Como diagnosticar a febre escaro-nodular em doentes com febre e exantema: um estudo prospectivo

Autores

  • Tiago Tribolet de Abreu Assistente Eventual de Medicina Interna, Serviço de Medicina 2, Hospital do Espírito Santo-Évora
  • Rita de Sousa Assistente de Investigação, Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas/Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge
  • Carla Pinto Interna do Internato Complementar de Medicina Interna, Serviço de Medicina 1, Hospital do Espírito Santo-Évora
  • Fátima Bacellar Investigadora Principal, Centro de Estudos de Vectores e Doenças Infecciosas/Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge

Palavras-chave:

febre botonosa, febre escaro-nodular, Rickettsia conorii, Rickettsia israeli, diagnóstico, febre, exantema

Resumo

Introdução: A febre escaro-nodular tem uma incidência elevada
em Portugal, especialmente no Alentejo, onde a taxa de letalidade
pode atingir os 4,5%. Apesar do seu diagnóstico ser clínico, desconhece-se o valor preditivo dos sinais e sintomas que constituem
a sua apresentação habitual.
Objectivos: Identificar características clínico-laboratoriais,
passíveis de se obterem no serviço de urgência, que se correlacionem, em doentes com febre e exantema, com o diagnóstico
definitivo de rickettsiose.
Métodos: Realizámos um estudo prospectivo, entre 1 de Janeiro
e 31 de Dezembro de 2002, em que foram incluídos todos os
doentes internados com febre e exantema. A estes doentes, para
além de uma avaliação clínico-laboratorial inicial no serviço de
urgência, foi também feita uma avaliação dos diagnósticos de
rickettsiose, borreliose, ehrlichiose, infecção por EBV, infecção
aguda por VIH, echovirose, coxsackievirose, febre tifóide, leptospirose, sífilis, febre reumática, endocardite, lúpus. Utilizando o método de qui-quadrado (ou método de Fisher, quando necessário),
foi avaliada a correlação entre as variáveis clínico-laboratoriais
obtidas no serviço de urgência e a probabilidade de o doente
ter o diagnóstico definitivo de rickettsiose, em comparação com
os restantes diagnósticos. Utilizámos a regressão logística para
avaliação do valor preditivo das variáveis com correlação estatisticamente significativa.
Resultados: Durante o ano de 2002, foram internados no nosso
hospital 55 doentes com febre e exantema, sendo o diagnóstico
definitivo de rickettsiose em 44. A idade média foi de 60,7 anos,
e 46,7% eram do sexo masculino. Das características avaliadas,
só o diagnóstico clínico, na admissão, de febre escaro-nodular
se correlacionou de forma estatisticamente significativa com um
diagnóstico definitivo de rickettsiose (p=0,008).
Conclusões: Neste estudo, apenas o diagnóstico clínico, na
admissão, de febre escaro-nodular se correlacionou de forma
estatisticamente significativa com esse diagnóstico definitivo (odds ratio 10,7). A semana do internamento teve uma correlação
com significado estatístico limite (odds ratio 4,0).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Jorge R. La fièvre exanthématique (fièvre escharo-nodulaire) et son apparition Jorge R. La fièvre exanthématique (fièvre escharo-nodulaire) et son apparition au Portugal. Lisboa Médica 1930; 7: 433-454.

Jorge R. A propos de la denomination de la fièvre exanthématique (fièvre escharo-nodulaire). Presse Med 1930; 1: 1549.

Sousa R, Nóbrega SD, Bacellar F, Torgal J. Sobre a realidade da febre escaronodular em Portugal. Acta Médica Portuguesa 2003; 16: 480-486.

Carmo G. Febre escaro-nodular ou febre exantemática mediterrânica. In: Antunes F, Forte M, Eds. Cadernos de Doenças Infecciosas, volume III. Lisboa, 1994, Clínica de Doenças Infecciosas e Parasitárias, Faculdade de Medicina

de Lisboa, 1-6.

Carmo G, Caixeiro IS, Ava AS, Paiva JED. Febre escaro-nodular: actualização teórica e análise retrospectiva de 231 casos. Rev Port Doenças Infecciosas 1981; 4: 13-25.

Proença RM, Vieira JM, Dias AJ. Febre escaro-nodular Febre escaro-nodular : a propósito de um inquérito epidemiológico e clínico. O Médico 1974 ; 71 : 7-12.

Tavares L, Botas J, Antunes F, Araújo FC. A febre escaro-nodular em Portugal: análise estatístico-epidemiológica nos últimos 30 anos (1955-1984). O Médico 1985; 113: 838-840.

Maltez F, Machado J, Morgado A, Proença R. Febre escaro-nodular: casuística de 10 anos (1977-1986). Estudo clínico e epidemiológico de 247 casos. O Médico 1991; 20: 459-464.

Letaief A, Souissi J, Trabelsi H, Ghannem H, Jemni L. Evaluation of clinical diagnosis scores for Boutonneuse fever. Ann N Y Acad Sci 2003; 990: 327-330.

Sousa R, Barata C, Vitorino L, Santos-Silva M, Carrapato C, Torgal J, Walker D, Bacellar F. Rickettsia sibirica isolation from a patient and detection in ticks, Portugal. Emerg Infect Dis 2006; 12: 1103-1108

Ficheiros Adicionais

Publicado

30-03-2007

Como Citar

1.
Tribolet de Abreu T, de Sousa R, Pinto C, Bacellar F. Como diagnosticar a febre escaro-nodular em doentes com febre e exantema: um estudo prospectivo. RPMI [Internet]. 30 de Março de 2007 [citado 22 de Julho de 2024];14(1):5-11. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/1526

Edição

Secção

Artigos Originais

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>