Inibidores da Bomba de Protões na Profilaxia da Úlcera de Stress em Doentes Não Críticos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi/original/115/1/2019

Palavras-chave:

Hemorragia Gastrointestinal/prevenção e controlo, Inibidores da Bomba de Protões, Úlcera Péptica/ prevenção e controlo

Resumo

Introdução: A utilização de inibidores da bomba de protões
(IBPs) tem um papel bem estabelecido na profilaxia da hemorragia gastrointestinal no doente crítico; contudo, a sua
utilização em doentes não-críticos é controversa. Os autores
propuseram-se a avaliar a prescrição de IBPs em doentes num
Serviço de Medicina Interna, incluindo a sua indicação e os
custos associados.
Material e Métodos: Estudo prospectivo, observacional, transversal. Foram incluídos todos os doentes admitidos no nosso
Serviço de Medicina Interna durante 31 dias. Na admissão foi
preenchido pelo médico assistente uma escala de risco para
hemorragia gastrointestinal. A pontuação igual ou superior 10
pontos afirmava a indicação para profilaxia com IBPs. Os custos associados ao uso de IBPs foram avaliados no período do
estudo.
Resultados: Foram admitidos 115 doentes, dos quais 99 doentes foram incluídos no estudo (54,5% mulheres, idade média
76,2 anos). Factores de risco: 28,3% lesão renal aguda, 10,1%
patologia hepática, 20,2% sépsis, 40,4% anticoagulação profiláctica e 30,3% coagulopatia. De acordo com a escala de risco,
67,7% encontrava-se nos grupos baixo risco e 32,4% nos grupos alto risco. Verificámos que 59,6% dos doentes realizaram
terapêutica com IBPs; destes, 45,8% de acordo com a escala
de risco utilizada não apresentavam indicação para tal. O gasto
em IBPs durante o estudo foi de 101,9€, portanto o valor estimado de gastos inapropriados foi de 46,6€ durante o estudo.
Conclusão: A utilização de IBPs foi elevada no nosso departamento de medicina interna (59,6%). Destes doentes a utilização
de IBPs foi inapropriada em 45,8%, o que representa um problema actual com risco iatrogénico e impacto económico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Grube RRA, May DB. Stress ulcer prophylaxis in hospitalized patients not in intensive care units. Am J Health Syst Pharm. 2007; 64:1396-400. doi: 10.2146/ajhp060393.

Herzig SJ, Rothberg MB, Feinbloom DB, Howell MD, Ho KK, Ngo LH, et al. Risk factors for nosocomial gastrointestinal bleeding and use of acid-supressive medication in non-critically ill patients. J Gen Intern Med.2013; 28:683-90. doi: 10.1007/s11606-012-2296-x.

Ye ZK, Liu Y, Cui XL, Liu LH. Critical appraisal of the quality of clinical practice guidelines for stress ulcer prophylaxis. PLoS One. 2016; 11: e0155020. doi: 10.1371/journal.pone.0155020.

Schoenfeld AJ, Grady D. Adverse effects associated with proton pump inhibitors. JAMA Intern Med.2016;176:172-4. doi: 10.1001/jamainternmed.2015.7927.

Nardino RJ, Vender RJ, Herbert PN. Overuse of acid-suppressive therapy in hospitalized patients. Am J Gastroenterol. 2000; 95: 3118-22. doi: 10.1111/j.1572-0241.2000.03259.x.

Parente F, Cucino C, Gallus S, Bargiggia S, Greco S, Pastore L, et al. Hospital use of acid-suppressive medications and its fall-out on prescribing in general practice: a 1-month survey. Aliment Pharmacol Ther. 2003; 17: 1503-06.

Gullotta R, Ferraris L, Cortelezzi C, Minoli G, Prada A, Comin U,et al. Are we correctly using the inhibitors of gastric acid secretion and cytoprotective drugs? Results of a multicentre study. Ital J Gastroenterol Hepatol. 1997; 29: 325-9.

Fonseca T, Lopes D, Barreto P, Andrade L, Costa C, Dias.V. Inibição da secreção ácida num Serviço de Medicina Interna. Rev Port Med Int. 2013; 20: 61-7.

Ribeiro S, Bathy J, Trabulo D, Cremers MI, Oliveira AP, Pedroso ME. Uso inapropriado de inibidores da bomba de protões num serviço de medicina interna. GE J Port Gastrenterol. 2014;21:9-14.

Heidelbaugh JJ, Kim AH, Chang R, Walker PC. Overutilization of proton- -pump inhibitors: what the clinician needs to know. Ther Adv Gastroenterol. 2012; 5: 219–32. doi: 10.1177/1756283X12437358.

Qadeer MA, Richter JE, Brotman DJ. Hospital-acquired gastrointestinal bleeding outside the critical care unit: risk factors, role of acid suppression, and endoscopy findings. J Hosp Med. 2006; 1:13-20. doi: 10.1002/ jhm.10.

Lazarus B, Yuan C, Wilson FP, Sang Y, Chang AR, Coresh J,et al. Proton pump inhibitor use and the risk of chronic kidney disease. JAMA Intern Med. 2016 ; 176: 238-46. doi: 10.1001/jamainternmed.2015.7193.

Yang Y, Geoge KC, Shang WF, Zeng R, Ge SW, Xu G. Proton-pump inhibitors use, and risk of acute kidney injury: a meta-analysis of observational studies. Drug Des Devel Ther. 2017;11: 1291-9. doi: 10.2147/DDDT. S130568

Cheungpasitporn W, Thongprayoon C, Kittanamongkolchai W, Srivali N, Edmonds PJ, Ungprasert P, et al. Proton pump inhibitors linked to hypomagnesemia: a systematic review and meta-analysis of observational studies. Ren Fail. 2015; 37: 1237-41. doi: 10.3109/0886022X.2015.1057800.

Kwok CS, Arthur AK, Anibueze CI, Singh S, Cavallazzi R, Loke YK. Risk of Clostridium difficile infection with acid suppressing drugs and antibiotics: meta-analysis. Am J Gastroenterol. 2012;107:1011-9. doi: 10.1038/ ajg.2012.108

Ngamruengphong S, Leontiadis GI, Radhi S, Dentino A, Nugent K. Proton pump inhibitors and risk of fracture: a systematic review and meta-analysis of observational studies. Am J Gastroenterol 2011; 106:1209–18. doi: 10.1038/ajg.2011.113.

Heidelbaugh JJ, Inadomi JM. Magnitude and economic impact of inappropriate use of stress ulcer prophylaxis in non-ICU hospitalized patients. Am J Gastroenterol 2006;101: 2200-5. doi: 10.1111/j. 1572-0241.2006.00839.x.

Downloads

Publicado

15-03-2019

Como Citar

1.
C. Isabel Chora Sousa A, Maria Maia Leonardo Pimenta Jacinto M, Isabel Duarte Pires V, Tribolet de Abreu T. Inibidores da Bomba de Protões na Profilaxia da Úlcera de Stress em Doentes Não Críticos. RPMI [Internet]. 15 de Março de 2019 [citado 13 de Agosto de 2022];26(1):28-32. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/359

Edição

Secção

Artigos Originais