Simulação Clínica: Uma Forma de Inovar em Saúde

Autores

  • Maria da Luz Brazão Serviço de Medicina Interna do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira, Funchal, Portugal
  • Sofia Nóbrega Serviço de Medicina Interna do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira, Funchal, Portugal
  • João Paulo Correia Serviço de Medicina Interna do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira, Funchal, Portugal
  • Ana Sofia Silva Serviço de Medicina Interna do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira, Funchal, Portugal
  • Dina Santos Serviço de Medicina Interna do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira, Funchal, Portugal
  • Maria Helena Monteiro Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas, Universidade de Lisboa, Lisboa, Portugal

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.944

Palavras-chave:

Ensino Médico, Inovação Organizacional, Simulação por Computador, Medicina Interna

Resumo

Introdução: A inovação tecnológica e científica tem tido um papel
fundamental no progresso do sistema de saúde em Portugal, surgindo como estratégia de gestão e impulso das organizações, de
forma a assegurar a sua vantagem competitiva. Como forma de inovação em saúde surge a simulação, revolucionando o ensino médico e o treino de profissionais e equipas de
saúde. É atualmente o gold standard da formação, com uma importância crescente na literatura.
Objectivos e Métodos: Por tudo isto, os autores descrevem o projeto e a implementação do Centro de Simulação Clínica da Madeira. Inaugurado em setembro de 2012, realizou já, desde a sua
abertura, 74 cursos transversais às várias especialidades e voltados para o treino em ambientes críticos e complexos.
Resultados: Nesses cursos incluem-se, desde 2014, nove Cursos de Simulação Clínica em Medicina Interna, organizados pelo
correspondente serviço de Medicina Interna e coordenados pela primeira autora deste artigo. Estes cursos, dirigidos a um total de
58 profissionais de saúde, abordam casos clínicos em contexto de
urgência, explorados em cenários com simuladores de alta-fidelidade e recorrendo a estratégias de debriefing como forma de melhoria através da prática reflexiva e com a orientação do formador.
Conclusões: Analisando os Cursos de Simulação Clínica em Medicina Interna, os autores constataram um elevado índice de satisfação entre os formandos, quer relativamente ao curso em si, quer
à sua implicação prática, com cerca de 90% a classificá-lo como
“Muito Bom” em termos de desenvolvimento pessoal. A maioria
dos formandos (75,9%) considerou a duração do curso adequada
e apresentou elevado índice de satisfação com as estruturas/material de apoio e com a prestação dos formadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Crisp N, Berwick D, Kickbusch I, Bos W, Antunes JL, Barros PP, et al. Um futuro para a saúde, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian;

Monteiro MH. A Adopção da eHealth nos Hospitais Públicos em Portugal - 1996 – 2007 (Tese de doutoramento). [consultado

em Jan 2015] Disponível em: http://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/3861/1/UTL-ISCSP-MHM-2011-Janeiro-CS-AP-TESE.pdf

Amabile TM, Conti R, Coon H, Lazenby J, Herron M. Assessing the work environment for creativity. Acad Manag J 1996;

:1154–84.

Marques CS, Marques CP, Nogueira F, Guerry C, Andrade S. Facets and outcomes of healthcare service innovation: a study of catholic

service providers in Northern Portugal. Int J Innov Learn, 2013; 4: 1-22.

Naranjo J, Jiménez D, Sanz-Valle R. Innovation or Imitation? the role of organizational culture. Manag Decis. 2011; 49; 55-7.

Fagerberg J. Innovation: a guide to the literature, Oslo: Centre for Technology, Innovation and Culture; 2003.

Cook DA, Hatala R, Brydges R, Zendejas B, Szostek JH, Wang AT, et al. Technology-Enhanced Simulation for Health Professions Education: A Systematic Review and Meta-analysis. JAMA 2011;306: 978-88.

Shapiro MJ, Morey JC, Small SD, Langford V, Kaylor CJ, Jagminas L et al. Simulation based teamwork training for emergency department staff: does it improve clinical team performance when added to an existing didactic teamwork curriculum? Qual Saf Health Care 2004;13:417-21.

Gluck PA. Medical Error Theory. Obstet Gynecol Clin N Am 2008;35:11-17.

Decker S, Sportsman S, Puetz L, Billings L. The Evolution of Simulation and Its Contribution to Competency. J Contin Educ Nurs

;39:74-80.

Gaba DM. The Future Vision of Simulation in Healthcare. Sim Healthcare 2007;2:126-35.

Matos FM, Gomes AS, Costa FJ, Silva IS, Carvalhas J. Importância da Simulação no Treino de Equipa para Eventos Críticos em Obstetrícia: Resultados da Primeira Fase do Plano Nacional de Educação Médica Contínua. Acta Med Port 2012;25:64-7.

Rudolph JW, Simon R, Dufresne RL, Raemer DB. There’s No Such Thing as “Nonjudgmental” debriefing: A Theory and Method for debriefing with Good Judgment. Simul Healthcare 2006;1:49-55

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-09-2015

Como Citar

1.
Brazão M da L, Nóbrega S, Correia JP, Silva AS, Santos D, Monteiro MH. Simulação Clínica: Uma Forma de Inovar em Saúde. RPMI [Internet]. 30 de Setembro de 2015 [citado 7 de Dezembro de 2022];22(3):146-55. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/944

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>