lntoxicação pelo Paraquat: Casuística dum serviço de Medicina Interna

Autores

  • José Manuel Santos Interno do Internato Complementar de Neurologia, Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Arsénio Santos Assistente Hospitalar de Medicina Interna, Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Adélia Simão Assistente Hospitalar de Medicina Interna, Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Eurico Almiro Chefe de Serviço de Medicina Interna, Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Franscisco Severo Chefe de Serviço de Medicina Interna, Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Armando Porto Professor Catedrático da Faculdade de Medicina de Coimbra e Director de Serviço, Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra

Palavras-chave:

paraquat, intoxicação

Resumo

Os autores apresentam uma análise retrospec­tiva dos casos de intoxicação por paraquat in­ternados num serviço de Medicina Interna dum hospital central. O estudo engloba um período de 7,5 anos, incluindo 26 casos, 16 homens e 10 mu­lheres, com idades compreendidas entre os 16 e os 74 anos. O tempo médio decorrido entre a in­gestão do tóxico e a prestação dos primeiros cuidados médicos foi, nos doentes que recorre­ram nas primeiras 24 horas, de 1,8 horas, ha­vendo 3 que só mais tarde recorreram ao hospi­tal. As quantidades de tóxico ingeridas foram calculadas segundo os dados fornecidos pelos doentes e mostraram uma grande dispersão, ten­do, no entanto, a maior parte deles ingerido en­tre 20 e 100 ml. Durante o internamento, falece­ram 13 doentes (50%), que tiveram uma sobrevi­vência média de 7 dias. Os restantes 13 doentes tiveram alta hospitalar, tendo uma sobrevivên­cia média conhecida de 10 meses.

Foram comparados entre si os grupos dos doentes falecidos e dos sobreviventes, concluin­do-se que o factor decisivo para a mortalidade foi a quantidade de tóxico ingerida. O apareci­mento de dispneia, oligúria ou icterícia foi indi­cador de mau prognóstico, enquanto os valores laboratoriais, à entrada no Serviço de Urgência, de LDH, TGO e pCO estavam significativamente mais alterados nos doentes que vieram a falecer. Quando a dose ingerida foi elevada, as medidas terapêuticas, mesmo as mais agressivas, não alteraram o curso da doença. Finalmente, os auto­res discutem os resultados encontrados, compa­rando-os com os de outros estudos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Garnier A, Bismu th C. Paraquat. Encyclopedie Médico­ Chirurgicale ( Paris) 1984.

Póvoa R, Maciel FM, Orlando JM, Póvoa EF, Honsi E, Ka­sinski N, Ferreira C. Lesão cardíaca secundária ao pa­raquat. Arq Bras Cardiol 1992; 59(2): 95-98.

Tinoco R, Parsonnet J, Halperin D. Paraquat poisoning in southern Mexico: a report of 25 cases. Arch Envi­ron Health 1993; 48(2): 78-80.

Bismuth C, Garnier R, Baud FJ, Muszynski J, Keyes C. Paraquat poisoning. An Overview of the current sta­tus. Drug-Saf 1990; 5(4): 243-251.

Perriens JH, Benimadho S, Kiauw IL, Wisse J, Chee H. High dose of ciclophosphamide and dexamethasone in paraquat poisoning: a retrospective study. Hum Exp Toxicol 1992; 11(2): 129-134.

Suzuki K, Takasu N, Okabe T, Ishimatsu S, Ueda A, Ta­ naka S, Fukuda A, Arita J, Kohama A. Effect of agres­sive haemoperfusion on the clinical course of pati­ents with paraquat poisoning. Hum Exp Toxicol 1993; 12(4): 323-327.

The treatment of paraquat poisoning. Guide to doctors. Ed. ICI, 1985.

Carre P, Leophonte P. Cytokines et fibroses pulmonaires. Rev Mal Resp 1993; 10(3): 193-207.

Kaojarern S, Ongphiphadhakul B. Predicting outcomes in para­ quat poisonings. Vet Hum Toxicol 1991; 33(2): 115-118.

Yamaguchi H, Sato S, Watanabe S, Naito H. Pre-embarkment prognostication for acute paraquat poisoning. Hum Exp To­xicol 1990; 9(6): 381-384.

lm JG, Lee KS, Ham MC, Kim SJ, Kim 10. Paraquat poisoning: findings on chest radiography and CT in 42 patients. Am J Roentgenol 1991; 157(4): 697-701.

Ficheiros Adicionais

Publicado

28-06-1996

Como Citar

1.
Santos JM, Santos A, Simão A, Almiro E, Severo F, Porto A. lntoxicação pelo Paraquat: Casuística dum serviço de Medicina Interna. RPMI [Internet]. 28 de Junho de 1996 [citado 18 de Julho de 2024];3(2):74-80. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/2270

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 > >>