Doença dos Legionários: Revisão temática e casuística hospitalar

Autores

  • Joana Lemos Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu
  • Alexandra Vaz Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu
  • Eduardo Melo Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu
  • António Marques Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu
  • Ana Albuquerque Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu
  • Inês Barros Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu
  • Miguel Sequeira Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu
  • José Pedro Saraiva Unidade de Cuidados Intensivos Polivalente Serviço de Medicina Interna 1, Hospital de São Teotónio E.P.E. – Viseu

Palavras-chave:

Legionella, Doença dos Legionários, diagnóstico, notificação, estatística

Resumo

Identificada em 1976, a Legionella é um microrganismo cada vez
mais reconhecido como causa de pneumonia, nomeadamente
de formas graves. Os métodos de diagnóstico têm evoluído e
estão cada vez mais disponíveis. O tratamento antibiótico precocemente instituído é geralmente eficaz, mas continua a haver
casos graves com falência respiratória ou mesmo multiorgânica.
Desde 1999 esta é uma das Doenças de Declaração Obrigatória no nosso País.
Neste trabalho e após uma revisão desta entidade, os autores identificaram os casos de Legionelose no Hospital onde
trabalham, no período de Janeiro de 2000 a Setembro de 2007.
Caracterizaram-nos no respeitante aos dados demográficos e
epidemiológicos, factores de risco, aspectos clínicos, exames
complementares, especificidade do diagnóstico laboratorial,
tratamento, complicações e resultados e confrontaram-nos com
a adequação da codificação da doença nos diagnósticos de saída
e com as estatísticas de notificação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Stout JE, Yu VL. Legionellosis. N Eng J Med Sept 1997; 337: 682-687.

Marrie TJ, Peeling RW, Fine MJ, Singer DE, Coley CM, Kapoor WN. Ambulatory patients with community-acquired pneumonia: the frequency of atypical agents and clinical course. Am J Med 1996;101:508-515.

Hugo JP, Anderson KAJ, Wiebe T et al. Nosocomial transmission of Legionella pneumophila in cold water supply. Scand J Infect Dis. November 2006; 38: 1023-1027.

Seenivasan MH, Yu VL, Muder RR. Legionnaires’ disease in long-term care facilities: overview and proposed solutions. J Am Geriatr Soc May 2005; 3(5): 75-80.

Amsden GW. Treatment of Legionnaires’ disease. Drugs. 2005; 5(5): 605-614.

www.dgs.pt. Estatísticas. Doenças de Declaração Obrigatória.

Fields BS, Benson RF, Besser RE. Legionella and Legionnaires’ Disease: 25 years of investigation. Clin Microb Reviews 2002; 15: 506-526.

Den Boer JW, Yzerman EP. Diagnosis of Legionella infection in Legionnaires’ isease. Eur J Clin Microbiol Infect Dis Dec 2004; 23(12): 871-878.

Nguyen TM, Ilef D, Jarraud S, Rouil L, Campese C, Che D. A community-wide outbreak of Legionnaires disease linked to industrial cooling towers-how far can contaminated aerosols spread?. J Infect Dis Jan 2006; 193(1): 102-111.

Cunha BA. Legionella pneumonia: The value of clinical and laboratory findings. J Respir Dis 2005; 26: 469-460.

Cunha BA. The atypical pneumonias: clinical diagnosis and importance. Clin Microbiol Infect May 2006; 12 Suppl 3: 12-24.

Rathore MH. Legionella infection. emedicine Aug 2007.

Blazquez RM, Espinosa FJ, Martinez-Toldos CM et al. Sensitivity of urinary antigen test in relation to clinical severity in a large outbreak of Legionella pneumonia in Spain. Eur J Clin Microbiol Infect Dis 2005; 24: 488.

Kashuba AD, Ballow CH. Legionella urinary antigen testing: potential impact on diagnosis and antibiotic therapy. Diagn Microbiol Infect Dis Mar 1996; 24(3): 129-139.

Helbig JH, Engelstadter T, Maiwald M et al. Diagnostic relevance of the detection of Legionella DNA in urine samples by the polymerase chain reaction. Eur J Clin Microbiol Infect Dis Oct 1999; 18(10): 716-722.

Blasquez GRM, Espinosa PFJ, Alemany FL et al. Antimicrobial chemotherapy for Legionella: levofloxacin versus macrolides. Clin Infect Dis Mar 2005; 40(6): 800-806.

Programa de vigilância epidemiológica integrada da Doença dos Legionários: notificação clínica e laboratorial de casos e investigação epidemiológica. DGS, Circulares Normativas 05/DT e 06/DT. Abril 2004.

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-12-2010

Como Citar

1.
Lemos J, Vaz A, Melo E, Marques A, Albuquerque A, Barros I, Sequeira M, Saraiva JP. Doença dos Legionários: Revisão temática e casuística hospitalar. RPMI [Internet]. 31 de Dezembro de 2010 [citado 30 de Maio de 2024];17(4):228-36. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1186

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>