O Papel da Simulação no Treino de Equipas de Urgência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi.1229

Palavras-chave:

Equipa de Cuidados ao Doente, Medicina de Emergência, Treino de Simulação

Resumo

A aquisição de habilidades clínicas depende, maioritariamente, do contacto com a prática, que é possível através da simulação em saúde. Esta é uma forma de treinar e aperfeiçoar competências num ambiente controlado, sem comprometer a segurança do utente, aprimorando a vertente não técnica e testando protocolos.

A simulação pode ocorrer em centros criados para o efeito ou in situ, no ambiente de trabalho real, potenciando oportunidades de aprendizagem, de identificação de problemas e de gestão do trabalho de equipa. É, cada vez mais, o gold standard no treino de equipas de saúde.

Os autores descrevem a atividade em simulação do serviço de Medicina Interna da Madeira, com 28 cursos de simulação realizados no Centro de Simulação Clínica da Madeira, refletindo-se em níveis de satisfação global entre os formandos superiores a 90%, com impacto no desenvolvimento pessoal e profissional das equipas de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Crisp N, Berwick D, Kickbusch I, Bos W, Antunes JL, Barros PP, et al. Um futuro para a saúde, Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; 2014.

Carlin E, Dubash R, Ho J, Bertenshaw C. Simulation in emergency medicine. Emerg Med Australas. 2021;33:357-61. doi: 10.1111/1742- 6723.13756.

Oman SP, Magdi Y, Simon LV. Past Present and Future of Simulation in Internal Medicine. Treasure Island: StatPearls Publishing; 2022.

Beyer-Berjot L, Patel V, Sirimanna P, Hashimoto DA, Berdah S, Darzi A, Aggarwal R. Implementation of a Surgical Simulation Care Pathway Approach to Training in Emergency Abdominal Surgery. World J Surg. 2020;44:696-703. doi: 10.1007/s00268-019-05242-1.

Weile J, Nebsbjerg MA, Ovesen SH, Paltved C, Ingeman ML. Simulation- -based team training in time-critical clinical presentations in emergency medicine and critical care: a review of the literature. Adv Simul. 2021;6:3. doi: 10.1186/s41077-021-00154-4.

Cook DA, Hatala R, Brydges R, Zendejas B, Szostek JH, Wang AT et al. Technology-enhanced simulation for health professions education:a systematic review and meta-analysis. JAMA. 2011; 306: 978–88. doi: 10.1001/ jama.2011.1234.

Schertzer K, Patti L. In Situ Debriefing in Medical Simulation.StatPearls. Treasure Island: StatPearls Publishing; 2022.

Freund D, Andersen PO, Syane C, Meyhoff CS, SørensenJL. Unannounced vs announced in situ simulation of emergency teams: Feasibility and staff perception of stress and learning. Acta Anaesthesiol Scand. 2019;63:684- 92. doi: 10.1111/aas.13321.

Brazão M L, Nóbrega S, Correia JP, Silva AS, Santos D, Monteiro MH. Simulação Clínica: Uma Forma de Inovar em Saúde. Med Interna. 2015;22:146-55. doi: 10.24950/rspmi.944.

Rudolph JW, Simon R, Dufresne RL, Raemer DB. There’s No Such Thing as “Nonjudgmental” debriefing: A Theory and Method for de-briefing with Good Judgment. Simul Healthc. 2006;1:49-55. doi: 10.1097/01266021- 200600110-00006.

Downloads

Publicado

19-12-2022

Como Citar

1.
Brazão M da L, Nóbrega S, Barreto F, Almada S. O Papel da Simulação no Treino de Equipas de Urgência. RPMI [Internet]. 19 de Dezembro de 2022 [citado 1 de Março de 2024];29(4):287-94. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1229

Edição

Secção

Pontos de Vista

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>