A Responsividade a Fluidos Não é o Mesmo que Benefício de Fluidos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24950/rspmi/PV/137/1/2019

Palavras-chave:

Equilíbrio Hidroeletrolítico, Hidratação

Resumo

A responsividade a fluidos tem sido um tema quente há algum
tempo. Embora tenha uma definição conceptual fácil (a resposta à expansão de volume com aumento do débito cardíaco), a sua avaliação na prática tem sido assunto de investigação, debate e alguma controvérsia nos últimos 15 ou 20 anos.
O problema é que a responsividade a fluidos não é sinónimo
de benefício da administração de fluidos. E temos andado a
gastar tempo a investigar formas de prever a responsividade a
fluidos. E eu realmente não quero saber se o doente é responsivo a fluidos ou não (não o somos todos?), mas antes se aquele
doente específico beneficia ou não da administração de fluidos
naquele momento específico. Nós avaliamos se os doentes em
choque são ou não responsivos a fluidos. Se, seja qual for o
método utilizado, verificamos que o são, administramos fluidos.
E só paramos essa administração de fluidos se uma de duas
coisas acontece: se o doente já não está em choque, ou se o
doente deixa de ser responsivo a fluidos. Nunca usaríamos um
fármaco com efeitos deletérios comprovados, em especial se o
seu benefício não estivesse comprovado. No entanto continuamos a usar fluidos em cenários em que o seu prejuízo está bem
demonstrado, mas o seu benefício não. Precisamos de uma
mudança de paradigma. Temos que deixar de procurar formas
de prever a responsividade a fluidos. Precisamos de encontrar
formas de identificar que doentes beneficiam da expansão de
volume, depleção de volume ou de uma estratégia de balanço
neutro. Os novos ensaios deverão, de forma prospectiva, comparar estratégias bem definidas de gestão de fluidos (expansão, depleção ou neutra) a serem aplicadas de acordo com critérios pré-determinados. Até lá, continuaremos com o mesmo
problema: será que este doente, neste momento, beneficia de
uma estratégia de expansão, depleção ou de balanço neutro?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Monnet X, Teboul JL. Assessment of fluid responsiveness: recent advances. Curr Opin Crit Care. 2018; 24:190-5. doi: 10.1097/ MCC.0000000000000501.

Monnet X, Marik PE, Teboul JL. Prediction of fluid responsiveness: an update. Ann Intensive Care. 2016;6:111. doi: 10.1186/s13613-016-0216-7.

Moritz ML, Ayus JC. Maintenance intravenous fluids in acutely ill patients. N Engl J Med. 2015;373:1350-60. doi: 10.1056/NEJMra1412877.

Self WH, Semler MW, Wanderer JP, Wang L, Byrne DW, Collins SP, et al. Balanced crystalloids versus saline in noncritically ill adults. N Engl J Med. 2018; 378:819-28. doi: 10.1056/NEJMoa1711586.

Semler MW, Self WH, Wanderer JP, Ehrenfeld JM, Wang L, Byrne DW, et al. Balanced crystalloids versus saline in critically ill adults. N Engl J Med. 2018; 378:829-39. doi: 10.1056/NEJMoa1711584.

Branstrup B. Finding the right balance. N Engl J Med. 2018;378:2335-6. doi: 10.1056/NEJMe1805615.

Boyd JH, Forbes J, Nakada TA, Walley KR, Russell JA. Fluid resuscitation in septic shock: a positive fluid balance and elevated central venous pressure are associated with increased mortality. Crit Care Med. 2011;39:259-65. doi: 10.1097/CCM.0b013e3181feeb15.

Benes J, Kirov M, Kuzkov V, Lainscak M, Molnar Z, Voga G, et al. Fluid therapy: double-edged sword during critical care? Biomed Res Int. 2015;2015:729075. doi: 10.1155/2015/729075.

Ogbu OC, Murphy DJ, Martin GS. How to avoid fluid overload. Curr Opin Crit Care. 2015; 21: 315-21. doi: 10.1097/MCC.0000000000000211.

Monnet X, Teboul JL. My patient has received fluid. How to assess its efficacy and side effects? Ann Intensive Care. 2018;8:54. doi: 10.1186/ s13613-018-0400-z.

Rhodes A, Evans LE, Alhazzani W, Levy MM, Antonelli M, Ferrer R, et al. Surviving sepsis campaign: international guidelines for management of sepsis and septic shock: 2016. Intensive Care Med. 2017;43:304–77. doi: 10.1007/s00134-017-4683-6.

Malbrain ML, Marik PE, Witters I, Cordemans C, Kirkpatrick AW, Roberts DJ, et al. Fluid overload, de-resuscitation, and outcomes in critically ill or injured patients: a systematic review with suggestions for clinical practice. Anaesthesiol Intensive Ther. 2014;46:361-80. doi: 10.5603/ AIT.2014.0060.

Wang CH, Hsieh WH, Chou HC, Huang YS, Shen JH, Yeo YH, et al. Liberal versus restricted fluid resuscitation strategies in trauma patients: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials and observational studies. Crit Care Med. 2014;42:954-61. doi: 10.1097/ CCM.0000000000000050.

Barmparas G, Liou D, Lee D, Fierro N, Bloom M, Ley E, et al. Impact of positive fluid balance on critically ill surgical patients: a prospective observational study. J Crit Care. 2014; 29:936–41. doi: 10.1016/j. jcrc.2014.06.023.

Downloads

Publicado

15-03-2019

Como Citar

1.
Tribolet de Abreu T. A Responsividade a Fluidos Não é o Mesmo que Benefício de Fluidos. RPMI [Internet]. 15 de Março de 2019 [citado 13 de Agosto de 2022];26(1):67-8. Disponível em: https://revista.spmi.pt/index.php/rpmi/article/view/371

Edição

Secção

Pontos de Vista