Complicações hemorrágicas graves das heparinas de baixo peso molecular – a propósito de cinco casos

Autores

  • Filipa Aragão Carvalho Interna do Internato Complementar de Medicina Interna, Serviço de Medicina II e Unidade de Pneumologia do Hospital Fernando Fonseca, Amadora
  • Sofia Ravara Assistente de Pneumologia, Serviço de Medicina II e Unidade de Pneumologia do Hospital Fernando Fonseca, Amadora
  • Fernanda Martins Assistente Graduada de Medicina Interna, Serviço de Medicina II e Unidade de Pneumologia do Hospital Fernando Fonseca, Amadora
  • Luís Dutschmann Director de Serviço Serviço de Medicina II do Hospital Fernando Fonseca, Amadora

Palavras-chave:

trombose venosa profunda, tromboembolismo pulmonar, heparina de baio peso molecular, hemorragia

Resumo

Detectaram-se complicações hemorrágicas graves das heparinas de baixo peso molecular num período de dois anos em cinco doentes: três do sexo feminino e dois do sexo masculino, com idade média superior a 75 anos.
A indicação para a utilização de HBPM foi:
suspeita de Trombose venosa profunda(TVP)/
Tromboembolismo pulmonar(TEP) (dois casos),
angor instável (um caso), profilaxia TVP/TEP (dois casos).
As complicações observadas foram hematoma retroperitonial espontâneo com choque
hipovolémico (um caso), sufusão hemorrágica com hematomas intramusculares (um caso), hematoma periumbilical extenso (um caso) e sufusão hemorrágica (dois casos). Tal como é descrito na literatura, verificou-se que, para
além da idade avançada, todos os doentes apresentavam factores de risco adicionais para
hemorragia, a saber: insuficiência renal crónica, doença hepática crónica com alterações da
coagulação e terapêutica associada com ácido acetilsalicílico e corticóides sistémicos.
Concluiu-se que os doentes sujeitos a terapêutica com HBPM e com risco hemorrágico
associado devem ser criteriosamente identificados e monitorizados, de modo a prevenir
complicações graves desta terapêutica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Sarret M, Kher A, Toulemonde F. Low molecular weight heparin therapy – an evaluation of clinical trials evidence. New York: Marcel

Dekker 1999.

Lugassy G, Brenner B, Schulman S, Samama M, Cohen M. Thrombosisand Antithrombotic Therapy. London: Martin Dunitz 2001.

Dutschman L. Heparinas de baixo peso molecular: que utilidade terapêutica?. Medicina Interna 1994; 1(2): 120.

Dabney A, Bastani B. Enoxaparin-associated severe retroperitoneal bleeding and abdominal compartment syndrome: a report of two cases.

Intensive care Med 2001; 27: 1954-1957.

Findik S, Erken ML. Low molecular weight heparin vs UFH in treatment of patients with pulmonary thromboembolism. Respiration 2002;

(5): 440-444.

Boneu B, de Moerloose P. How and when to monitor a patient treated with low molecular weight heparin. Semin Thromb Hemost 2001;

(5):519-522.

Bonnet F, Morlat P, de Witte S, Bernard N, Lacoste D, Beylot J. Hemorrhagic accidents with low molecular weight heparin: 15 cases. Rev

Med Interne 2001; 22(8): 761-763

Ficheiros Adicionais

Publicado

31-03-2004

Como Citar

1.
Aragão Carvalho F, Ravara S, Martins F, Dutschmann L. Complicações hemorrágicas graves das heparinas de baixo peso molecular – a propósito de cinco casos. RPMI [Internet]. 31 de Março de 2004 [citado 20 de Maio de 2024];11(1):45-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1726

Edição

Secção

Artigos de Revisão

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>