Inibição da secreção ácida num Serviço de Medicina Interna

Autores

  • Tatiana Fonseca Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho
  • Daniela Lopes Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho
  • Patrícia Barreto Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho
  • Luís Andrade Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho
  • Cláudia Costa Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho
  • Vítor Paixão Dias Serviço de Medicina Interna do Centro Hospitalar de Vila Nova Gaia/Espinho

Palavras-chave:

terapêutica de supressão ácida, utilização inadequada, indicações terapêuticas

Resumo

Introdução: A utilização de terapêutica de supressão ácida (TSA) para prevenção de úlcera de stress tem sido bem definida no
âmbito do doente crítico. Contudo, em doentes internados num serviço de Medicina Interna, não existe evidência para a sua utilização, além de patologia gastroesofágica ativa ou da gastropatia por anti-inflamatórios não esteróides.
O objetivo deste estudo foi determinar a frequência e motivo da
administração inadequada de TSA à admissão, no internamento
e à alta num serviço de Medicina Interna, bem como os custos
que daí advêm para o Serviço Nacional de Saúde.
Materiais e Métodos: Realizou-se um estudo retrospetivo dos doentes admitidos num serviço de Medicina Interna de 01 de
Janeiro a 30 de Junho de 2010. Os fármacos utilizados foram: Esomeprazol, Ranitidina e Sucralfato.
Resultados: Foram avaliados 511 doentes, com idade média
80,5 anos. À admissão, 31% dos doentes já utilizavam este tipo
de fármacos, dos quais 69% não tinham indicação. Durante o
internamento, 89% dos doentes foram medicados com este
grupo terapêutico, não apresentando indicação formal para a sua
administração em 76%. À alta, 48% dos doentes foram medicados com este tipo de fármacos, sendo que 67% não tinham
indicação. A utilização incorreta traduziu-se num aumento dos
custos por doente.
Conclusão: Os resultados estão em concordância com estudos
publicados, com alta frequência de prescrição inadequada destes
fármacos. Uma prescrição mais racional é fortemente recomendável, por forma a reduzir gastos desnecessários e a incidência
de efeitos secundários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Heidelbaugh J, Inadomi J. Magnitude and Economic Impact of Inappropriate Use of Stress Ulcer Prophylaxis in Non-ICU Hospitalized Patients, Am J Gastroenterol, 2006; 101:2200-2205.

American society of health system pharmacists, ASHP therapeutic guidelines on stress ulcer prophylaxis, Am J Health-Syst Pharm, 1999; 56:347-379.

Gupta R, Garg P, Kottoor R et al. Overuse of Acid Suppression Therapy in Hospitalized Patients; Southern Medical Journal, 2010;103(3):207-211.

Nardino R, Vender R, Herbert P. Overuse of acid-suppressive therapy in hospitalized patients. Am J Gastroenterol, 2000; 95:3118-3122.

Mohebbi L, Hesch K. Stress prophylaxis in intensive care unit, Bayl univ med cent, 2009; 22(4):373-376.

Martín-Echevarría E, Juliá A, Torralba V, Zapata. Assessing the use of proton pump inhibitors in an internal medicine department; Rev Esp Enferm Dig 2008; 100(2):76-81.

Mohammed A. Hospital-Acquired Gastrointestinal bleeding outside the critical care unit, journal of hospital medicine 2006; 1(1):13-20.

Dubois R, Melmed G. Guidelines for the appropriate use of non-steroidal anti-inflammatory drugs, cyclo-oxigenase-2-specific inhibitors and proton pump inhibitors in patients requiring chronic anti-inflammatory therapy, Aliment Pharmacol Ther 2004; 19:197-208.

Abraham N, Bhatt D, Scheiman J et al. ACCF/ACG/AHA 2008 Expert Consensus Document on Reducing the Gastrointestinal Risks of Antiplatelet Therapy and NSAID Use: A Report of the American College of Cardiology Foundation Task Force on Clinical Expert Consensus Documents; Circulation2008; 118;1894-1909.

Holtmann G, Howden C. Management of peptic ulcer bleeding-the roles of proton pump inhibitors and Helicobacter pylori eradication. Aliment Pharmacol Ther, 2004; 19: S66-S77.

Miano T, Houle T, Reichert M. Nosocomial Pneumonia risk and stress ulcer Prophylaxis, Chest 2009; 136; 440-447.

Simpson I, Marshall M, Pilmore H et al. Proton pump inhibitors and acute intersticial nephritis: Report and analysis of 15 cases,Nephrology 2006; 11: 381-385.

Sholl A, Feldman M, Ginsburg C. Pharmacology of antiulcer medications 2009; uptodate.

Soll A, Feldman M, Ginsburg C. Pharmacology of antiulcer medications

; UpToDate

Gingold A, Narasimhan G, Augello S, Clain D. The Prevalence of Proton Pump Inhibitor Use in Hospitalized Patients, Practical Gastroenteroloy 2006: 24-34.

Rebekah R, May D. stress ulcer prophylaxis in hospitalized patients not in intensive care units, american journal of health-system pharmacy 2007; 64(13): 1396-1400.

Noguerado A, Rodriguez B, Zelaya C et al. Use of acid-suppressive medications in hospitalized patients. An Med Interna 2002; 19:555-556

Ficheiros Adicionais

Publicado

28-06-2013

Como Citar

1.
Fonseca T, Lopes D, Barreto P, Andrade L, Costa C, Paixão Dias V. Inibição da secreção ácida num Serviço de Medicina Interna. RPMI [Internet]. 28 de Junho de 2013 [citado 30 de Maio de 2024];20(2):61-7. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1071

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)