro de 2024];22(4):203-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/962

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)