Úlceras de pressão: casuística de um Serviço de Medicina Interna

Autores

  • Pedro Andrade Serviço de Dermatovenereologia, Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Filipa Seabra Pereira Serviço de Medicina I, Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Lèlita Santos Serviço de Medicina I, Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Maria Helena Saldanha Serviço de Medicina I, Hospitais da Universidade de Coimbra

Palavras-chave:

úlceras de pressão, idosos, neuropatia, mortalidade, tempo de internamento

Resumo

As úlceras de pressão constituem uma entidade clínica com
grande relevância clínica e valor prognóstico na população idosa.
Com vista à caracterização da população de doentes portadores
de úlceras de pressão no Serviço de Medicina I dos Hospitais da
Universidade de Coimbra, procedeu-se à análise retrospectiva e
descritiva dos dados constantes nos registos clínicos dos doentes
internados naquela unidade entre 1 de Janeiro e 30 de Junho
de 2006, tendo sido avaliados diversos parâmetros individuais,
em particular idade, sexo, condições domiciliárias, diagnóstico
principal de admissão, tempo de internamento, mobilidade,
co-morbilidades crónicas, mortalidade e número, localização e
gravidade de úlceras de pressão.
Os resultados obtidos permitiram concluir que o número
de doentes portadores de úlceras de pressão referenciados
como tal à data de alta é significativamente inferior ao número
de doentes real. A quase totalidade dos doentes com úlceras
de pressão apresentava idade superior a 65 anos, tendo sido
observada associação significativa com neuropatias crónicas
com compromisso sensoriomotor ou cognitivo (p<0,001), em
particular o acidente vascular cerebral, e com institucionalização
extra-hospitalar (p<0,001). A maioria dos doentes apresentava
úlceras de pressão localizadas à região sacrococcígea. Metade
das úlceras surgidas durante o internamento foi registada em
doentes que já eram portadores de úlceras de pressão no momento de admissão. Verificou-se que a presença de úlceras de
pressão condicionou um aumento estatisticamente significativo
não só do tempo de internamento (p<0.001), mas também da
própria mortalidade (p<0.001).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Garcia AD, Thomas DR. Assessment and Management of Chronic Pressure Ulcers in the Elderly. Med Clin North Am 2006; 90 (5): 925-944.

Bansal C, Scott R, Stewart D, Cockerell CJ. Decubitus ulcers: A review of the literature. Int J Dermatol 2005; 44 (10): 805-810.

Barrois B, Allaert F A, Colin D. A survey of pressure sore prevalence in hospitals in the greater Paris region. J Wound Care 1995; 4 (5): 234-236.

Barczak CA, Barnett RI, Childs EJ, Bosley LM. Fourth national pressure ulcer prevalence survey. Adv Wound Care 1997; 10(4):18-26.

Brem H, Lyder C. Protocol for the successful treatment of pressure ulcers. Am J Surg 2004; 188 (supl. 1A): 9-17.

Salcido R, Popescu A. Pressure Ulcers and Wound Care. In www.emedicine.com, Agosto 2006.

Allman RM, Goode PS, Burst N, Bartolucci AA, Thomas DR. Pressure ulcers, hospital complications, and disease severity: impact on hospital costs and length of stay. Adv Wound Care 1999; 12 (1):22-30.

Bennett G, Dealey C, Posnett J. The cost of pressure ulcers in UK. Age Ageing 2004; 33 (3): 230-235.

Severens JL, Habraken JM, Duivenvoorden S, Frederiks CM. The cost of illness of pressure ulcers in The Netherlands. Adv Skin Wound Care 2002; 12 (2):72-77.

Reddy M, gill SS, Rochon PA. Preventing pressure ulcers: a systematic review. JAMA 2006; 296(8):974-984.

Donnelly J. Hospital-acquired heel ulcers: a common but neglected problem. J Wound Care 2001;10(4):131-136.

Amlung SR, Miller WL, Bosley LM. The 1999 National Pressure Ulcer Prevalence Survey: a benchmarking approach. Adv Skin Wound Care 2001; 14 (6):297-301.

Gunningberg L. Risk, prevalence and prevention of pressure ulcers in three Swedish healthcare settings. J Wound Care 2004;13(7):286-290.

Lahmann N, Halfens R, Dassen T. Pressure ulcers in German nursing homes and acute care hospitals: prevalence, frequency, and ulcer characteristics. Ostomy Wound Manage 2006; 52(2):20-33.

Woodbury MG, Houghton PE. Prevalence of pressure ulcers in Canadian healthcare settings. Ostomy Wound Manage 2004;50(10):22-38.

Vanderwee K, Clark M, Dealey C, Gunningberg L, Defloor T. Pressure ulcer prevalence in Europe: a pilot study. J Eval Clin Pract 2007; 13(2):227-235.

Graves N, Birrell F, Whitby M. Effect of pressure ulcers on length of hospital stay. Infect Control Hosp Epidemiol 2005; 26(3):293-297

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-03-2010

Como Citar

1.
Andrade P, Seabra Pereira F, Santos L, Saldanha MH. Úlceras de pressão: casuística de um Serviço de Medicina Interna. RPMI [Internet]. 31 de Março de 2010 [citado 19 de Junho de 2024];17(1):13-20. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1256

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>