Hepatite Auto-Imune Casuística de um serviço de Medicina Interna

Autores

  • Teresa Vaio Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Paulo Ferreira Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Arsénio Santos Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Adélia Simão Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Rui Perdigoto Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Rui Santos Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Armando Carvalho Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra
  • Armando Porto Serviço de Medicina III dos Hospitais da Universidade de Coimbra

Palavras-chave:

hepatite auto-imune, score do International Autoimmune Hepatitis Group, evolução clínica, tratamento

Resumo

Introdução: A hepatite auto-imune (HAI) é uma inflamação hepática de causa desconhecida, caracterizada pela presença de
hepatite de interface na biopsia hepática, de hipergamaglobulinemia e de auto-anticorpos característicos.
Objectivo: Avaliar as características clínicas, laboratoriais e
histológicas, a resposta à terapêutica e o prognóstico da hepatite auto-imune.
Métodos: Análise dos processos clínicos dos doentes com
hepatite auto-imune admitidos no Serviço de Medicina III dos HUC entre 1987 e 2002.
Resultados – Foram diagnosticados 29 casos, 28 do sexo
feminino e 1 do masculino, com a idade média de 34,2±16,4
anos. A forma de apresentação foi fulminante em 6,9% dos
doentes, aguda em 20,7% e insidiosa ou crónica em 72,4%.
Os sintomas mais comuns foram: astenia (65,6%), anorexia
(48,3%), náuseas e vómitos (48,3%); 24,1% dos doentes eram
assintomáticos. Pelo score do International Autoimmune Hepatitis
Group, o diagnóstico era definitivo em 69% dos casos e provável
em 31%. Tinham HAI tipo I 86,2% dos doentes, 3,5% eram do
tipo II e 10,3% não apresentavam auto-anticorpos convencionais.
O anti-VHC era positivo em 2 doentes, o AgHBs em 1 e o IgM
anti-VHA em 1. Apresentavam cirrose 27,6% dos doentes. Treze
iniciaram terapêutica com prednisolona e 15 com prednisolona +
azatioprina, com resposta completa em 39,3% dos casos, parcial
em 7,1%, ausência de resposta em 25% e resposta seguida
de recaída em 28,6%. O transplante hepático foi realizado em
4 doentes (13,8%). Com um período médio de seguimento de
69 meses (variando entre 1 e 213 meses), a mortalidade foi de
13,8%: 2 doentes por falência hepática, 1 por sepsis e 1 por meningite herpética.
Conclusões: À data do diagnóstico, 24,1% dos doentes eram
assintomáticos e 27,6% tinham cirrose; a terapêutica com
prednisolona e azatioprina foi mais eficaz que a prednisolona
isolada; houve necessidade de transplante hepático em 13,8%
dos doentes; a evolução foi favorável na maioria dos casos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Czaja AJ. Handbook of liver diseases. 10 th Edition. London: Churchill Livingstone, 1998: 63-83.

Czaja AJ. Drug therapy in the management of type 1 autoimmune hepatitis. Drugs 1999; 57: 49-68.

McFarlane, IG. The relationship between autoimmune markers and different clinical syndromes in autoimmune hepatitis. Gut 1998; 42:599-602.

Krawitz EL. Autoimmune hepatitis. N Eng J Medicine 1996; 344:897-903.

Czaja AJ, Freese DK. Diagnosis and treatment of autoimmune hepatitis. Hepatology 2002; 36: 479-497.

Johnson PJ, McFarlane IG. Meeting report: International Autoimmune Hepatitis Group. Hepatology 1993; 18: 998-1005.

Alvarez F, Berg PA, Bianchi FB et al. International Autoimmune Hepatitis Group Report: review of criteria for diagnosis of autoimmune hepatitis. J Hepatol 1999; 31: 929-938.

Strassburg CP, Manns MP. Autoantibodies and autoantigens in autoimmune hepatitis. Semin Liver Dis 2002; 22: 339-351.

Johanet C, Dubel L, Chazouilléres O. Auto-anticorps en hepatologie. Pathologie Biologie 1999 ; 47 : 997-1005.

Czaja AJ, Kruger M, Santrach PJ et al. Genetic Distinctions between types 1 and 2 autoimmune hepatitis. Am J Gastroenterol 1997; 92: 2197-2200.

Krawitz EL. Can you recognize autoimmune hepatitis?. Postgraduate Medicine 1998; 104: 145-152.

Czaja AJ. Treatment of Autoimmune hepatitis. Semin Liver Dis 2002; 22: 365-377.

Omagari K, Kinoshita H, Kato Y et al. Clinical features of 89 patients with autoimmune hepatitis in Nagasaki Prefecture, Japan. J Gastroenterol 1999; 34: 221-226.

Kanzler S, Gerken G, Lohr H, et al. Duration of imunosuppressive therapy in autoimmune hepatitis. J Hepatol 2001; 34: 354-355.

Vento S, Guella L, Mirandola F et al. Epstein-Barr virus as a trigger for autoimmune hepatitis in susceptible individuals. Lancet 1995; 346:608-609.

Vento S, Gaforano T, Di PierriG et al. Identification of hepatitis A virus as trigger for autoimmune chronic hepatitis type 1 in susceptible individuals. Lancet 1991; 337:1183-1187.

Rahaman SM,Chira P, Koff RS. Idiopathic autoimmune chronic hepatitis triggered by hepatitis A. Am J Gastroenterol 1994; 89: 106-108.

Huppertz HY, Treichel U, Gassel AM et al. Autoimmune hepatitis following hepatitis A virus infection. J Hepatol 1995; 23: 204-208.

Laskus T, Slusarczyk J. Autoimmune chronic active hepatitis developing after acute type B hepatitis. Diagnosis Disease Science 1989; 34:1294-1297.

Mackie FD, Peakman M, Yun M et al. Primary and secondary liver/kidney microsomal autoantibody response following infection with hepatitis C virus. Gastroenterology 1994; 106: 1672-1675

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-06-2008

Como Citar

1.
Vaio T, Ferreira P, Santos A, Simão A, Perdigoto R, Santos R, Carvalho A, Porto A. Hepatite Auto-Imune Casuística de um serviço de Medicina Interna. RPMI [Internet]. 30 de Junho de 2008 [citado 21 de Setembro de 2023];15(2):87-92. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1454

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 > >>